Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nikki Haley apela a um Partido Republicano que não existe mais

    A ex-governadora da Carolina do Sul persiste, apesar de pesquisas mostrarem que muitos eleitores republicanos não estão mais interessados nas medidas que ela defende.

    Cartazes de Donald Trump e Nikki Haley na Carolina do Sul, EUA
    Cartazes de Donald Trump e Nikki Haley na Carolina do Sul, EUA 22/02/2024REUTERS/Brian Snyder

    Da Reuters

    Em sua campanha para a Presidência dos Estados Unidos, Nikki Haley promete enfrentar a agressão russa contra a Ucrânia, reformar a seguridade social, manter as barreiras comerciais baixas e reduzir o déficit, caso consiga uma vitória surpreendente na disputa pela indicação do Partido Republicano.

    Ela persiste, apesar de repetidas pesquisas de opinião pública mostrarem que muitos dos eleitores republicanos de hoje não estão interessados nas medidas que ela defende.

    Antes da eleição do ex-presidente Donald Trump em 2016, os republicanos eram defensores ferrenhos do livre mercado, da intervenção em outros países e de um Estado menor. Trump inverteu o roteiro quando chegou ao poder, prometendo cobrar tarifas elevadas de parceiros comerciais e se retirar de envolvimentos estrangeiros.

    Na campanha, segundo analistas e aliados, Haley está apelando não apenas para os republicanos “anti-Trump”, mas também para os republicanos “pré-Trump”, que preferem políticas que eram mais comuns antes de o ex-presidente entrar em cena.

    Essa dinâmica foi exibida nesta semana, quando Haley cruzou a Carolina do Sul antes da primária no estado, em 24 de fevereiro, que ela deve perder.

    Em um evento após o outro, Haley elogiou os aliados da Otan e falou sobre como a Rússia poderia atacar outros países europeus, começando pela Polônia e pelos Estados bálticos, se os Estados Unidos parassem de enviar armamentos para a Ucrânia.

    Ela também criticou os gastos excessivos dos dois principais partidos, lamentando que os EUA estejam pagando mais pelo serviço de sua dívida do que pela defesa. E, em uma linha que acrescentou ao seu discurso de campanha nas últimas semanas, ela criticou Trump por propor uma tarifa universal, mesmo que as barreiras comerciais tenham se mostrado amplamente populares entre os eleitores.

    “Por que vocês não perguntam a ele por que agora ele propôs outro aumento de impostos para todas as famílias norte-americanas, dizendo que vai impor tarifas sobre tudo?”, perguntou Haley a audiência na cidade de Greer na segunda-feira.

    Alex Conant, estrategista republicano que trabalhou na campanha presidencial de 2016 do senador Marco Rubio, disse que Haley concorre nos moldes de Ronald Reagan e George W. Bush. Esse era o caminho padrão, disse ele, antes de Trump chegar ao poder.

    Os dois ex-presidentes republicanos eram conhecidos por suas ideias de política externa robustas, até mesmo belicosas, e ambos eram defensores da liberação do mercado.

    “A julgar pelas primárias até agora”, disse Conant, “não há muito apetite por isso”

    Cerca de 52% dos republicanos disseram, em uma pesquisa Reuters/Ipsos de julho, que não estariam muito propensos a apoiar um candidato que favorecesse o aumento da ajuda militar à Ucrânia. Embora as pesquisas sobre tarifas sejam esporádicas, a maioria delas mostra que os republicanos são amplamente favoráveis ao aumento das taxas de importação.

    A campanha de Haley não respondeu a um pedido de comentário.

    Rob Godfrey, que atuou como assessor de alto escalão de Haley quando ela foi governadora da Carolina do Sul de 2011 a 2017, observou que suas preferências políticas refletem as de seu grupo central de apoiadores.

    “A coalizão que a campanha de Haley parece ter montado parece ser composta em parte por republicanos que têm opiniões mais tradicionais sobre política interna e externa”, disse ele.