Texas concede perdão póstumo para George Floyd

Floyd morreu em maio de 2020 depois que o ex-policial de Minneapolis, Derek Chauvin, ajoelhou-se em seu pescoço por mais de nove minutos

Manifestante segura cartaz com rosto de George Floyd durante protesto em Nova York
Manifestante segura cartaz com rosto de George Floyd durante protesto em Nova York Foto: Caitlin Ochs/Reuters (3.jun.2020)

George CampbellAmir Verada CNN

Ouvir notícia

O Conselho Estadual de Perdão e Condicional do Texas votou em unanimidade na segunda-feira pelo perdão póstumo total para George Floyd, por uma acusação de tráfico de drogas de 2004, de acordo com as atas de audiência fornecidas pelo conselho à CNN.

Um pedido de perdão foi apresentado em abril em nome de Floyd e sua família sobrevivente. No requerimento, Allison Mathis, da Defensoria Pública do Condado de Harris, disse que o pedido foi feito porque o policial responsável pela prisão no caso de Floyd, Gerald Goines, “inventou a existência de informantes confidenciais para apoiar seus casos contra réus inocentes”.

Floyd morreu em maio de 2020 depois que o ex-policial de Minneapolis, Derek Chauvin, ajoelhou-se em seu pescoço por mais de nove minutos. Chauvin foi considerado culpado pelo assassinato de Floyd em abril e condenado a 22 anos e meio de prisão em junho deste ano.

“Lamentamos a perda de George Floyd e esperamos que sua família encontre conforto na decisão de segunda-feira do Conselho Estadual de Perdão e Condicional do Texas de recomendar clemência para uma condenação de 2004 envolvendo o ex-oficial do Departamento de Polícia de Houston, Gerald Goines,” disse Kim Ogg, promotor do distrito de Harris County, em um comunicado.

A decisão final sobre a concessão de clemência a Floyd cabe ao governador Greg Abbott, disse Ogg. A CNN entrou em contato com o gabinete do governador para comentar se o perdão será concedido.

Goines prendeu Floyd em 5 de fevereiro de 2004, alegando, na época que Floyd possuía crack “e que havia fornecido as drogas a um ‘segundo suspeito’ não identificado que concordou em vender as drogas para os Goines disfarçados. O ‘segundo suspeito’ não foi preso, Goines observou em seu relatório de ofensa, “em uma [sic] tentativa de promover o tráfico de entorpecentes [sic] nesta área”.

A advogada de Goines, Nicole DeBorde, disse à CNN em abril: “Nós defendemos o caso original. Certamente simpatizamos com a causa do Sr. Floyd, mas isso não muda o fato de que sua condenação anterior era legítima”.

Em 2019, Goines esteve envolvido em um caso de alto perfil conhecido como assassinatos da Harding Street, no qual ele obteve um mandado de invasão “no-knock” de um juiz municipal sob falsos pretextos, Ogg disse à CNN. A operação deixou duas pessoas mortas e cinco policiais feridos.

Goines, um veterano da lei de 35 anos, foi indiciado por duas acusações de homicídio doloso e adulteração de um registro do governo, ainda de acordo com o promotor.

DeBorde, o advogado de Goines, informou à CNN que seu cliente se declarou inocente de todas as acusações.

(texto traduzido. Leia o original aqui).

Mais Recentes da CNN