Biden e Trump buscam votos a poucas horas do fechamento das urnas

Democrata viaja para sua cidade natal, Scranton, no estado crucial da Pensilvânia; já o republicano visitou sede de campanha e agradeceu funcionários

Murillo Ferrari, da CNN
03 de novembro de 2020 às 15:28 | Atualizado 03 de novembro de 2020 às 15:40

O republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden, candidatos à presidência dos Estados Unidos, encerraram oficialmente suas campanhas eleitorais na noite de segunda-feira (2).

Nesta terça-feira (3), dia oficial da votação em que milhões de pessoas devem ir às urnas para decidir uma das disputas mais agressivas pela Casa Branca, Biden começou seu dia em sua casa na cidade de Wilmington, no estado do Delaware.

Ele participou de missa em uma igreja católica e fez uma breve visita aos túmulos de seu filho Beau Biden, e de sua falecida esposa e filha.

Biden é cercado por apoiadores em sua cidade natal, Scranton, na Pensilvânia

Biden é cercado por apoiadores em sua cidade natal, Scranton, na Pensilvânia
Foto: Kevin Lamarque - 3.nov.2020/Reuters

De lá, Biden viajou para sua cidade natal, Scranton, no estado crucial da Pensilvânia. Falando a algumas dúzias de voluntários usando um megafone, Biden voltou a alguns de seus temas de campanha recorrente, prometendo unir os americanos e "restaurar a decência e a honra básicas à Casa Branca".

Mais tarde, ele parou na casa em que morou durante a infância, onde assinou uma das paredes da sala, escrevendo: "Desta casa para a Casa Branca com a graça de Deus. Joe Biden 11-3-2020."

O democrata chegou no começo da tarde à Filadélfia, onde fará mais algumas paradas para tentar convencer eleitores indecisos. Depois, ele voltará para Wilmington, onde acompanhará o início da apuração. Por fim, deve se reunir com sua companheira de chapa, Kamala Harris, para continuar acompanhando a apuração em um centro eleitoral montado pelo partido.

Assista e leia também:
Disputa nos estados-chave e risco de judicialização marcam reta final nos EUA
Trump diz que só vai declarar a vitória ‘quando houver vitória’
Bolsonaro diz à CNN que está confiante na reeleição de Trump

Já Trump iniciou seu dia dando uma entrevista para a rede Fox News, a partir da Casa Branca, sua residência oficial. 

O republicano, que estava rouco e aparentava cansaço, disse que as multidões que viu na segunda-feira, o último dia frenético da campanha, lhe deram a confiança de que vencerá.

Temos multidões que ninguém nunca viu antes", disse ele, que foi criticado pelos democratas por realizar comícios ignorando as recomendações de distanciamento social durante a pandemia. "Acho que isso se traduz em muitos votos."

Trump tenta evitar se tornar o primeiro presidente a perder uma reeleição desde George H.W. Bush em 1992. 

No começo da tarde, Trump deixou a Casa Branca em direção à sede de sua campanha em Arlington, no estado da Virgínia.

Ao chegar no local, o republicano disse estar se sentindo muito bem, agradeceu o trabalho de todos os membros da sua campanha e brincou sobre sua voz falha: "Deus não fez minha garganta para falar tanto, mas estou muito bem", disse.

Trump agradece funcionários na sede de sua campanha em Arlington, no estado da V
Trump agradece funcionários na sede de sua campanha em Arlington, no estado da Virgínia
Foto: CNN (3.nov.2020)

Questionado sobre que mensagem ele pretende transmitir à nação, caso seja reeleito, Trump afirmou que "todos devem se unir". "O sucesso vai nos unir, teremos muito sucesso. Acho que estamos no caminho do sucesso, já estávamos trazendo união, mas aí veio o vírus chinês e nos impactou", afirmou.

Trump e o vice-presidente Mike Pence devem passar a noite da eleição na Casa Branca, onde uma recepção para 250 pessoas foi organizada – anteriormente, falava-se em 400 pessoas. Todos os convidados farão um teste rápido para Covid-19 antes de entrarem no evento.

(Com informações da CNN e da Reuters)