Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Deslizamento na Papua-Nova Guiné pode ter deixado mais 100 mortos, dizem autoridades

    Aldeia afetada é isolada e abriga cerca de 4 mil pessoas

    Consequências de um deslizamento de terra em uma aldeia remota da Papua-Nova Guiné
    Consequências de um deslizamento de terra em uma aldeia remota da Papua-Nova Guiné ANDREW RUING

    Heather ChenAlex StambaughEdward SzekeresManveena Surida CNN

    Autoridades temem que mais de 100 pessoas tenham morrido em uma aldeia remota em Papua-Nova Guiné, um país no Oceano Pacífico, depois que um deslizamento de terra destruiu casas e soterrou moradores enquanto dormiam, disseram autoridades nesta sexta-feira (24).

    A tragédia atingiu a vila de Kaokalam, na província de Enga, cerca de 600 quilômetros a noroeste da capital, Port Moresby, por volta das 3h, no horário local.

    O isolamento da aldeia afetada, onde vivem cerca de 4 mil pessoas, está dificultando os esforços de resgate, segundo o Chefe da Missão da Organização Internacional para as Migrações (OIM) no país.

    “Os destroços são do tamanho de aproximadamente três a quatro campos de futebol e estão bloqueando a principal rodovia da província, o que está dificultando ainda mais os esforços de socorro”, disse Serhan Aktoprak à CNN.

    “Já está escuro. Já é noite em Papua-Nova Guiné. Não há força para continuar os esforços de socorro. Somente com o nascer do sol as equipes [da OIM] retornarão”, disse Aktoprak.

    Ele acrescentou que até agora três corpos foram recuperados, mas o número de mortos provavelmente aumentará devido ao tamanho do deslizamento de terra.

    O número de pessoas mortas ou desaparecidas é “muito fluido”, mas acredita-se que mais de 100 estejam mortas, pontuou Janet Philemon, zeladora e tesoureira nacional da Sociedade do Crescente Vermelho de Papua-Nova Guiné (PNGRCS), à CNN.

    A comunidade local tem lutado para alcançar os sobreviventes “com todas as ferramentas que têm à sua disposição”, destacou Philemon.

    “A própria comunidade está agindo, tentando salvar aqueles que foram soterrados pelo deslizamento de terra”, acrescentou.

    Ela afirmou que um terremoto atingiu a área alguns dias atrás, o que ela acredita poder ter contribuído para o deslizamento de terra.

    Imagens das consequências, divulgadas pela AFP, mostraram uma grande quantidade de lama e rochas numa encosta íngreme de uma montanha e moradores escalando em busca de sobreviventes.

    O primeiro-ministro James Marape disse em declaração anterior, relatada pela ABC e pela Reuters, que o governo enviou funcionários da agência de desastres do país, da Força de Defesa e do Departamento de Obras e Rodovias para se reunirem com as autoridades provinciais e distritais de Enga.

    Os órgãos devem realizar esforços de resgate e socorro, bem como a reconstrução de infraestruturas.

    “Apresento minhas mais sinceras condolências às famílias daqueles que perderam a vida no desastre do deslizamento de terra”, comentou.

    Em comentários relatados pela ABC, as autoridades afirmaram que as casas foram destruídas quando a encosta de uma montanha próxima cedeu.

    A CNN entrou em contato as autoridades locais, incluindo o governador da província, a polícia nacional e a agência de gestão de desastres do país.

    Violência generalizada

    Papua-Nova Guiné é uma nação no Oceano Pacífico com cerca de 10 milhões de pessoas. É rica em recursos, mas a sua economia está atrás da dos seus vizinhos. Além disso, o país tem uma das taxas de criminalidade mais elevadas do mundo.

    O caos eclodiu na capital no início deste ano, depois de a polícia ter abandonado o trabalho em protesto contra queda nos salários, que mais tarde as autoridades governamentais atribuíram a uma falha informática no sistema de folha de pagamento.

    Lojas foram saqueadas e edifícios incendiados durante os distúrbios.

    Centenas de tribos estão espalhadas pelo terreno remoto e muitas vezes inacessível do país. Mas a sua vasta e diversificada paisagem montanhosa, bem como a falta de estradas, tornaram difícil e dispendiosa a modernização de serviços básicos como água, eletricidade e saneamento.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original