Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda as acusações criminais contra Donald Trump nos EUA

    Confira a linha do tempo dos principais eventos que levaram ao julgamento histórico que começa nesta segunda-feira (15)

    Donald Trump no caso dos pagamentos a Stormy Daniels
    Donald Trump no caso dos pagamentos a Stormy Daniels Alberto Mier/CNN

    Lauren del ValleKara ScannellAnnette ChoiGillian Robertsda CNN

    O primeiro julgamento criminal de um ex-presidente dos Estados Unidos começa nesta segunda-feira (15), com a seleção do júri em Nova York, onde o ex-presidente Donald Trump enfrenta acusações do promotor distrital de Manhattan relacionadas a pagamentos de suborno em dinheiro à estrela de cinema pornô Stormy Daniels em 2016 .

    Esse é o primeiro de quatro casos criminais que deverão ser julgados por Trump, também o provável candidato presidencial do Partido Republicano nas eleições de 2024. A CNN compilou uma linha do tempo dos principais eventos que levaram ao julgamento histórico.

    Cronologia do caso

    • AGOSTO DE 2015
      O ex-presidente Donald Trump se reúne com o então CEO da American Media Inc., David Pecker, na Trump Tower, dizem os promotores, onde Pecker concorda em ser os “olhos e ouvidos” da campanha de Trump e sinalizar qualquer história negativa para o então advogado pessoal Trump, Michael Cohen.
    • SETEMBRO DE 2016
      Donald Trump teria discutido um suborno de US$ 150 mil, supostamente para a ex-modelo da Playboy Karen McDougal, com Michael Cohen, que secretamente grava a conversa. McDougal alegou que ela teve um caso extraconjugal com Trump no início de 2006, o que ele negou. “Então, quanto temos que pagar por isso? Cento e cinquenta”, pode-se ouvir Trump dizendo na gravação.
    • 7 DE OUTUBRO DE 2016
      O Washington Post lança um vídeo “Access Hollywood” de 2005, no qual Donald Trump usa linguagem vulgar para descrever sua abordagem sexual às mulheres com o então apresentador Billy Bush. As consequências do vídeo “Access Hollywood” levam o círculo íntimo de Trump a controlar os danos de qualquer outra publicidade potencialmente negativa, como uma suposta história de um caso dele com a estrela de cinema pornô Stormy Daniels, de acordo com os promotores.
    • 27 DE OUTUBRO DE 2016
      De acordo com os promotores, Michael Cohen paga a Stormy Daniels US$ 130 mil a seu advogado por meio de uma empresa de fachada em troca de seu silêncio sobre um caso que ela supostamente teve com Donald Trump em 2006. Essa quantia de US$ 130 mil é separada dos US$ 150 mil pagos a Karen McDougal. Trump negou publicamente ter qualquer caso e negou ter feito os pagamentos. Os promotores dizem que Daniels primeiro levou sua história à AMI, cujos executivos levaram a história a Cohen em nome de Trump. De acordo com os promotores, Trump instruiu Cohen a adiar o pagamento o máximo possível, dizendo a ele que se adiassem até depois das eleições, poderiam evitar o pagamento.
    Donald Trump e Stormy Daniels em 2006 / Reprodução/Redes sociais
    • 8 DE NOVEMBRO DE 2016
      Donald Trump garante a eleição para se tornar o 45º presidente dos Estados Unidos.
    • FEVEREIRO 2017
      Os promotores dizem que Michael Cohen se encontra com Donald Trump no Salão Oval para confirmar como ele seria reembolsado pelo pagamento de suborno que Cohen fez por Trump a Stormy Daniels.
      Um mês antes, Cohen traçou o plano de reembolso com o então diretor financeiro da Trump Organization, Allen Weisselberg, que memorizou os cálculos em notas manuscritas no extrato bancário de Cohen, de acordo com documentos judiciais.
      De acordo com o plano, Cohen enviaria uma série de notas frias solicitando pagamento por serviços jurídicos que ele prestou de acordo com um contrato de retenção e receberia cheques mensais de US$ 35 mil, totalizando US$ 420 mil, para cobrir o pagamento a Daniels, seus impostos e um bônus, alegaram os promotores. Os promotores também alegam que nunca houve um contrato de retenção.
    • JANEIRO DE 2018
      O Wall Street Journal noticia sobre o suborno que Michael Cohen fez a Stormy Daniels em 2016.
    Ex-advogado do ex-presidente dos EUA Donald Trump, Michael Cohen, em Nova York / 24/11/2023 REUTERS/Jeenah Moon
    • ABRIL DE 2018
      Em 5 de abril de 2018, Trump respondeu “não”, quando questionado por um repórter na Air Force One se ele tinha conhecimento do pagamento em dinheiro de Michael Cohen a Stormy Daniels. O repórter continuou: “Então por que, por que Michael Cohen fez isso, se não havia verdade nas alegações dela?”. Trump responde: “Você terá que perguntar a Michael Cohen. Michael é meu advogado e você terá que perguntar a Michael”.
      Funcionários do Departamento de Justiça confirmaram posteriormente que estão investigando Cohen dias depois que o FBI invadiu sua casa e escritório. Trump fala para seu ex-advogado não se virar contra ele em postagens nas redes sociais enquanto a investigação sobre Cohen esquentavam.
    • MAIO 2018
      Trump oferece uma explicação para as transações em torno do esquema de dinheiro de suborno. Espera-se que os promotores apresentem os tweets como prova no julgamento, embora Trump tenha lutado para impedir que o júri veja essas e outras postagens que escreveu quando ele era presidente.
    • 21 DE AGOSTO DE 2018
      Michael Cohen se declara culpado no tribunal federal de Manhattan de duas acusações de fazer contribuições ilegais de campanha, violando as leis federais de financiamento de campanha, entre outros crimes.
      Cohen implica Donald Trump diretamente no esquema que ele admite ter orquestrado para pagar Stormy Daniels em nome de Trump. Ele também diz que o esquema tinha “o objetivo principal de influenciar a eleição”. Cohen foi condenado a três anos de prisão, que cumpriu atrás das grades, e em prisão domiciliar. A declaração de Cohen leva o Gabinete do Procurador Distrital de Manhattan a iniciar uma investigação em torno dos pagamentos irregulares.
    Michael Cohen, ex-advogado pessoal e assessor de Donald Trump / 28/04/2023 REUTERS/Eduardo Munoz
    • JULHO 2019
      Os procuradores federais em Manhattan encerram o seu inquérito sobre o papel dos funcionários da Trump Organization no esquema do suborno, se recusando a fazer outras acusações além de Michael Cohen.
      Um juiz revela registros do FBI relacionados à investigação que revelam que pessoas de Trump, como Hope Hicks, estavam em um telefone com Cohen e Donald Trump em outubro de 2016, após o lançamento do vídeo “Access Hollywood” aparentemente relacionado a Stormy Daniels, de acordo com os documentos.
    • AGOSTO 2019
      O Gabinete do Procurador Distrital de Manhattan intima a Trump Organization e a AMI em conexão com sua investigação sobre os pagamentos de subornos.
    • 1º DE JANEIRO DE 2022
      O então promotor distrital de Manhattan, Cy Vance Jr., se recusa a buscar uma votação do grande júri sobre qualquer acusação contra Donald Trump antes de deixar o cargo. O recém-eleito promotor distrital Alvin Bragg toma posse depois de concorrer a uma plataforma que promete se concentrar nas investigações de Trump.
      Um mês depois, dois promotores de Manhattan que conduzem a investigação sobre o ex-presidente renunciaram depois que Bragg se recusou a permitir que eles prosseguissem com as acusações contra Trump.
    Stormy Daniels
    A atriz/diretora de filmes adultos Stormy Daniels / Ethan Miller/Getty Images
    • 5 DE DEZEMBRO DE 2022
      O promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, anuncia que Matthew Colangelo – que anteriormente trabalhou na investigação de fraude civil do procurador-geral do estado nas finanças da Trump Organization – se juntará ao escritório do promotor para cobrir as “investigações de colarinho branco mais sensíveis e de alto perfil” do escritório, incluindo as investigações sobre Trump e suas finanças.
    • 23 DE JANEIRO DE 2023
      Alvin Bragg convoca um grande júri para ouvir o caso dos pagamentos irregulares contra Donald Trump. Nos três meses seguintes, o CEO da AMI, David Pecker, Michael Cohen, os ex-conselheiros de Trump na Casa Branca, Hope Hicks e Kellyanne Conway, testemunharam perante o grande júri.
    • 30 DE MARÇO DE 2023
      Um grande júri de Manhattan indicia Donald Trump, tornando-o o primeiro atual ou ex-presidente dos EUA a ser acusado criminalmente na história do país. A acusação permanece em sigilo até a citação de Trump.
    • 4 DE ABRIL DE 2023
      Donald Trump se apresenta em um tribunal criminal do Estado de Nova York, em Manhattan, e se declara inocente de 34 acusações de falsificação de registos comerciais em uma histórica audiência de acusação.
    Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump no tribunal de Nova York durante audiência judicial sobre o caso Stormy Daniels
    Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump no tribunal de Nova York durante audiência judicial sobre o caso Stormy Daniels / Reprodução/CNN
    • 15 DE MARÇO DE 2024
      O juiz Juan Merchan concorda em adiar o julgamento criminal de Donald Trump em Nova York, marcado para começar em 25 de março, depois que promotores federais entregaram mais de 100 mil registros às partes em resposta a uma intimação de Trump.
    • 25 DE MARÇO DE 2024
      O juiz Merchan determina que o julgamento começará agora em 15 de abril com a seleção do júri. Merchan também rejeita as alegações de Donald Trump acusando o Gabinete do Procurador Distrital de Manhattan de má conduta do Ministério Público relacionada à parcela de documentos entregues de última hora por procuradores federais.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original