Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Kremlin diz que a Rússia não se intrometerá nas eleições presidenciais dos EUA

    "Nunca interferimos nas eleições nos Estados Unidos", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, numa palestra para estudantes

    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, preside reunião do conselho de segurança do país nos arredores de Moscou
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, preside reunião do conselho de segurança do país nos arredores de Moscou 30/10/2023 Sputnik/Gavriil Grigorov/Pool via REUTERS

    Guy Faulconbridgeda Reuters em Moscou

    O Kremlin disse, nesta quarta-feira (6), que a Rússia não se intrometerá na eleição presidencial de novembro nos EUA, e rejeitou as conclusões americanas de que Moscou orquestrou campanhas para influenciar as eleições de 2016 e 2020.

    O presidente Vladimir Putin, líder supremo da Rússia desde o último dia de 1999, fez uma série de comentários irônicos sobre as eleições nos EUA, dizendo que considera Joe Biden preferível como o próximo presidente dos EUA a Donald Trump.

    “Nunca interferimos nas eleições nos Estados Unidos”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, numa palestra para estudantes sobre estereótipos da Rússia, ocasionalmente passando para o inglês.

    “E desta vez não pretendemos interferir. Não ditamos a ninguém como viver – mas não queremos que outros nos ditem”, disse Peskov.

    Peskov disse que qualquer tentativa do exterior de interferir nas eleições presidenciais da Rússia no final deste mês seria evitada.

    A Rússia, disse ele, não se importou com as críticas ocidentais à votação que Putin, salvo um desenvolvimento inesperado, certamente vencerá.

    Um relatório de 2019 do conselheiro dos EUA, Robert S. Mueller, concluiu que a Rússia “interferiu nas eleições presidenciais de 2016 de forma abrangente e sistemática”, enquanto a inteligência dos EUA acredita que a Rússia interferiu nas eleições de 2020.

    Em 2021, o gabinete do diretor de Inteligência Nacional divulgou um relatório dizendo que Putin havia autorizado uma série de operações de influência destinadas a detonar a candidatura de Biden e apoiar Trump, ao mesmo tempo que minava a confiança do público.

    Os Estados Unidos divulgaram no ano passado uma avaliação da inteligência dos EUA que concluiu que Moscou estava usando espiões, redes sociais e meios de comunicação estatais russos para minar a fé pública na integridade das eleições democráticas em todo o mundo.

    Nunca esteve pior

    A guerra na Ucrânia desencadeou a crise mais profunda nas relações da Rússia com o Ocidente desde a crise dos mísseis cubanos de 1962 e Putin alertou que o Ocidente corre o risco de provocar uma guerra nuclear se enviar tropas para combater na Ucrânia.

    Peskov, porta-voz de Putin desde 2008, disse que as relações com os Estados Unidos provavelmente nunca estiveram piores.

    Mas ele disse que a Rússia não vê os americanos como inimigos e disse que as duas maiores potências nucleares do mundo têm responsabilidade especial em garantir a segurança estratégica global.

    As relações “provavelmente nunca foram piores. A América está lutando contra nós”, disse Peskov.

    Ele disse que os tanques dos EUA estavam sendo destruídos pelas forças russas na Ucrânia e disse que as aeronaves dos EUA sofreriam o mesmo destino se fossem enviadas para a Ucrânia.

    Depois de Putin ter enviado milhares de soldados para a Ucrânia em 2022, o Ocidente impôs o que considerou serem as sanções mais duras alguma vez impostas a uma grande economia.

    As sanções “não nos prejudicam”, disse Peskov.

    Pelo contrário, disse ele, levaram a uma “mobilização interna” da economia e da sociedade. Peskov disse que o crescimento económico russo de 3,6% no ano passado mostrou que as sanções falharam.

    Questionado sobre o que o futuro reserva para a Rússia, Peskov disse que não seria fácil porque as placas tectônicas da geopolítica estavam mudando. Mas a Rússia, disse ele, permaneceria aberta ao mundo.