Democrata do Congresso dos EUA culpa líderes da Boeing por acidentes

Peter De Fazio, do Comitê de Transporte e Infraestrutura, defende que punições não sejam restritas ao ex-piloto condenado por esquema para fraudar clientes de companhias aéreas da Boeing

Boeing 737 MAX 7 em Renton, Washington (EUA)
Boeing 737 MAX 7 em Renton, Washington (EUA) 05/02/2018REUTERS/Jason Redmond

David Shepardsonda Reuters

Ouvir notícia

Um democrata do Congresso dos Estados Unidos que supervisionou uma investigação massiva do Boeing 737 MAX disse na última sexta-feira (15) que a acusação de um ex-piloto técnico não deveria ser o fim da responsabilidade nos dois acidentes fatais que mataram 346 pessoas.

“Os líderes seniores da Boeing são responsáveis ​​pela cultura de ocultação que levou aos acidentes do 737 MAX e à morte de 346 pessoas inocentes”, disse o representante Peter DeFazio, que preside o Comitê de Transporte e Infraestrutura.

Mark Forkner, 49, foi condenado após ser indiciado por um grande júri no Texas por seis acusações de esquema para fraudar clientes de companhias aéreas da Boeing nos Estados Unidos para obter dezenas de milhões de dólares para a fabricante de aviões.

“A acusação de Mark Forkner não deve ser o fim da responsabilidade por este colossal e trágico fracasso”, disse DeFazio.

A Boeing não comentou sobre o assunto. Procurado, o advogado de Forkner não se pronunciou.

O Congresso aprovou uma legislação para reformar a forma como a Administração Federal de Aviação (FAA, em inglês) certifica novos aviões e DeFazio disse que a agência “deve trabalhar urgentemente para implementar a legislação bipartidária”.

O relatório de DeFazio de setembro de 2020 disse que os acidentes do MAX “foram a culminação horrível de uma série de suposições técnicas incorretas dos engenheiros da Boeing, uma falta de transparência por parte da administração da Boeing e uma supervisão grosseiramente insuficiente da FAA”.

O 737 MAX foi aterrado em março de 2019 após a queda do voo 302 da Ethiopian Airlines, que matou todos os 157 a bordo.

Robert Clifford, um advogado que representa as famílias de parentes mortos no acidente na Etiópia, disse que a acusação de Forkner “é uma brecha corporativa … Este tipo indesculpável de ganância corporativa vai muito além (Forkner) na empresa que desordenadamente fez essas aeronaves em um esforço para aumentar os lucros. ”

Em janeiro, a Boeing concordou em pagar mais de US$ 2,5 bilhões em multas e indenizações após chegar a um acordo de diferimento com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos sobre os acidentes do MAX, que custaram à Boeing mais de US$ 20 bilhões.

Mais Recentes da CNN