Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Duterte diz ter ‘grande confiança’ em vacina russa e se voluntaria para teste

    Presidente das Filipinas disse esperar que Rússia forneça vacinas de forma gratuita ao país.

    Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas
    Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas Foto: Reprodução/ Reuters

    Enrico Dela Cruz,

    da Reuters

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, elogiou os esforços da Rússia para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus e afirmou que recebeu uma oferta de fornecimento de Moscou que, segundo ele, será gratuita.

    Leia também:
    Mesmo sem concluir testes, Rússia planeja produzir vacinas a partir de setembro

    A Rússia espera a aprovação regulamentar para uma potencial vacina contra a Covid-19 neste mês e, de acordo com o líder filipino, está pronta para fornecê-la às Filipinas ou se associar a uma empresa local para produzi-la em massa.

    As Filipinas têm um dos maiores números de infecções pelo novo coronavírus da Ásia, que subiu para 136.638 na segunda-feira, após um salto diário recorde de 6.958 casos.

    “Direi ao presidente (Vladimir) Putin que tenho grande confiança em seus estudos no combate à Covid-19 e acredito que a vacina que você produziu é realmente boa para a humanidade”, disse Duterte na televisão na noite de segunda-feira.

    Duterte, ainda, colocou a si próprio à disposição para testar o composto russo. “Eu posso ser o primeiro que eles podem fazer experiências.”

    O gabinete do presidente filipino disse na terça-feira que o país está pronto para trabalhar com a Rússia em testes, fornecimento e produção de vacinas.

    Em julho, Duterte fez um apelo ao seu homólogo chinês para tornar as Filipinas uma prioridade caso desenvolvam uma vacina, em meio à preocupação dos países em desenvolvimento sobre a disponibilidade de imunológicos.

    Ele restaurou neste mês um bloqueio estrito na capital Manila e arredores por ao menos duas semanas, atendendo ao apelo dos médicos de primeira linha em meio a um surto de infecções durante um período em que as restrições foram amenizadas.

    Se a situação se tornar um “contágio descontrolado”, Duterte prometeu na segunda-feira mobilizar os militares para fazer cumprir o bloqueio.

    O bloqueio está entre os mais rígidos do mundo e os oponentes de Duterte e grupos de direitos humanos expressaram preocupação sobre sua abordagem centrada na segurança e a conduta da polícia.