Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em meio à crise climática, China diz que seguirá “seu próprio caminho” para reduzir emissões

    Presidente Xi Jinping rebate pressões dos EUA e outros países para reduzir sua atividade industrial; enviado norte-americano John Kerry, se reúne com altos funcionários em Pequim para debater o tema 

    Nectar Ganda CNN

    A China seguirá seu próprio caminho para reduzir as emissões de carbono, prometeu o líder Xi Jinping, enquanto o enviado climático dos EUA, John Kerry, pediu uma ação mais rápida para enfrentar a crise climática em uma visita de alto nível a Pequim.

    Xi disse em uma conferência nacional sobre proteção ambiental que o compromisso da China com suas duas metas de carbono – atingir um pico de carbono até 2030 e neutralidade de carbono até 2060 – é “inabalável”, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua.

    “Mas o caminho, método, ritmo e intensidade para atingir esse objetivo devem e devem ser determinados por nós mesmos, e nunca serão influenciados por outros”, disse ele.

    Os comentários foram feitos quando Kerry se encontrou com o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, e o principal diplomata, Wang Yi, na terça-feira, com EUA e China – os dois maiores poluidores do mundo – retomando suas negociações climáticas há muito paralisadas em meio a ondas de calor escaldantes em grande parte do globo.

    Na reunião com Li, Kerry enfatizou a “necessidade de a China descarbonizar o setor de energia, cortar as emissões de metano e reduzir o desmatamento”, disse um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA em comunicado.

    Ele também instou a China a “tomar medidas adicionais para aumentar sua ambição climática, a fim de evitar os piores impactos da crise climática”.

    A China investiu pesadamente em energia limpa nos últimos anos. Sua capacidade solar é agora maior do que o resto do mundo combinado, e o país também lidera o mundo em capacidade eólica e veículos elétricos.

    Por outro lado, acelerou a aprovação de novas usinas a carvão devido a um foco renovado na “segurança energética”, despertando preocupações de ambientalistas de que esses novos projetos tornarão o afastamento do carvão mais lento e mais difícil.

    Mas os comentários de Xi na conferência sugerem que a China não deseja ser pressionada ou ceder à pressão – especialmente dos Estados Unidos.

    Falando a repórteres nesta quarta-feira (19), Kerry disse que nenhuma das autoridades com quem se reuniu expressou o tipo de preocupação que o presidente chinês Xi expressou em seus comentários de terça-feira. Kerry enfatizou que ele e as autoridades chinesas estão tentando encontrar maneiras de trabalhar juntos e que “não há política ou ideologia” em seu trabalho.

    “Não estamos envolvidos em ditar nada a ninguém; estamos envolvidos em seguir a ciência”, disse Kerry. “Nenhum dos líderes com quem me encontrei sugeriu que houvesse qualquer motivo para não coordenarmos da maneira que estamos, trabalhando juntos da maneira que estamos.”

    Conseguir que a China reduza gradualmente seu carvão continua sendo um dos maiores objetivos dos EUA nas negociações climáticas, disse Kerry. A China depende do carvão para alimentar sua economia e ajudar a estabilizar sua rede elétrica durante períodos de calor extremo.

    “Um dos tópicos de conversa que tivemos aqui em Pequim e que continuaremos é como podemos ajudar a acelerar uma transição de uma forma que não prejudique a economia ou reduza a capacidade das pessoas de usar algumas das coisas de que precisam hoje?” Kerry disse.

    Kerry não saiu de sua reunião com novos compromissos concretos da China sobre a eliminação gradual de seu uso de carvão ou redução de suas emissões de metano, mas disse que conversas e mais engajamento aconteceriam antes da cúpula climática da ONU em dezembro.

    “Essas conversas serão bastante intensas, porque estamos tentando abrir novos caminhos e isso é difícil”, disse Kerry.

    A China e os EUA são os dois maiores emissores de gases de efeito estufa do mundo, portanto, qualquer tentativa de enfrentar a crise climática precisará envolver cortes profundos nas emissões dessas duas nações poderosas.

    As emissões da China são mais do que o dobro das dos EUA, mas, historicamente, os EUA emitiram mais do que qualquer outro país do mundo.

    A China e outras nações em rápido desenvolvimento há muito argumentam que os países mais ricos do mundo, especialmente os do Ocidente, conseguiram se tornar ricos ao produzir enormes emissões de carbono por décadas.

    As relações entre os EUA e a China estão em seu pior nível em anos, com as duas maiores economias do mundo brigando por uma série de questões, desde geopolítica até comércio e tecnologia.

    Os EUA disseram que a cooperação climática com a China deve ser uma questão autônoma, separada de suas disputas.

    Mas Pequim vê isso de forma diferente. No ano passado, interrompeu as negociações climáticas com os EUA em protesto contra a visita da então presidente da Câmara, Nancy Pelosi, a Taiwan – no meio da pior onda de calor que a China viu em seis décadas.

    Também interrompeu a cooperação em outras questões de causas comuns, incluindo comunicações entre militares e policiais.

    Essa diferença de pontos de vista está em plena exibição em Pequim, mesmo quando os dois lados voltam à mesa para reiniciar as negociações.

    Ao se encontrar com Wang, o principal diplomata da China, na terça-feira, Kerry enfatizou que os dois países “não podem deixar que diferenças bilaterais impeçam o progresso concreto” na cooperação climática.

    Mas Wang insistiu que essa cooperação “não pode ser separada do ambiente geral das relações sino-americanas”. Ele instou os EUA a seguir uma “política racional, pragmática e positiva em relação à China” e “lidar adequadamente com a questão de Taiwan”, referindo-se à ilha autogovernada democrática sobre a qual Pequim reivindica soberania.

    Na quarta-feira, Kerry reiterou sua mensagem ao vice-presidente chinês Han Zheng de que o clima deve ser tratado separadamente de questões diplomáticas mais amplas, informou a Reuters.

    Reconhecendo as dificuldades diplomáticas entre os dois lados nos últimos anos, Kerry disse que o clima deve ser tratado como um desafio “autônomo” que requer esforços coletivos das maiores economias do mundo para resolver, segundo a Reuters.

    (Com colaboração de Ella Nilsen)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original