Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições nos EUA: o que esperar caso Donald Trump retorne à Casa Branca

    Republicano deve aplicar uma agenda radical com o Executivo exercendo poder de maneiras sem precedentes

    Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump na Flórida
    Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump na Flórida 11/10/2023 REUTERS/Shannon Stapleton/Arquivo

    Kristen Holmesda CNN

    Uma operação massiva para deter e deportar os imigrantes indocumentados.

    Um expurgo nas instituições federais de qualquer pessoa considerada desleal.

    Exercer o poder da aplicação da lei no âmbito federal contra inimigos políticos.

    Enquanto tenta retornar à Casa Branca, o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump e seus aliados prometeram uma transformação radical do governo federal, que exerceria o Poder Executivo de formas radicais e sem precedentes.

    Veja também: Trump planeja detenção em massa de imigrantes ilegais

    A agenda que está sendo elaborada pelo pré-candidato republicano colocaria em prática as opiniões linha-dura do trumpismo, que ele expressou publicamente durante sua última campanha e quase certamente enfrentará uma série de desafios legais e políticos.

    Nos bastidores, grupos alinhados a Trump estão trabalhando na elaboração de decretos, estudante a Constituição se antecipando a disputas judiciais e procurando soluções alternativas para dar a Trump o poder de aplicar essas políticas já no primeiro dia, caso reeleito.

    Estes juristas estão perfeitamente conscientes do caos e da desorganização do primeiro mandato de Trump no Salão Oval.

    Agora à frente de uma série de grupos conservadores em Washington, eles estão à espera por trás das cortinas, ajudando a estruturar um plano que colocaria a todo vapor a implementação dessa abrangente agenda.

    O chamado “Projeto 2025”, um projeto de transição gerido pelo think thank conservador Heritage Foundation, reuniu muitos destes grupos para “preparar o caminho para um governo conservador eficaz”.

    Os esforços desses grupos para mapear as especificidades jurídicas e as políticas para um segundo mandato de Trump encontraram recentemente algum resistência frente ao comitê de campanha oficial de Trump.

    “Os esforços de vários grupos sem fins lucrativos são certamente apreciados e podem ser extremamente úteis. No entanto, nenhum destes grupos ou indivíduos fala em nome do presidente Trump ou de sua campanha”, escreveram os conselheiros de campanha Susie Wiles e Chris LaCivita em um comunicado.

    Ainda assim, os contornos gerais da agenda de Trump foram apresentados pelo próprio ex-presidente nos eventos de campanha, bem como em uma série de vídeos e comunicados divulgados pela campanha.

    A campanha de Trump trouxe recentemente contratações focadas em políticas que ajudarão a elaborar a sua mensagem e, eventualmente, a analisar propostas de vários grupos conservadores.

    O objetivo é preparar decretos – sobre tudo, desde imigração até à remoção das proteções governamentais para funcionários públicos – para Trump assinar no primeiro dia de um potencial segundo mandato.

    Usar o Departamento de Justiça para vingança

    O plano de Trump inclui garantir mais controle da Casa Branca sobre o Departamento de Justiça (DoJ, na sigla em inglês), uma instituição que o ex-presidente disse que utilizaria para se vingar de seus críticos, incluindo ex-aliados.

    “Vou nomear um verdadeiro promotor especial para perseguir o presidente mais corrupto da história dos Estados Unidos da América, Joe Biden, e toda a família criminosa Biden”, disse o ex-presidente em junho.

    Veja também: Eleições nos EUA: Trump tem 49% das intenções de voto; Biden, 45%

    “Vou destruir totalmente o Deep State”, completou.

    Durante uma entrevista recente à Univision, Trump deu um passo adiante.

    “Se acontecer de eu ser presidente e ver alguém que está indo bem e me batendo muito, eu digo para ir até lá e acusá-lo”, disse ele.

    Apesar da longa tradição do DoJ e de várias outras agências governamentais menores operarem de forma independente, aqueles que estão na órbita de Trump referiram-se a essas agências como um “quarto ramo do governo desonesto” que eles acreditam que deveria responder ao presidente como parte do poder Executivo.

    Em vídeos e discursos, ele expôs os seus planos para destruir o atual sistema de Justiça, exonerando “procuradores marxistas radicais que estão a destruir a América”.

    Faz parte de um esforço mais amplo que quebraria as restrições legais e as proteções tradicionais contra a interferência política e daria à Casa Branca mais autoridade para instalar aliados ideológicos em todo o governo federal.

    Se Trump for eleito no próximo ano e seguir o plano que a sua campanha e os seus aliados estão desenvolvendo, os especialistas jurídicos dizem que isso levaria a anos de batalhas jurídicas e confrontos políticos com o Congresso sobre os limites da autoridade presidencial.

    “Até certo ponto, estaríamos em território desconhecido”, disse Stephen Vladeck, professor de direito da Faculdade de Direito da Universidade do Texas e analista jurídico da CNN.

    “Muitas das restrições relevantes têm sido normas e não regras. Essas normas foram aplicadas não por litígio, essas normas foram aplicadas politicamente. A realidade de um segundo mandato de Trump será um monte de novos litígios sobre esses tipos de abusos do que historicamente foram normas que restringiam o Executivo”, completou.

    Expurgo no funcionalismo público federal

    Parte dos planos de Trump reclassificaria dezenas de milhares de trabalhadores do funcionalismo público – que normalmente permanecem no cargo à medida que os presidentes e seus governos mudam – como funcionários temporários, uma medida que tornaria muito mais fácil a exoneração.

    Trump disse em um vídeo de março que assinaria um decreto para fazê-lo, o que, segundo ele, permitiria “remover burocratas desonestos”.

    Veja também: Trump retorna a New Hampshire de olho em primárias e possível revanche contra Biden

    Ele prometeu “exercer esse poder de forma muito agressiva”.

    “Vamos limpar todos os atores corruptos do nosso aparelho de Segurança e Inteligência Nacional, e há muitos deles”, disse Trump.

    “Os departamentos e agências que foram transformados em armas serão completamente reformulados para que os burocratas sem rosto nunca mais possam atingir e perseguir os conservadores, os cristãos ou os inimigos políticos da esquerda”, completou.

    Privadamente, Trump culpou alguns destes funcionários governamentais de carreira como a razão pela qual algumas das suas propostas políticas não foram promulgadas rapidamente durante o seu primeiro mandato e apelou à instalação de legalistas com ideologia semelhante em todas as áreas do governo.

    Parte do objetivo do “Projeto 2025” é construir um banco de dados de potenciais funcionários conservadores concursados, do qual um novo presidente republicano poderia recorrer, ao qual uma fonte se referiu como “um LinkedIn conservador”.

    O banco de dados, que está sendo gerenciado pela empresa de tecnologia Oracle, recebeu milhares de inscrições e espera ter milhares de perspectivas avaliadas para um futuro governo em vigor para uma possível transição.

    Embora uma fonte familiarizada com o programa tenha dito que atualmente não há verificação de antecedentes no nível do FBI ou teste de lealdade para os candidatos, os currículos estão sendo marcados com potenciais “sinais de alerta” que permitem que um novo governo tire suas próprias conclusões sobre possíveis contratações.

    Políticas de imigração linha-dura

    Trump também planeja uma expansão generalizada das políticas de imigração linha-dura de seu governo anterior, caso seja eleito em 2024, o que restringiria a imigração legal e ilegal.

    “Parar a invasão na nossa fronteira sul é uma necessidade urgente de segurança nacional e uma das principais prioridades do Presidente Trump. Por essa razão, ele apresentou de longe o programa mais detalhado para proteger a fronteira, impedir a imigração ilegal e remover aqueles que nunca deveriam ter sido autorizados a entrar no nosso país, em primeiro lugar”, disse um porta-voz da campanha de Trump em comunicado à CNN.

    Os planos incluiriam prender imigrantes indocumentados já nos EUA e colocá-los em campos de detenção para aguardar a deportação, confirmou uma fonte familiarizada com os planos à CNN.

    Veja também: Campanha de Biden acusa Trump de ecoar Hitler

    As propostas exigiriam a construção de grandes campos para abrigar os migrantes que aguardam deportação e o recurso às autoridades federais e locais para ajudar nas detenções em grande escala de imigrantes indocumentados em todo o país.

    Caso o Congresso se recuse a financiar a operação, Trump poderá recorrer a uma tática utilizada no seu primeiro mandato para garantir mais financiamento para um muro fronteiriço – redirecionando fundos do Pentágono, confirmou a fonte.

    Trump disse publicamente que deseja reviver muitas de suas políticas de imigração de primeiro mandato para restringir a imigração legal e ilegal.

    Isso inclui o restabelecimento e expansão de uma proibição de viagens em países predominantemente muçulmanos e o retorno de uma política da época da Covid, conhecida como “Título 42”, que restringe ainda mais a imigração para o país – desta vez, baseada na afirmação de que os migrantes são portadores de outras doenças infecciosas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original