Diretor da CIA teve rara conversa com Vladimir Putin em visita a Moscou

Fontes disseram à CNN que Bill Burns transmitiu as "sérias preocupações" dos EUA sobre os movimentos russos na fronteira com a Ucrânia

Presidente da Rússia, Vladimir Putin
Presidente da Rússia, Vladimir Putin Trabalharemos com qualquer pessoa que tenha a confiança do povo americano"

Jim SciuttoNatasha Bertrandda CNN

Ouvir notícia

O diretor da CIA, Bill Burns, teve uma rara conversa com o presidente russo Vladimir Putin em Moscou, na semana passada, a fim de transmitir as “sérias” preocupações dos Estados Unidos sobre o acúmulo militar da Rússia ao longo da fronteira ucraniana e para tentar entender as intenções russas, disseram duas fontes à CNN.

O porta-voz de Putin também confirmou que houve uma discussão. “Sim, tal conversa ocorreu por telefone”, disse Dimitry Peskov à CNN na segunda-feira (8).

A CNN informou na sexta-feira que a visita de Burns à capital russa ocorreu em um momento de crescente preocupação entre alguns oficiais norte-americanos sobre a possibilidade de uma grande intervenção militar russa na Ucrânia.

Uma fonte disse à CNN que os EUA estão “seriamente preocupados” com o movimento russo, acrescentando: “Seria uma tolice não considerarmos a possibilidade de uma invasão ou incursão”.

Quando perguntado sobre os tópicos abordados durante esta conversa telefônica, Peskov disse que eram “relações bilaterais, a situação de crise na prática diplomática e uma troca de pontos de vista sobre conflitos regionais”.

“É claro que também foram mencionadas questões de segurança cibernética”, acrescentou Peskov.

As avaliações sobre os motivos da Rússia diferem muito dentro da administração, com algumas fontes dizendo à CNN que acreditam que a Rússia poderia estar se preparando para uma invasão, enquanto outras sugerem que o país está conduzindo um exercício ou simplesmente tentando intimidar a Ucrânia.

E, publicamente, a Ucrânia minimizou a ideia de que a Rússia está construindo sua presença militar perto da fronteira além dos níveis normais.

Na terça-feira, o Ministério da Defesa da Ucrânia disse: “A Rússia estabeleceu uma prática de transferir e acumular unidades militares com o objetivo de manter a tensão na região e a pressão política sobre os países vizinhos”.

Imagens de satélite tiradas pela Maxar Technologies na semana passada demonstram o tipo de movimentos irregulares de tropas e equipamentos russos que preocupam as autoridades americanas.

As imagens mostram tropas russas, tanques e artilharia em massa perto da cidade de Yelnya, e o governo Biden está mais preocupado do que na primavera que a Rússia poderia investir em uma invasão, disseram dois altos funcionários dos EUA.

O presidente Joe Biden enviou Burns a Moscou na terça-feira, num esforço para evitar qualquer tipo de escalada, onde ele se reuniu com oficiais do Kremlin para tentar deter quaisquer planos de uma ofensiva – transmitindo que os EUA estão monitorando de perto os movimentos das tropas, de acordo com as pessoas informadas sobre sua reunião.

Burns também mencionou as preocupações dos EUA de que a Rússia está perto de usar suas exportações de gás como alavancagem, com a Ucrânia e outras nações europeias prevendo novas crises energéticas no inverno.

*Esta matéria foi traduzida. Leia a original, em inglês

Mais Recentes da CNN