Crise entre Rússia e Ucrânia é ‘momento perigoso para milhões de pessoas’, diz Blinken

Secretário de Estado dos EUA discursou nesta quinta-feira (17) no Conselho de Segurança da ONU; Antony Blinken propôs uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov

Tanque das Forças Armadas da Rússia durante exercícios militares na região de Rostov
Tanque das Forças Armadas da Rússia durante exercícios militares na região de Rostov Sergey Pivovarov/Reuters (03/02/2022)

Michael ConteJennifer HanslerChristin Sierrada CNN

Ouvir notícia

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, chamou a crise entre Rússia e Ucrânia de um “momento de perigo” ao discursar no Conselho de Segurança das Nações Unidas, em Nova York, nesta quinta-feira (17).

“A ameaça mais imediata à paz e à segurança é a iminente agressão da Rússia contra a Ucrânia. As apostas vão muito além da Ucrânia. Este é um momento de perigo para a vida e a segurança de milhões de pessoas, bem como para a fundação da Carta das Nações Unidas e a ordem internacional baseada em regras que preservam a estabilidade em todo o mundo”, disse Blinken.

“Devemos abordar o que a Rússia está fazendo agora para a Ucrânia”, disse ele.

Blinken disse que a inteligência dos EUA indica claramente que o acúmulo de forças russas sinaliza um ataque contra a Ucrânia nos “próximos dias”. Na mesma reunião, Blinken declarou que está nesta quinta no Conselho de Segurança “não para iniciar uma guerra, mas para evitar uma”.

“Estou aqui hoje não para iniciar uma guerra, mas para evitar uma. As informações que apresentei aqui são validadas pelo que vimos se desenrolando diante de nossos olhos por meses. E lembre-se de que, embora a Rússia tenha repetidamente considerado nossos avisos como melodrama e bobagem, eles vêm acumulando constantemente mais de 100.000 soldados nas fronteiras da Ucrânia, bem como a capacidade de conduzir um ataque militar maciço. Não somos apenas nós que estamos dizendo isso. Aliados e parceiros veem a mesma coisa”, disse Blinken.

O secretário de Estado dos EUA instou a Rússia a usar a diplomacia como solução para a crise.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken / Getty Images (23.set.2021)

Proposta de encontro com Lavrov

Blinken disse que enviou uma carta ao ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, propondo que eles se encontrem na próxima semana na Europa.

Ele também propôs reuniões do Conselho OTAN-Rússia e da Organização para Segurança e Cooperação na Europa.

“Essas reuniões podem abrir caminho para uma cúpula de líderes-chave no contexto da desescalada para chegar a entendimentos sobre nossas preocupações de segurança mútua. Como diplomatas líderes de nossas nações, temos a responsabilidade de fazer todos os esforços para que a diplomacia tenha sucesso”, completou Blinken.

Ele disse que a Rússia provavelmente responderá afirmando que os EUA estão “alimentando a histeria” em torno da crise.

“O governo russo pode anunciar hoje, sem qualificações, equívocos ou desvios, que a Rússia não invadirá a Ucrânia, declarado claramente ao mundo – e depois demonstrá-lo enviando suas tropas, seus tanques, seus aviões, de volta aos hangares e enviando diplomatas à mesa de negociações. Nos próximos dias, o mundo vai se lembrar desse compromisso. Ou da recusa em assumi-lo”, concluiu.

Tiros de tanque no leste do país

O ministro de Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse nesta quinta-feira (17) que um tiro de um tanque operado por separatistas apoiados pela Rússia foi registrado no leste do país.

“Esse projétil veio dos territórios temporariamente ocupados da Ucrânia, que são controlados pela Rússia”, disse Kuleba em uma coletiva de imprensa em Kiev após encontrar-se com a secretária de Estado do Reino Unido para os Assuntos Externos, Liz Truss.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN