Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Trump irá do julgamento à campanha eleitoral e vice-versa

    Donald Trump deverá se dividir entre o tribunal e visitas por dois estados decisivos esta semana, um dos momentos mais intensos de sua campanha, explica o analista

    O ex-presidente dos EUA Donald Trump em um Tribunal Criminal de Manhattan para julgamento em 19 de abril de 2024 na cidade de Nova York
    O ex-presidente dos EUA Donald Trump em um Tribunal Criminal de Manhattan para julgamento em 19 de abril de 2024 na cidade de Nova York Curtis Means - Piscina/Getty Images

    Stephen Collinsonda CNN

    Donald Trump fará o seu esforço mais concentrado até agora para transformar o seu julgamento criminal em um trunfo político nos próximos dois dias, indo do tribunal para a campanha eleitoral e vice-versa.

    O julgamento do ex-presidente sobre o pagamento de suborno recomeça em Nova York na terça-feira (30), enquanto os procuradores buscam provar que Trump falsificou registros comerciais para encobrir um alegado caso extraconjugal e, assim, interferiu nas eleições de 2016 enganando os eleitores.

    Eles não estão dispostos a revelar testemunhas antecipadamente, a fim de protegê-las dos ataques de Trump. Mas espera-se que prossigam com o interrogatório de um ex-banqueiro de Michael Cohen, ex-advogado e intermediário de Trump que fez pagamentos de suborno à atriz de filmes adultos Stormy Daniels, que alegou ter tido um caso com Trump, o que ele nega. Trump se declarou inocente.

    Com o fim do expediente na quarta-feira (1º), o presumível candidato do Partido Republicano voará para o epicentro do seu confronto com o presidente Joe Biden, fazendo paradas em dois estados decisivos, Wisconsin e Michigan, que poderão decidir o destino da Casa Branca. A viagem vai mostrar como é útil para um candidato indiciado ter avião próprio.

    Mas o mais significativo é que esta será a viagem de campanha mais intensa de Trump nas últimas semanas, e ele certamente irá aprofundar as suas falsas alegações de que as suas quatro acusações foram diretamente instigadas pela Casa Branca.

    Contudo, o retorno de Trump à campanha em tempo integral será passageiro. Ele deve estar de volta ao tribunal na quinta-feira (2) – quando o juiz Juan Merchan realizará outra audiência sobre as alegações da promotoria de que ele viola regularmente uma ordem de silêncio parcial destinada a proteger testemunhas, funcionários do tribunal e até mesmo a própria família do juiz.

    A justaposição entre a campanha – onde Trump regressará à sua personalidade política dominadora – e a sua muda perda de poder na sala do tribunal, onde o juiz está no comando, será outro momento notável em uma campanha eleitoral presidencial como nenhuma outra.

    Enfatizará como a corrida à Casa Branca para 2024 tem sido até agora moldada tanto pelo que acontece nos tribunais como nas campanhas tradicionais. E irá sublinhar como Trump fez da sua defesa em vários casos criminais o mesmo tema central da sua campanha – que ele é efetivamente um dissidente político que é vítima de perseguição injustificada.

    O suposto candidato republicano diz a seus apoiadores que está sendo alvo porque está evitando que a mesma coisa aconteça com eles. “Eu sou a sua justiça e, para aqueles que foram injustiçados e traídos, sou a sua retribuição”, disse ele na Conferência de Ação Política Conservadora no ano passado.

    Donald Trump chega em julgamento no tribunal de Nova York / 25/4/2024 Spencer Platt/Pool via REUTERS

    Testemunho prejudicial

    A semana de abertura do caso da promotoria continha depoimentos detalhados que pareciam ser prejudiciais para Trump, enquanto o ex-editor de tablóide David Pecker detalhava os esquemas de “capturar e matar” que o ex-presidente supostamente usou para suprimir histórias negativas e os advogados revelaram evidências sobre supostas irregularidades financeiras.

    “Foi uma fraude eleitoral. Puro e simples”, disse o promotor Matthew Colangelo em sua declaração inicial. O advogado de Trump, Todd Blanche, rebateu: “Tenho um alerta de spoiler. Não há nada de errado em tentar influenciar uma eleição. Isso se chama democracia”.

    É muito cedo para dizer como o eleitorado poderá reagir a uma condenação no caso ou se Trump poderá obter um impulso político se for absolvido. A lição da era Trump, no entanto, é que os apoiadores do ex-presidente muitas vezes veem as tentativas de o responsabilizar legalmente como um exemplo de vitimização injusta.

    Uma pesquisa da CNN divulgada na semana passada sugere que não existe uma opinião pública dominante sobre o julgamento, mas isso não exclui a possibilidade de um veredito de culpa poder prejudicar o ex-presidente. Apenas 44% dos americanos expressaram confiança de que o júri chegará a um veredito justo.

    Não é de surpreender que a maioria dos democratas sinta que Trump está sendo tratado de forma mais branda do que os outros, enquanto a maioria dos republicanos pensa o contrário. Uma área de potencial preocupação para Trump, no entanto, é que 24% dos seus apoiadores dizem que uma condenação pode levá-los a reconsiderar o seu apoio – embora a esmagadora maioria diga que não votaria em Biden.

    O ex-presidente dos EUA Donald Trump em um Tribunal Criminal de Manhattan para julgamento em 19 de abril de 2024 na cidade de Nova York / Curtis Means – Piscina/Getty Images

    Enfrentando a batalha contra Biden em estados indecisos

    As aparições de Trump em Wisconsin e Michigan darão a ele uma plataforma mais tradicional do que o corredor sombrio do tribunal onde ele tem proferido discursos diários contra o caso e difundido uma visão distópica de uma nação à beira do colapso. Mas também há o risco de que a língua solta de Trump na campanha possa lhe causar problemas após suas supostas violações da ordem de silêncio de Merchan.

    O ex-presidente tem reclamado que está encurralado no tribunal e incapaz de fazer uma campanha eficaz. “Não estou na Geórgia, nem na Flórida, nem na Carolina do Norte, fazendo campanha como deveria. Trata-se de interferência eleitoral”, disse ele no início desse mês.

    Mas ele passou o dia de folga do julgamento na quarta-feira (24) jogando golfe em seu campo em Bedminster, Nova Jersey, informou a CNN. Ainda assim, o horário do tribunal de quatro dias por semana apresenta as suas limitações. Trump, por exemplo, ainda não remarcou um comício que deveria ocorrer em 20 de abril na Carolina do Norte, mas foi cancelado devido a uma tempestade.

    Entretanto, os aliados de Trump estão promovendo o tema da perseguição. “Acho que todos esses julgamentos são políticos. Acho que é um processo seletivo. Acho que o que está acontecendo em Nova York é um ultraje”, disse o senador republicano Lindsey Graham, da Carolina do Sul, à CNN no domingo (28).

    Essa visão ignora o fato de que todas as acusações surgiram de grandes júris e de acordo com o procedimento legal estabelecido e que alguns dos alegados crimes de Trump atingem o coração do sistema político fundamental da América. Mas tal retórica é convincente para os apoiadores de Trump e é repetida diariamente nas mídias conservadoras, a fim de disfarçar a natureza das acusações.

    O itinerário de Trump na quarta-feira reflete a importância crítica de dois estados que ele venceu em 2016, mas perdeu para Biden ao deixar a Casa Branca em 2020. Pesquisas publicadas pela CBS News no domingo mostraram os rivais lado a lado em Wisconsin e Michigan. Eles também estavam empatados na Pensilvânia, um terceiro estado decisivo que Biden tomou de Trump há quatro anos.

    Trump e Biden durante debate em Nashville para as eleições presidenciais de 2020/ 22/10/2020 REUTERS/Jim Bourg

    As esperanças do presidente em um segundo mandato dependem provavelmente dele vencer pelo menos dois dos três estados e obter 270 votos eleitorais. Biden fez várias paradas de campanha enquanto o ex-presidente estava preso em Nova York.

    A campanha de Trump está anunciando a viagem do presumível candidato republicano a Waukesha, Wisconsin, como uma oportunidade para destacar “a paz, a prosperidade e a segurança do seu primeiro mandato com a presidência falhada de Joe Biden”. Isso pode parecer um caso difícil de defender para que um ex-presidente duas vezes acusado de impeachment e que tentou esmagar a democracia dos EUA permaneça no cargo.

    No entanto, uma nova pesquisa da CNN divulgada no domingo sugere que a mensagem de Trump pode estar repercutindo em alguns eleitores em um momento de preços elevados dos alimentos, taxas de juro altas e turbulência no exterior.

    Cerca de 55% dos americanos consideram agora o mandato do ex-presidente um sucesso, enquanto 61% pensam que a presidência de Biden é um fracasso, de acordo com a pesquisa. As classificações de Biden são especialmente fracas no que diz respeito à economia, à imigração e à forma como ele lidou com a guerra de Israel em Gaza contra o Hamas, uma questão que é especialmente importante para os eleitores com menos de 35 anos, um setor-chave da coligação democrata.

    O ex-presidente e os seus aliados já estão aproveitando os protestos pró-Palestina em todo o país nos campi universitários para enfeitar as suas reivindicações de uma nação sitiada por extremistas de esquerda sob o comando de Biden.

    Protesto pró-Palestina na Universidade de Columbia, nos EUA / 25/04/2024 REUTERS/Caitlin Ochs

    Embora os protestos normalmente incluam apenas uma minoria de estudantes em cada campus e não tenham chegado nem perto do ímpeto da Guerra do Vietnã ou das manifestações da era dos direitos civis, as imagens da polícia confrontando estudantes em protestos contêm imagens emotivas que podem ser usadas seletivamente no tipo de campanha demagógica que Trump está realizando.

    Qualquer sentimento de agitação política entre os eleitores poderá atrair alguns deles para as suas advertências de que a América precisa de uma liderança dura e forte. O ex-presidente disse na semana passada que os atuais protestos no campus fizeram com que a manifestação de 2017 dos extremistas brancos em Charlottesville, Virgínia – na qual uma mulher morreu – parecesse um “nada”.

    Mas os protestos no campus foram na sua maioria pacíficos – ao contrário da multidão de apoiadores de Trump que veio a Washington e invadiu o Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021.

    As manifestações no campus dividiram o Partido Democrata ao meio – uma divisão que o presidente da Câmara, Mike Johnson, procurou ampliar na semana passada, viajando para a Universidade de Columbia e pedindo o envio da Guarda Nacional para dispersar as manifestações.

    A sua decisão de aproveitar a questão sublinhou a forma como as campanhas constroem narrativas que podem não ser completamente verdadeiras, mas que podem ser politicamente potentes se influenciarem as percepções que os eleitores já estão formando. Trump está seguindo um manual semelhante ao fundir a sua defesa criminal como suposta vítima de perseguição partidária com a sua ofensiva política para um retorno à Casa Branca.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original