Departamento de Estado impede Biden de acessar mensagens de líderes estrangeiros

Enquanto Trump não reconhece derrota em eleições, Departamento de Estado impede que Joe Biden tenha acesso a mensagens de diversos líderes estrangeiros

Joe Biden fez coletiva para falar sobre ações contra a Covid-19, após ser eleito novo presidente dos EUA (9.nov.2020)
Joe Biden fez coletiva para falar sobre ações contra a Covid-19, após ser eleito novo presidente dos EUA (9.nov.2020) Foto: CNN Brasil

Por Kylie Atwood, da CNN

Ouvir notícia

 

Uma pilha de mensagens de líderes estrangeiros para o presidente eleito Joe Biden está no Departamento de Estado, mas o governo Trump está impedindo que ele tenha acesso a elas, segundo funcionários do Departamento de Estado familiarizados com as mensagens.

Tradicionalmente, o Departamento de Estado apoia todas as comunicações do presidente eleito, motivo pelo qual muitos países começaram a enviar mensagens ao Estado no fim de semana. Mas com Biden proibido de acessar recursos do Departamento de Estado pelo governo Trump, enquanto o republicano contesta os resultados eleitorais, dezenas de mensagens não foram recebidas.

Mesmo diante da obstrução, porém, a equipe de Biden está em contato com governos estrangeiros sem o envolvimento do Departamento de Estado, e o democrata já realizou várias ligações a líderes, incluindo Angela Merkel da Alemanha e Justin Trudeau do Canadá.

Leia também:
Impasse na transição pode afetar segurança nacional dos EUA

Trump troca oficiais da Defesa por nomes leais a ele e liga alerta no Pentágono

Essas ligações, porém, estão operando sem o apoio logístico e de tradução que o centro de operações do Departamento de Estado oferece.

“Eles prefeririam usar os recursos do Departamento de Estado”, disse uma fonte à CNN, que observou que a equipe de Biden está tendo que lidar com o desafio inesperado de operacionalizar essas ligações.

Biden não está apenas sendo impedido pelo Departamento de Estado de receber mensagens e assistência para facilitar e preparar ligações, mas na terça-feira o secretário de Estado Mike Pompeo se recusou a reconhecer a vitória do democrata, dizendo que “haverá uma transição suave para um segundo governo Trump”, acendendo furor e turbulento diplomatas.

O presidente eleito também está sendo impedido de receber os mesmos briefings de inteligência que o presidente, conhecido como o resumo diário do presidente.

Os líderes estrangeiros começaram a perceber que o Departamento de Estado americano não pode colocá-los em contato com o presidente eleito e suas equipes solicitaram a ajuda de ex-diplomatas da era Obama para enviar mensagens de felicitações à equipe do democrata, disseram fontes à CNN.

Alguns governos estrangeiros sentem que estão navegando em um labirinto desconhecido, disseram diplomatas estrangeiros.

A CNN pediu comentários ao Departamento de Estado e à equipe de transição de Biden, mas ainda não teve retorno.

No passado, o Departamento de Estado conduziu processos de transição mais tranquilos.

“Foi útil que as operações do Estado fizessem as ligações e prestassem serviços de tradução, e somos gratos pela cooperação do governo Bush para que isso acontecesse”, disse Denis McDonough, que serviu no governo Obama e trabalhou com Obama durante o transição.

Mais Recentes da CNN