Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Desiludido, jovem de 21 anos “se aposenta” na China para viver em montanhas

    Liu Youwen é membro de um movimento crescente entre os jovens chineses, que rejeita o trabalho duro e mal remunerado das cidades e opta por uma vida rural e isolada

    Liu Youwen registra a vida cotidiana na zona rural de Guizhou
    Liu Youwen registra a vida cotidiana na zona rural de Guizhou Divulgação

    Veronica LinJessie Yeungda CNN

    Hong Kong

    Empoleirada na beira de um penhasco na província de Guizhou, no sudoeste da China, está a cabana de bambu que Liu Youwen, um “aposentado” de 21 anos, construiu do zero.

    Há três anos, Liu trocou a sua cidade natal, em uma área rural de Xiaxixiang, Guizhou, pela cidade de Shantou, em Guangdong, a província mais rica da China, juntando-se a uma migração nacional de décadas de trabalhadores rurais, que impulsionou o enorme crescimento do país e criou alguns dos maiores conglomerados urbanos.

    Mas, como abandonou o ensino fundamental, foi difícil para Liu encontrar um emprego. Ele disse que, na cidade, foi rejeitado por muitas fábricas devido à sua falta de habilidades, antes de finalmente encontrar trabalho como mecânico de automóveis, depois como trabalhador da construção civil e, finalmente, em uma fábrica de roupas.

    Desiludido com a rotina árdua da vida na cidade, no final de 2022 ele decidiu desistir e retornar às colinas e rios de Guizhou. Os pais e o irmão mais velho de Liu protestaram contra a mudança, mas ele queria uma “vida simples” e escapar da corrida desenfreada e pressão.

    “Na fábrica eu trabalhava das 8h às 22h. além das horas extras. Meu tempo não era meu”, disse Liu à CNN por telefone recentemente, enquanto terminava de cortar brotos de bambu. “Agora posso acordar com o som dos pássaros cantando.”

    As frustrações de Liu refletem um sentimento crescente de desencanto entre os jovens na China, muitos dos quais enfrentam um mercado de trabalho difícil, esgotamento após anos de extenuante pressão acadêmica e profissional, além do impacto traumático das antigas políticas draconianas pandemicas do país.

    De acordo com o Gabinete Nacional de Estatísticas, a taxa de desemprego juvenil da China nas cidades e vilas atingiu um recorde histórico de 21,3% em Junho – antes de o governo parar de divulgar os dados desconfortáveis.

    Em resposta, as autoridades incentivaram os jovens urbanos a irem para o campo – uma proposta controversa.

    Liu diz que construiu sua casa do zero em sua cidade natal, Xiaxixiang, nas montanhas.
    Liu diz que construiu sua casa nas montanhas do zero / Divulgação

    Em Dezembro do ano passado, o líder chinês Xi Jinping apelou aos jovens para que tomem medidas para “revitalizar a economia rural”, um apelo que suscitou comparações com uma campanha anterior lançada há décadas pelo antigo líder Mao Tsé-Tung, na qual dezenas de milhões de jovens urbanos foram efetivamente exilados para áreas remotas.

    O próprio Xi foi um membro da “juventude enviada”, e descreveu o seu tempo na zona rural da China central como uma experiência gratificante e de mudança de vida, que fortaleceu o seu corpo e mente.

    Toda a aldeia onde o líder viveu foi transformada num santuário comunista dedicado a ele, atraindo autoridades e turistas de todo o país.

    As autoridades de Guangdong, uma das províncias mais densamente povoadas da China e um importante centro industrial, afirmaram no início deste ano que esperam enviar 300 mil jovens desempregados para o campo em busca de trabalho.

    Viver nas montanhas tem os seus desafios, como Liu descobriu.

    Liu cultiva sua própria comida e filma vídeos de suas refeições sendo preparadas.
    Liu, 21 anos, cultiva sua própria comida e filma vídeos de suas refeições sendo preparadas. / Divulgação

    No início, seus pais se preocuparam com sua segurança, por estar sozinho na floresta, então instalaram câmeras de segurança ao redor da área para mantê-lo sob controle.

    Para resolver o problema da falta de eletricidade, Liu instalou vários painéis solares ao redor do barraco.

    Mas ele também encontrou um caminho não convencional para o sucesso – e totalmente diferente do trabalho agrícola e dos empregos de colarinho azul que as autoridades chinesas incentivam os jovens urbanos a procurar.

    Inspirado pelo vlogger e influenciador chinês Li Ziqi, cujos vídeos sobre a vida na zona rural da China lhe renderam 18 milhões de assinantes no YouTube, Liu agora envia vlogs semanais de seus dias nas montanhas.

    E ele não está sozinho. Dianxi Xiaoge, outra vlogger de culinária chinesa, ensina a seus mais de 10 milhões de inscritos no YouTube como preparar alimentos saudáveis ​​em um vilarejo no sudoeste da província de Yunnan. Outra dupla de “aposentados” da Geração Z, Xiao Chun Zi e Xin Xin’s Rural Life, da província de Sichuan, também postam conteúdo semelhante ao de Liu.

    O YouTube está entre vários sites de redes sociais por trás do Grande Firewall da China, o que significa que não é acessível à maioria das pessoas no país.

    Os vídeos de Liu vão desde ele construindo um chiqueiro até suas interações com seus companheiros peludos, dois cães chamados Lucky e Flower. Armado apenas com um telefone e um tripé, sua produção individual começa enquanto ele trabalha no campo para cultivar vegetais como repolho chinês e alho, e se encerra quando ele prepara purê de batata, doce e ambrósia para seus leitões.

    Liu vive nas montanhas com seus cães e porcos.
    Liu vive nas montanhas com seus cães e porcos. / Liu vive nas montanhas com seus cães e porcos.

    Ele diz que nunca se sente sozinho, com acesso à televisão e aos seus animais que lhe fazem companhia. Desde setembro, ele rapidamente atraiu atenção dos internautas, e conta agora com mais de 350 mil curtidas combinadas em suas contas de mídia social.

    Alguns usuários expressaram admiração pelo estilo de vida. “Ele sabe claramente o que está fazendo, tem um estilo de vida saudável, ao contrário de alguns outros membros da Geração Z, que são viciados em videogames”, diz o comentário de um dos seguidores.

    Outro lamenta: “Os anos 2000 estão começando a se aposentar, e nós que nascemos nos anos 80?” – referindo-se à “aposentadoria” de Liu da força de trabalho tradicional com apenas 21 anos de idade.

    Porém, alguns são contrários. “Você não tem nada para fazer em casa? Fazendo essas coisas sem sentido e ‘deitado’?” comenta um usuário.

    O movimento “deitado” – “tangping” em chinês – explodiu em popularidade entre os jovens em 2021, apelando à rejeição às pressões sociais para trabalharem arduamente, casarem, terem filhos e comprarem propriedades.

    Em vez de trabalhar incessantemente em prol desses objetivos tradicionais – que muitos dizem agora oferecer retornos decrescentes – as pessoas deveriam prosseguir uma vida simples, sugere a filosofia.

    Liu rejeita seus críticos. “Talvez aqueles que não me conhecem vejam isso como uma forma de ‘ficar deitado’, mas eu discordo”, disse ele. “Construí toda a minha casa do zero… a vida nas montanhas não é muito mais fácil do que trabalhar na cidade.”

    Para sustentar seu estilo de vida rural, ele incorpora publicidade em seus vídeos. Desde a venda de cremes para as mãos e produtos de limpeza facial até macarrão quente e azedo, ele ganha uma pequena renda para melhorar suas condições de vida.

    No futuro, Liu também planeja expandir sua casa para construir um galinheiro e vender carne online. Ele também encoraja demais jovens para que adotem vida similar a sua.

    “A vida nas montanhas é muito melhor do que a vida na cidade – até a água potável custa dinheiro na cidade”, disse ele.