Opinião: Por que Donald Trump perdeu

Comentarista político sênior da CNN analisa a derrota de presidente dos EUA na campanha à reeleição

David Axelrod, da CNN
07 de novembro de 2020 às 20:11
O republicano Donald Trump durante discurso na Casa Branca
O republicano Donald Trump durante discurso na Casa Branca
Foto: CNN (05.nov.2020)


Nos dias finais e furiosos de sua campanha para reeleição, o presidente Donald Trump muitas vezes transformava seus comícios públicos em sessões de terapia pessoal, nas quais o presidente em apuros e amargurado lamentava o que poderia ter sido.

“Quatro ou cinco meses atrás, quando começamos tudo isso antes da praga chegar, eu teria conseguido, eu não viria para Erie”, Trump disse uma multidão no final de outubro em Erie, no estado decisivo da Pensilvânia. “Eu teria ligado para vocês e dito, ‘Ei, Erie, se vocês puderem, saiam e votem’. Nós vencemos essa coisa!”

O exame de autópsia analisando por que Trump se tornou o primeiro presidente em 28 anos a perder a reeleição pode trazer como causa possível da morte a Covid-19. Mas isso é apenas parte da história.

Como em um paciente com doença crônica, a morte política de Trump não foi causada pelo coronavírus, mas por uma situação pré-existente e familiar de deficiências de caráter e liderança presentes no primeiro presidente de reality show dos Estados Unidos.

Donald Trump derrotou Donald Trump

Mesmo antes da pandemia, muitos norte-americanos se cansaram da atuação de Trump: os tuítes aparentemente intermináveis, com birras e teorias da inspiração que dominaram seus dias e os nossos; as batalhas mesquinhas em que parecia se deleitar, enquanto o caos reinava ao seu redor; a tendência a mentir tão habitualmente que galvanizou uma indústria caseira de verificadores de fatos; a auto absorção altiva e a chocante falta de empatia pelos outros; a aparente falta de seriedade ou

interesse na substância do trabalho; o flagrante desprezo pelas regras, normas, leis e instituições básicas da democracia; e, talvez o pior de tudo, seus apelos divisivos e feios ao racismo e à supremacia branca.

Trump é o primeiro presidente na história das pesquisas a nunca ter recebido uma taxa de aprovação acima de 50% durante o mandato, historicamente o indicador mais confiável do voto de reeleição de um presidente. (Nas pesquisas de boca-de-urna de terça-feira (3), os norte-americanos davam a Trump um índice de aprovação de 47%.) A partir daquele dia em que ele desceu a escada rolante dourada da Trump Tower em 2015 e mergulhou na política nacional com um discurso antiimigrante, Trump viu na energia galvânica crua da divisão racial e cultural um caminho para o poder.

Na terça-feira (3), Trump colheu a generosidade de sua política incendiária, ganhando milhões de votos a mais do que há quatro anos, trazendo uma onda de apoio em pequenas cidades e áreas rurais, levando os republicanos a uma exibição inesperadamente forte nas cédulas eleitorais.

Mas ele também confrontou a versão política da Terceira Lei de Newton: para cada ação, há uma reação igual e oposta.

Trump não apenas inflamou sua própria base, mas inspirou uma enorme coalizão de norte-americanos, determinados a acabar com seu domínio tempestuoso e divisivo. Joe Biden se apresentou desde o início como o antídoto para a política dura de Trump, alguém que cura, não que divide. E, na terça-feira, Biden ganhou mais votos do que qualquer candidato presidencial na história, acumulando margens enormes nas cidades e áreas suburbanas onde vive a maioria dos norte-americanos. Biden reuniu uma ampla coalizão de mulheres, minorias e jovens. Os subúrbios, que já foram um bastião do apoio republicano, se voltaram contra Trump.

E Biden, um católico irlandês moderado do coração industrial da Pensilvânia, ganhou mais eleitores de homens, idosos e da classe trabalhadora, além de eleitores brancos, do que Hillary Clinton há quatro anos.

Com tudo isso, é difícil lembrar que no início de 2020 o implacável Trump era a aposta favorita para ganhar a reeleição. A economia estava forte e crescendo, um enorme benefício para um presidente que busca um segundo mandato. Ele escapou do impeachment com a absolvição do

Senado, ostentava um grande fundo de campanha, enquanto os rebeldes democratas ainda procuravam seu candidato.

Em seguida, a Covid-19 entrou em ação, expondo o país à crise

Se Trump tivesse lidado com o vírus de maneira diferente desde o início – seguindo a ciência e falando com o país sobre a ameaça e os sacrifícios necessários; se ele tivesse se tornado o líder do “tempo de guerra” que clamara março; ou se tivesse emergido de sua própria batalha com a Covid-19 algumas semanas atrás com mais humildade e empatia pelos sofredores – talvez pudesse ter sobrevivido à crise.

Em vez disso, ele não conseguiu resistir ao impulso familiar de girar a crise e usá-la apenas como mais uma ocasião para dividir. Enquadrando o esforço para subjugar o vírus como uma batalha entre norte-americanos comuns, ele atacou cientistas de renome e democratas que, em sua narrativa, queriam “fechar” desnecessariamente o país, liderando a resistência aos seus próprios especialistas em saúde pública.

Seu cálculo aparente era que as pessoas se cansariam das dificuldades exigidas e ele não queria a culpa. Trump não queria desacelerar a economia sobre a qual planejava operar, embora o próprio vírus fizesse isso. Ele conhecia os passos necessários para inflamar sua base antigovernamental. Assim, depois de abraçar de forma relutante um breve regime de paralisações parciais e distanciamento social no primeiro semestre, ele declarou a missão cumprida e prematuramente pediu um retorno à vida normal.

Trump e seus aliados fizeram do uso de máscaras e do distanciamento social uma questão partidária. O presidente pediu rebelião contra os governadores democratas que impuseram precauções de segurança em seus estados. Ele transformou seis semanas de briefings sobre o coronavírus na Casa Branca em um teatro contencioso e às vezes bizarro. A crise tornou claro o custo de sua abordagem caótica e desconexa para governar, à medida que os casos dispararam – e mais de 230 mil norte-americanos perderam a vida e milhões perderam seu sustento. No dia da eleição, o país estabeleceria novos recordes surpreendentes de infecções.

Leia mais: 

Donald Trump pode se tornar o 11º presidente americano a não vencer a reeleição

Casos de Covid-19 disparam em estados-chave a poucos dias da eleição nos EUA

Enquanto os casos de Covid-19 batem recordes, Trump fala sobre petróleo

E em meio a essas crises sobrepostas veio outra

Quando George Floyd, um afro-americano, morreu sufocado com o pescoço sob o joelho de um policial de Minneapolis, a reação ao vídeo

mostrando sua morte chocou muitos em todo o país. Mas, em vez de buscar a cura, Trump reagiu a protestos multirraciais em grande parte pacíficos em todo o país, aproveitando atos isolados de tumulto e vandalismo para alimentar o medo e se declarar presidente da “lei e ordem”.

Biden, que entrou na corrida criticando Trump por ter elogiando os supremacistas brancos, nunca se desviou de uma mensagem de unidade e reconciliação. Mas, com o vírus, a empatia palpável de Biden (nascida de sua própria perda e tristeza) assumiu um novo poder. Sua experiência de quase meio século de governo, que Trump e sua campanha consideraram uma vulnerabilidade, provou ser uma força para Biden quando as pessoas estão desesperadas por uma resposta competente à pandemia.

Candidato presidencial duas vezes fracassado e nas estrofes finais de sua longa carreira, Biden chegou ao seu momento. E, no final, o presidente que apostou todas as suas fichas na política da divisão (e a praticou com ferocidade incessante) descobriu seus limites.

O vírus não matou a reeleição de Trump. Ele o fez, lembrando a maioria dos norte-americanos mais uma vez, durante sua luta contra a pior pandemia em um século, o preço alto de um presidente de reality show cansativo. 

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

NOTA DO EDITOR: David Axelrod, comentarista político sênior da CNN e apresentador de “The Ax Files”, foi conselheiro sênior do presidente Barack Obama e estrategista-chefe para as campanhas presidenciais de Obama em 2008 e 2012. As opiniões expressas neste texto são dele.