Diretor da CIA se reuniu com líder do Talibã em Cabul, dizem fontes

À CNN, duas autoridades norte-americanas confirmaram encontro de William Burns com Abdul Ghani Baradar – reunião de mais alto escalão desde que grupo assumiu controle do Afeganistão

Diretor da CIA, William Burns, se encontrou com líder do Talibã em Cabul
Diretor da CIA, William Burns, se encontrou com líder do Talibã em Cabul Ian Morton/NPR

John HarwoodPhil MattinglyVeronica Stracqualursida CNN

Ouvir notícia

O diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos, William Burns, encontrou-se pessoalmente com o principal líder do Talibã em Cabul na segunda-feira (23), de acordo com duas autoridades norte-americanas, enquanto os EUA continuam transportando seus cidadãos e aliados afegãos para fora do Afeganistão correndo contra o prazo final de 31 de agosto dado pelo grupo islâmico.

O governo Biden tem mantido contato regular com membros do Talibã ao longo do processo de saída do país, tanto no Afeganistão quanto em Doha, no Catar, onde o grupo mantém um escritório político.

Mas a reunião secreta, relatada primeiro nesta terça-feira (24) pelo jornal The Washington Post, entre Burns e o cofundador e vice-líder do Talibã Abdul Ghani Baradar é o encontro de mais alto escalão desde que o grupo assumiu o controle da capital afegã, informou um funcionário dos EUA à CNN.

A reunião também reforça a visão no governo norte-americano de que eles precisam de um entendimento mais claro sobre a posição do Talibã em várias questões enquanto o tempo avança até o prazo máximo de 31 de agosto para retirar as tropas do país, disse o funcionário.

Essa fonte afirmou à CNN que a reunião ocorreu por orientação do presidente dos EUA, Joe Biden, o que reflete a visão no governo de que Burns é o mais experiente e um dos diplomatas veteranos mais confiáveis a equipe de Biden.

Outro funcionário chamou a reunião de “uma troca de opiniões sobre o que precisa ser feito” até 31 de agosto.

A CIA se recusou a comentar sobre a reunião. A CNN entrou em contato com a Casa Branca para comentar o assunto, mas ainda não obteve resposta.

Corrida contra o relógio em Cabul

Os EUA retiraram do aeroporto de Cabul milhares de pessoas que fogem do país enquanto o Talibã retoma o controle. Embora Biden permaneça confiante de que o país concluirá sua missão até 31 de agosto, ele revelou no domingo (22) que as discussões estão em andamento sobre a possibilidade de estender o prazo, mas o Talibã sinalizou na segunda-feira que considera essa a data final.

“Os EUA devem aderir à remoção das tropas do Afeganistão até esta data. Caso contrário, será uma violação clara [do acordo]”, disse um porta-voz do Talibã à CNN sobre o prazo de 31 de agosto, acrescentando que, em caso de atraso, “nossa liderança assumirá decisão(ões) apropriada(s).”

O Talibã descreveu 31 de agosto como uma “linha vermelha” e ameaças de consequências se a Casa Branca adiar a saída dos EUA.

O governo Biden tem dependido do Talibã para cooperar com os esforços de retirada, e o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan disse na segunda-feira (23) que os EUA estão em negociações com o Talibã “diariamente” por meio de canais políticos e de segurança.

Depois que o Talibã retomou o controle de Cabul, Baradar, que chefia o comitê político do grupo, voltou ao Afeganistão na semana passada, após ficar fora do país por 20 anos.

Baradar e o então secretário de Estado no governo de Donald Trump, Mike Pompeo, estavam entre as testemunhas da assinatura de um acordo histórico pelos EUA e o Talibã no ano passado, que deu início à retirada das tropas americanas do Afeganistão – Trump e Baradar falaram por telefone logo após a assinatura do acordo.

Burns assumiu a agência de espionagem após décadas de experiência como diplomata americano no Departamento de Estado, inclusive no centro das negociações de paz no Oriente Médio.

Sandi Sidhu, Betsy Klein e Michael Callahan, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN