Derek Chauvin se declara culpado por violar os direitos de George Floyd

Ex-policial de Minneapolis, nos EUA, já havia sido condenado a mais de 22 anos de prisão e pode ter pena prolongada

George Floyd e Derek Chauvin
George Floyd e Derek Chauvin Foto: Reprodução

Julia Harte, Jonathan Allen e Brendan O'Brienda Reuters

Ouvir notícia

O ex-policial de Minneapolis Derek Chauvin se confessou culpado, nesta quarta-feira (15), em um tribunal federal por violar os direitos civis de George Floyd, provavelmente estendendo sua pena de prisão em vários anos após sua condenação anterior pelo assassinato do homem negro.

Chauvin, de 45 anos, compareceu ao Tribunal Distrital dos Estados Unidos em St. Paul, Minnesota em um macacão laranja para renunciar a seu direito a um julgamento, alterando sua confissão para culpado em um acordo com os promotores, impedindo o risco de uma sentença de prisão perpétua.

Um juiz estadual já havia condenado Chauvin a 22 anos e meio de prisão, em junho, depois que um júri o condenou pelo assassinato de Floyd em 2020, e desde então ele foi mantido em confinamento solitário em uma prisão de segurança máxima em Minnesota.

Em Minnesota, os prisioneiros são elegíveis para libertação supervisionada após cumprirem dois terços da pena.

Chauvin, que é branco, foi visto em vídeos gravados por espectadores horrorizados ajoelhado no pescoço de Floyd – que estava algemado – por mais de nove minutos, em uma esquina de Minneapolis em 25 de maio de 2020.

O assassinato deu início a um dos maiores movimentos de protesto já vistos nos Estados Unidos.

A condenação de Chauvin no tribunal estadual sob a acusação de homicídio não intencional de segundo grau, homicídio de terceiro grau e homicídio culposo foi vista por muitos como uma repreensão histórica ao uso desproporcional da força policial contra os negros americanos.

Ex-policial Derek Chauvin durante audiência / Por Nicholas Pfosi e Jonathan Allen da Reuters

Chauvin admitiu na quarta-feira que, em seu papel como policial, ele violou o direito constitucional de Floyd de ser livre de “apreensões irracionais” e de não enfrentar uso de força excessiva.

Os promotores federais disseram ao tribunal que as diretrizes de sentença determinam que Chauvin passe de 20 a 25 anos na prisão, embora observem que o tribunal pode decidir por uma sentença mais dura, até prisão perpétua.

Eles disseram que, seguindo com o acordo de confissão, os promotores pediriam ao tribunal uma sentença de 25 anos a ser executada simultaneamente com a estadual, o que significa que Chauvin estenderia sua atual pena de prisão por vários anos.

Os promotores federais disseram que ele seria transferido para uma prisão federal, que muitas vezes é considerada mais segura do que suas contrapartes estaduais.

O juiz distrital Paul Magnuson disse que realizaria uma audiência de condenação em uma data posterior, onde os parentes de Chauvin e Floyd, alguns dos quais estavam no tribunal na quarta-feira, terão a chance de se dirigir ao tribunal.

Painel homenageia George Floyd em Minneapolis, no estado americano de Minnesota
/ Foto: Nicholas Pfosi/Reuters (4.jun.2020)

Chauvin também admitiu a violação dos direitos de jovem negro

Como parte do acordo, Chauvin admitiu que também violou os direitos civis de um menino que prendeu em 2017, que tinha 14 anos na época, batendo na cabeça do menino com uma lanterna e ajoelhando-se em seu pescoço, o que gerou acusações em uma acusação federal separada.

O menino, que é negro, compareceu à audiência na quarta-feira com um advogado e, mais tarde, trocou cotoveladas com o irmão de Floyd, Philonise, no corredor do lado de fora.

“É um bom dia para a justiça”, disse Philonise ao menino, de acordo com o relatório.

Chauvin, que originalmente se declarou inocente em setembro, assinou o acordo de confissão na Justiça, que também o obrigou a pagar a indenização, com valor ainda a ser apurado. Ele também concordou em nunca mais ser licenciado como policial.

Os promotores perguntaram a ele se ele intencionalmente privou Floyd de um direito constitucional e se ele estava de joelhos contra Floyd mesmo depois que o homem estava inconsciente.

“Correto”, Chauvin respondeu enquanto a namorada de Floyd, Courtney Ross, assistia da galeria pública, enxugando as lágrimas de seus olhos.

Chauvin e três outros policiais – Thomas Lane, J. Alexander Kueng e Tou Thao – abordaram Floyd sob suspeita de usar uma nota falsa de US $ 20 para comprar cigarros.

Lane, Kueng e Thao também foram demitidos do Departamento de Polícia de Minneapolis e enfrentam acusações em um julgamento estadual, que deve começar em março, de que ajudaram e incitaram o assassinato de Floyd. Os três também enfrentam um julgamento federal em janeiro, sob a acusação de privar Floyd de seus direitos.

A acusação disse que Thao e Kueng violaram os direitos de Floyd ao não intervir para impedir Chauvin de se ajoelhar em seu pescoço, e que todos os policiais envolvidos mostraram indiferença deliberada às sérias necessidades médicas de Floyd.

Mais Recentes da CNN