Em visita à Ásia, Biden apresenta plano econômico para desafiar China na região

Presidente dos Estados Unidos busca ampliar relações comerciais com países asiáticos

Bandeiras de EUA e China
Bandeiras de EUA e China 01/11/2021REUTERS/Brian Snyder

Kevin Liptakda CNN

Ouvir notícia

Na segunda etapa de sua viagem de estreia pela Ásia, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden disse nesta segunda-feira (23) treze nações asiáticas se juntaram ao seu tão esperado plano econômico para a região.

“Esses países estão se inscrevendo para trabalhar em direção a uma visão econômica que trará resultados para todas as pessoas na Terra”, afirmou o presidente norte-americano.

A Estrutura Econômica Indo-Pacífica é a tentativa de Biden de engajar uma região cada vez mais sob a influência da China. O anúncio do plano foi uma das peças centrais da visita de Biden ao continente, que começou na semana passada na Coreia do Sul e continua esta semana no Japão.

“Estamos aqui hoje com um propósito simples: o futuro da economia do século XXI será amplamente escrito no Indo-Pacífico. Nossa região”, disse Biden ao lançar o plano. “Esta estrutura deve conduzir uma corrida ao topo”, disse ele.

Biden está caminhando em um equilíbrio delicado ao revelar o plano econômico. Enquanto as nações asiáticas clamam por uma parceria com os EUA para reduzir a dependência da China, o presidente também enfrenta o protecionismo em casa, onde a alta inflação deve ser a questão central nas eleições de novembro.

O presidente norte-americano disse na segunda-feira que não acredita que uma recessão seja inevitável, mas reconheceu que o perigo é real. “É ruim”, disse ele, sugerindo mais tarde que a melhora pode demorar muito.

“Isso vai ser difícil. Isso vai levar algum tempo”, disse Biden, argumentando que as coisas poderiam ter sido muito piores se não tivesse tomado medidas como cultivar investimentos estrangeiros na economia dos EUA.

Antes de revelar o plano, Biden conversou com o imperador do Japão Naruhito e sentou-se para conversas bilaterais com o primeiro-ministro Fumio Kishida, discutindo questões relacionadas à China, Taiwan e Coreia do Norte.

“Os Estados Unidos continuam totalmente comprometidos com o Japão, a defesa do Japão, e enfrentaremos os desafios de hoje e do futuro juntos”, disse Biden em seu encontro com Kishida, seu primeiro cara a cara formal.

A pauta da China pairou sobre cada uma das paradas de Biden, um fator quase sempre não dito, mas sempre presente em seu esforço para reorientar a política externa americana para se concentrar mais na Ásia.

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida / Reuters

Quando o presidente norte-americano se reunir na terça-feira (24) com líderes do revitalizado grupo “Quad” revitalizado – Estados Unidos, Japão, Índia e Austrália – será com a intenção tácita de combater as tentativas de Pequim de expandir sua influência entre seus vizinhos.

O plano econômico vem com um objetivo semelhante. Desde que o então presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos da Parceria Transpacífico (TPP, em inglês) – o enorme acordo comercial negociado durante a presidência de Obama – os EUA estão sem um plano definido para engajar economicamente com a região.

Enquanto isso, a China garantiu vários acordos comerciais com seus vizinhos e procurou exercer sua influência econômica globalmente.

O plano que Biden anunciará na segunda-feira não é um acordo comercial no sentido tradicional. Inclui um “pilar” relacionado ao comércio, mas também incorpora outras áreas, como tornar as cadeias de suprimentos mais resilientes, promover energia limpa e combater a corrupção.

Ao revelar a estrutura, Biden parece estar reconhecendo que tem pouca intenção de voltar ao TPP, que continua impopular entre os legisladores dos EUA. Em vez disso, ele espera gerar uma esfera econômica que possa competir com a China.

Isso exigirá convencer outros países a aderir – não apenas parceiros firmes como Japão e Coréia do Sul, mas nações menores, particularmente no Sudeste Asiático, que não estão tão alinhadas com os Estados Unidos.

Os primeiros detratores do plano sugeriram que carece de incentivos – como redução de tarifas – em troca da adesão. Os assessores de Biden sugerem que existem outras maneiras de facilitar mais comércio e acesso ao mercado, e que a própria estrutura oferece uma oportunidade atraente para os países participantes trabalharem em estreita colaboração com os EUA.

O anúncio de Biden reflete apenas o início do processo para o plano. A China já respondeu duramente à estrutura, com um enviado sênior chamando-a de “panelinha fechada e exclusiva”.

Falando a repórteres a bordo do Air Force One enquanto Biden viajava da Coreia do Sul para o Japão, o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan disse que as críticas eram esperadas.

“Não é uma surpresa para mim que a China esteja preocupada com o número de países, a diversidade de países que manifestaram interesse e entusiasmo pelo plano”, disse ele.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN