Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Desigualdade é tema central aos eleitores da cidade mais rica da Índia

    Mumbai é um lugar de oportunidades e nas eleições da maior democracia do mundo, seus moradores estão preocupados em depositar seus votos na educação, emprego e em diminuir a desigualdade social

    Pessoas passam pelo Terminal Chhatrapati Shivaji em Mumbai, Índia, em 18 de abril de 2024
    Pessoas passam pelo Terminal Chhatrapati Shivaji em Mumbai, Índia, em 18 de abril de 2024 Noemi Cassanelli/CNN

    Jessie YeungPriti GuptaNoemi Cassanellida CNN

    Mumbai, Índia

    Para milhões de indianos, é a cidade onde os sonhos se tornam realidade – basta olhar em volta.

    Da casa reluzente do homem mais rico da Ásia, Mukesh Ambani, elevando-se sobre a “Fila dos Bilionários”, às mansões à beira-mar das estrelas de Bollywood, Mumbai é o lugar onde as ambições são realizadas.

    Mas enquanto a capital financeira da Índia se prepara para votar nas eleições gerais do país, muitos residentes dizem que querem uma parte mais justa da sua riqueza – sendo uma melhor educação a chave para a oportunidade.

    No bairro densamente povoado de Dadar, trabalhadores e sonhadores saem das estações de trem e dos complexos comerciais, um turbilhão de humanidade serpenteando pelas ruas congestionadas onde os comerciantes do mercado buscam negócios.

    Ao lado de pilhas de batatas e cebolas, o dono da mercearia Sachin Chaudhary, de 34 anos, cita o aumento dos preços e um mercado de trabalho difícil como suas maiores preocupações antes do primeiro turno de votação na cidade, no final de maio.

    “A mudança que quero ver é que as coisas devem se tornar menos caras”, diz ele. “E as crianças estão recebendo uma boa educação, por isso também deverá haver melhores oportunidades no setor do emprego”.

    O vendedor de vegetais Sachin Chaudhary posa para uma foto durante entrevista à CNN em Mumbai, Índia, em 16 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN

    Sendo a cidade mais rica da Índia, Mumbai é muitas vezes comparada a Nova York – um lugar de oportunidades onde todos vêm de outro lugar, na esperança de crescer e sustentar as suas famílias, muitas vezes vindos de cidades rurais mais pobres.

    Mas entre todo o brilho e glamour, a outra metade da Índia é igualmente evidente. Perto de pontos turísticos como o icônico Portal da Índia, ambulantes trabalham sob o calor sufocante, carregando cargas pesadas nos ombros ou vendendo bugigangas nas margens de estradas empoeiradas.

    Um entregador anda de bicicleta no trânsito em Colaba, Mumbai, Índia, em 17 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN

    A disparidade preocupa Rajani Bhat, uma moradora de Mumbai, de 42 anos, com cabelo curto e espetado e voz assertiva.

    “Estou preocupada com a proteção das mulheres, especialmente das meninas”, diz ela em uma rua repleta de joalherias e lojas de roupas. “Elas estão vendendo sacos de lixo, estão fazendo vários (trabalhos), mas e a educação delas? Elas têm pais, mas o problema é que eles (não têm) condições financeiras”, disse ela. “Alguém deveria fazer algo por elas”.

    Muitas crianças pobres da cidade não têm nem 10 anos quando começam a trabalhar para ajudar os pais. É especialmente comum nas famosas favelas de Mumbai, retratadas no filme vencedor do Oscar de 2008, “Quem Quer Ser Um Milionário”.

    Rajani Bhat expressou seu apoio ao primeiro-ministro Narendra Modi durante uma entrevista à CNN em Mumbai, Índia, em 16 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN

    Kalpita Shinde, uma funcionária pública de 43 anos, também destaca a necessidade do próximo governo da Índia proporcionar ao seu povo uma maior mobilidade social.

    “Todos deveriam ter emprego, e os empregos deveriam estar à altura das melhores oportunidades de educação que temos”, diz ela. “Se as pessoas têm bons empregos, não é apenas o indivíduo que cresce. A família toda também cresce e leva uma vida melhor”.

    A banqueira Helen D’Souza, de 60 anos, concordou com esse sentimento.

    “Acho que há muito a ser feito nesse país, no que diz respeito à classe média”, disse ela em meio ao barulho do trânsito de Dadar. “Muitas pessoas estão infelizes… Quando você não consegue algo, você perde a confiança”.

    Helen D’Souza fotografada enquanto caminhava com sua família em Mumbai, Índia, em 16 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN

    “Eu quero Narendra Modi”

    Todos os residentes de Mumbai que falaram à CNN enfatizaram a importância do voto como um dever cívico, mas apenas os apoiadores de um partido expressaram abertamente as suas intenções de voto.

    Espera-se que o partido governante Bharatiya Janata (BJP) e o primeiro-ministro Narendra Modi conquistem um terceiro mandato consecutivo de cinco anos nesta eleição, estendendo seu governo popular, mas controverso, para uma segunda década.

    Esse domínio se reflete na enorme quantidade de material de campanha do BJP exibido por toda a cidade, com poucos sinais de oposição na Índia. O rosto de Modi brilha em outdoors e, pendurados em pontes, cartazes listam suas conquistas e promessas eleitorais.

    Um outdoor de campanha com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, exibido em uma estrada em Mumbai, Índia, em 15 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN
    Um homem pedala por uma rua em frente à sede do Shiv Sena em Mumbai, Índia, em 16 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN

    Para Bhat, a resposta às meninas e mulheres atingidas pela pobreza na Índia reside em Modi, que foi creditado por impulsionar a economia, a infraestrutura e a posição global do país.

    “Eu quero Narendra Modi – é isso. Ele é um verdadeiro líder”, diz ela. “Antes de Narendra Modi, ninguém sabia quem é o presidente, quem é o primeiro-ministro. Mas agora todos estão cientes disso porque ele está saindo, mantendo relações (com outros países), para que o nosso país possa lidar com os problemas futuros”.

    Conversando com a CNN entre goles de chai em um copo de papel, o vendedor Parag Sawla, de 42 anos, ecoa esse sentimento.

    “Votarei no BJP porque é o partido perfeito”, diz ele. “Para mim, nestas eleições, precisamos de um partido que se concentre não apenas nas questões globais, mas também nas questões que são importantes para os indivíduos do país”.

    O vendedor Parag Sawla bebe chai durante um intervalo do seu trabalho em Mumbai, Índia, em 16 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN

    Mas nem todos os eleitores do BJP estão tão entusiasmados.

    “Não há uma oposição forte, por isso votarei no BJP, pois não existem outros partidos políticos (significativos). O BJP governa em todos os lugares”, diz Chaudhary, o vendedor de vegetais. “Se houvesse uma oposição forte, eu teria mais escolha – mas, infelizmente, não temos”.

    Tensões religiosas

    Deixando de lado a educação e o emprego, várias outras questões pairam nas mentes dos eleitores de Mumbai – especialmente as tensões religiosas de longa data que aumentaram durante o mandato de Modi.

    Modi e o seu BJP foram acusados de impulsionar a polarização religiosa com políticas nacionalistas hindus, dando origem a uma onda de ataques contra indianos islâmicos e confrontos comunitários mortais. Muitos dos 230 milhões de muçulmanos do país dizem que estão sendo postos de lado e marginalizados na maior democracia do mundo.

    Um dos principais pontos de discórdia é a tentativa do BJP de aprovar um Código Civil Uniforme (CCU), um conjunto de leis comuns para assuntos pessoais, como casamento, divórcio e herança – substituindo as leis religiosas seguidas por diferentes grupos.

    Sanjay Sardesai está sentado em sua motocicleta do lado de fora da sede do Congresso Nacional Indiano durante uma entrevista à CNN em Mumbai, Índia, em 16 de abril de 2024 / Noemi Cassanelli/CNN

    Alguns críticos temem que as políticas nacionalistas hindus do governo possam influenciar indevidamente a legislação, ameaçando ainda mais os direitos e liberdades das minorias. Outros, porém, dizem que a reforma das leis religiosas representa um progresso.

    Sanjay Sardesai, um trabalhador aposentado de uma companhia aérea, de 60 anos, não quis indicar em quem está votando, mas diz que o código civil é a questão eleitoral mais importante.

    “Isso significa que todos os setores da sociedade, independentemente da sua religião, devem ser tratados igualmente”, disse ele à CNN enquanto descansava na sua moto em Dadar. “Isso deveria ser implementado para que tenhamos os mesmos direitos em toda a Índia”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original