Trump não é obrigado por lei a reconhecer a derrota nas eleições; entenda

Apesar da tradição, a prática é apenas um costume e não algo exigido pela legislação

Da CNN
13 de novembro de 2020 às 11:53
O presidente dos EUA, Donald Trump
Foto: Carlos Barria / Reuters

Reconhecer uma eleição como perdida é uma coisa elegante a se fazer e geralmente é visto como uma certa forma de união após uma campanha marcada por divisão.

Mas o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ainda não reconheceu a vitória do democrata Joe Biden, projetado como vencedor das eleições no sábado passado (7). E ainda não indicou ter qualquer intenção de fazê-lo.

Assista e leia também:
Acompanhe a apuração das eleições nos EUA
Biden vence no Arizona, encerrando longo período de domínio republicano
China parabeniza o democrata Joe Biden por vitória nas eleições dos EUA

Ainda assim, a prática é um costume e não algo exigido por lei. Normalmente há dois elementos para compõem uma declaração de reconhecimento: uma ligação para o vencedor e um discurso aos apoiadores. 

Em 2016, a democrata Hillary Clinton fez uma ligação a Trump para reconhecê-lo como vencedor, e discursou aos apoiadores dela após ficar claro que tinha sido derrotada. Vale ressaltar que, apesar disso, este ano ela ligou para Biden e o aconselhou a não ceder se os números de votos dos dois estivessem próximos.

O republicano John McCain estabeleceu um padrão ao reconhecer gentilmente a derrota perante seus partidários. “Há pouco tempo, tive a honra de ligar para o senador Barack Obama para parabenizá-lo por ter sido eleito o próximo presidente do país que nós dois amamos”, declarou ele em 2008.

Oito anos antes, o democrata Al Gore ligou para George W. Bush para concedê-lo a vitória nas eleições, mas depois acabou recuando quando os resultados na Flórida ficaram apertados. Al Gore reconheceu a derrota 36 dias depois, após a Suprema Corte encerrar as recontagens e dar a Casa Branca a Bush, e fez um discurso conciliatório à nação.

A Constituição dos EUA diz que um novo presidente fará o juramento de ofício no dia 20 de janeiro. Isso vai acontecer se Trump perder e reconhecer ou mesmo se tiver que ser retirado do Salão Oval por agentes do Serviço Secreto – apesar de não estar claro como eles agiriam se o republicano se recusar a sair.

(Com informações de Zachary B. Wolf, da CNN, em Atlanta)