Ainda sem reconhecer derrota, Trump já sinaliza que pode tentar voltar em 2024

Presidente diz a aliados que ainda está tentando ficar mais quatro anos; 'Senão, vejo vocês em quatro anos'

O atual presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca
O atual presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca Foto: Hannah McKay - 24.nov.2020 / Reuters

Ouvir notícia

Donald Trump deu a entender que pode estar disposto a seguir em frente e planejar outra candidatura à Presidência dos Estados Unidos em 2024.

O presidente se recusa a reconhecer a vitória do democrata Joe Biden, e seus advogados continuam a apresentar contestações legais do resultado da eleição de 3 de novembro, alegando fraude eleitoral sem apresentar provas.

Autoridades estaduais e federais disseram diversas vezes que não há indícios de tal fraude.

Em uma recepção na Casa Branca na noite de terça-feira, Trump pareceu reconhecer que tais esforços podem fracassar, e que neste caso concorrerá novamente.

“Estamos tentando ficar mais quatro anos”, disse ele ao grupo reunido, de acordo com uma fonte republicana presente ao evento. “Senão, vejo vocês em quatro anos.”

Assista e leia também:

EUA: Justiça investiga suspeitas de suborno em troca de perdões presidenciais
Scott Atlas, consultor de Trump sobre a Covid-19, pede demissão
Trump: ‘Não deixem que Biden leve o crédito pelas vacinas, porque isso fui eu’

Ainda na terça-feira, o secretário de Justiça, William Barr, visto há muito tempo como um aliado de Trump, disse que o Departamento de Justiça não encontrou indícios de fraude generalizada.

Mas as alegações infundadas de Trump ganharam fôlego entre apoiadores, ajudando a arrecadar até 170 milhões de dólares para um “Fundo de Defesa da Eleição” que pode ser usado para uma variedade de atividades políticas futuras, incluindo outra candidatura presidencial, segundo reportagens da mídia.

Nesta quarta-feira, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, disse que Biden ruma para a vitória após a segunda recontagem estadual e criticou Trump duramente por fomentar alegações falsas.

Mais Recentes da CNN