Dinamarca, Islândia e Noruega aprovam decisão de Finlândia e Suécia por candidatura à Otan

Em comunicado conjunto, as três nações afirmaram que essa é uma escolha soberana dos países e que a preocupação é pela segurança de ambos

Bandeira da Otan durante protesto em Kiev
Bandeira da Otan durante protesto em Kiev 30/01/2022 REUTERS/Valentyn Ogirenko

Niamh Kennedyda CNN

em Londres, Inglaterra

Ouvir notícia

Os líderes da Dinamarca, Islândia e Noruega aprovaram a decisão da Finlândia e da Suécia de se candidatar à adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

“Saudamos fortemente as decisões da Finlândia e da Suécia de se candidatar à adesão à Otan“, disseram as três nações em comunicado conjunto.

“Observamos que essas ações são decisões nacionais soberanas, alinhadas com o direito destes países de escolher seus próprios acordos de segurança. A Finlândia e a Suécia têm o direito de prosseguir com seu processo de adesão sem qualquer tentativa de interferência externa”, continua a declaração.

Nesta segunda-feira (16), o governo sueco anunciou sua decisão de solicitar a adesão ao bloco militar, classificando o ato como “a melhor maneira de proteger a segurança da Suécia à luz do ambiente de segurança fundamentalmente alterado após a invasão da Ucrânia pela Rússia“.

Na semana passada, o presidente finlandês, Sauli Niinisto, e a primeira-ministra Sanna Marin afirmaram que a Finlândia deve solicitar a adesão “sem demora” e concluirá as etapas necessárias em nível nacional “nos próximos dois dias”.

As três nações enfatizaram nesta segunda que a segurança finlandesa e sueca são “uma questão de preocupação comum para todos nós”.

“Se a Finlândia ou a Suécia forem vítimas de agressão em seu território antes de se tornarem membros da Otan, ajudaremos ambos os países por todos os meios necessários”, prometeram Dinamarca, Islândia e Noruega.

Os países acrescentaram que farão “o máximo para garantir um processo de adesão rápido, já que Finlândia e Suécia já cumprem os critérios relevantes para a adesão à Otan”.

O primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Støre, disse em uma declaração separada que irá “desenvolver ainda mais nossa cooperação de defesa nórdica”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN