Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trump diz que decisão sobre aborto deve ficar a cargo dos estados dos EUA

    Ex-presidente publicou vídeo em sua rede social opinando sobre uma das questões mais delicadas e controversas da política americana

    Kate SullivanKristen Holmesda CNN

    O ex-presidente dos EUA Donald Trump disse, nesta segunda-feira (8), que o direito ao aborto deve ser uma decisão no âmbito estadual – oferecendo sua posição mais clara sobre uma das questões mais delicadas e controversas da política americana.

    “Minha opinião é que agora temos o aborto onde todos o queriam do ponto de vista legal, os estados determinarão por voto ou legislação, ou talvez ambos. E o que quer que eles decidam deve ser a lei do país. Neste caso, a lei do estado”, disse Trump em um vídeo publicado na sua rede social Truth Social.

    “Muitos estados serão diferentes [entre si]”, continuou Trump.

    “Muitos terão um número de semanas diferente, ou uns serão mais conservadores que outros, e assim serão. No final das contas, tudo se resume à vontade do povo”, concluiu.

    Trump já havia sugerido que poderia apoiar uma proibição federal de aborto após 15 semanas de gestação, com exceções em casos de incesto, estupro e quando a vida da mãe estiver em perigo.

    No entanto, a sua decisão final de levar a questão politicamente aos estados e não apoiar uma proibição nacional foi rapidamente denunciada por uma importante organização de defesa dos direitos do aborto, que afirmou que a sua posição não ia suficientemente longe.

    No vídeo desta segunda, Trump acrescentou que foi “orgulhosamente o responsável” pela anulação do caso Roe v. Wade, tendo nomeado três juízes conservadores para o Supremo Tribunal dos EUA.

    O ex-presidente não especificou qual o limite de semanas de gestação apoiaria para a proibição do aborto, mas reiterou o seu apoio a exceções em caso de incesto, estupro e quando a vida da mãe estiver em perigo.

    Anteriormente, ele ridicularizou publicamente as proibições estaduais de aborto após seis semanas como “terríveis” e reconheceu que o debate sobre o aborto tem atormentado os republicanos nas urnas desde que Roe v. Wade foi derrubado em 2022.

    Trump disse a repórteres na semana passada que faria uma “declaração” sobre o aborto quando pressionado sobre a proibição do aborto de seis semanas na Flórida, que deve se tornar lei após uma decisão da Suprema Corte estadual.

    Num comunicado após o anúncio de Trump desta segunda-feira, Marjorie Dannenfelser, presidente da Susan B. Anthony Pro-Life America, disse que a sua organização estava “profundamente decepcionada” com a declaração de Trump.

    “Dizer que a questão é ‘de volta aos estados’ cede o debate nacional aos Democratas que estão trabalhando incansavelmente para promulgar legislação que obrigue o aborto durante todos os nove meses de gravidez. Se forem bem-sucedidos, acabarão com os direitos dos Estados”, disse ela.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original