Emissão de metano e combate ao desmatamento: destaques do segundo dia da COP26

Líderes mundiais providenciaram mais detalhes sobre os planos de proteção climática já anunciados

Ivana KottasováAmy CassidyIngrid Formanekda CNN

Ouvir notícia

O clima em Glasgow foi otimista nesta terça-feira (2), com os líderes mundiais encerrando sua cúpula de alto nível na conferência climática da COP26. Vários anúncios importantes iluminaram a perspectiva da reunião de alcançar resultados significativos.

Aqui está um resumo do que aconteceu neste segundo dia:

A grande promessa contra o metano

Cerca de 100 nações assinaram uma promessa global de reduzir as emissões de metano em 30% até 2030, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou.

O metano, principal componente do gás natural, é um gás de efeito estufa extremamente potente. Invisível e inodoro, tem 80 vezes mais poder de aquecimento a curto prazo do que o dióxido de carbono.

Von der Leyen disse que cortar as emissões de metano “irá desacelerar imediatamente a mudança climática”.

Helen Mountford, vice-presidente de clima e economia do Instituto de Recursos Globais, organização de pesquisa ambiental, disse que o plano é essencial para evitar que o planeta aqueça além de 1,5ºC, limiar chave identificado por cientistas.

“Esta promessa estabelece uma forte ambição que precisamos globalmente”, disse Mountford em um comunicado. “Uma ação forte e rápida para reduzir as emissões de metano oferece uma gama de benefícios, desde a limitação do aquecimento a curto prazo e redução da poluição do ar até a melhoria da segurança alimentar e melhor saúde pública”.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que o esforço é tanto uma oportunidade econômica quanto ambiental. “Isso não é apenas algo para proteger o meio ambiente, nosso futuro”, declarou. “É uma oportunidade enorme para todos nós, todas as nações, de criar empregos e fazer com que as metas climáticas sejam parte essencial de nossa recuperação econômica global”.

Autoridades do Brasil identificaram caso de 'vaca louca' atípica em animal de Minas Gerais
Rebanho bovino é grande fonte de metano / Adepará via Agência Brasil (26.fev.2013)

Biden critica Xi e Putin por ignorar a conferência

O presidente dos EUA, Joe Biden, criticou a China e a Rússia por não fazerem mais para enfrentar a crise climática durante uma entrevista coletiva na cúpula do clima COP26, questionando a liderança global do presidente chinês Xi Jinping.

“O fato de a China estar tentando afirmar, de forma compreensível, um novo papel no mundo, como líder mundial e não aparecer [na COP26]? Vamos lá”, disse ele a repórteres.

“A coisa mais importante que chama a atenção do mundo é o clima”. Em resposta a uma pergunta de Phil Mattingly, da CNN, ele disse: “Acho que foi um grande erro, francamente, para a China, não aparecer”. Ele disse o mesmo do presidente russo, Vladimir Putin.

“O resto do mundo vai olhar para a China e dizer, ‘que valor agregado eles estão fornecendo?’ E eles perderam a capacidade de influenciar as pessoas ao redor do mundo e todas as pessoas aqui na COP, da mesma forma que eu argumentaria em relação à Rússia.”

Compromisso chinês

O Enviado Especial da China para Mudanças Climáticas, Xie Zhenhua, disse que seu país “não está resistindo” à meta de limitar o aquecimento global a 1,5º acima dos níveis pré-industriais.

A China tem relutado em se comprometer estritamente com o valor e preferiu dizer que se comprometerá a manter o aquecimento “abaixo de 2 graus e o mais próximo possível de 1,5 grau”.

Mas Xie parecia estar próximo do compromisso. “Não resisto à meta de 1,5 grau. Isso faz parte das metas do Acordo de Paris, na verdade. Falar sobre objetivos climáticos globais precisa ser baseado em regras. Certamente não estamos contra”, disse ele.

A China é o maior poluidor do mundo, portanto, seu apoio é vital. Xie é o principal negociador do clima na China e, como tal, é indiscutivelmente uma das pessoas mais poderosas que participaram da cúpula. Ele criticou o Ocidente por “não cumprir” seu compromisso de fornecer financiamento climático anual para os países em desenvolvimento.

“Recentemente conversei com o principal presidente da COP26, Alok Sharma, e com (o enviado climático dos EUA) John Kerry e ministros de muitos outros países. E eles me disseram que precisamos esperar até 2022 ou mesmo 2023 para atingir tal meta, que foi definida para antes de 2020 “, declarou.

Enquanto isso, falando com Christiane Amanpour, da CNN, Kerry disse que os EUA estão trabalhando com a China “sem desafiá-los de forma pessoal”. “A China disse que vai limitar o uso de carvão”, disse Kerry. “O que estamos tentando fazer é trabalhar com a China de forma cooperativa para acelerar a transição”.

Ajudando a África do Sul contra o carvão

Os EUA, Reino Unido, França, Alemanha e União Europeia anunciaram que ajudarão a financiar a transição da África do Sul contra o carvão.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse que a parceria inicial ajudaria o país africano a “descarbonizar” seu sistema de energia com uso intensivo de carvão. Os detalhes do financiamento ainda não foram anunciados e os diplomatas esperam que sejam acertados nos próximos meses.

Cientistas e alguns diplomatas dizem que o acordo pode abrir caminho para acordos semelhantes com outros países em desenvolvimento que são altamente poluidores – um passo crítico para conter o aquecimento global e evitar uma catástrofe climática total.

Homem passa em frente à usina de carvão em Xangai, China /

Acordo sobre produção de ação com empresas do Reino Unido

Mais de 40 países, incluindo Reino Unido, Estados Unidos, Índia e China, bem como a UE, apoiaram o primeiro compromisso internacional de atingir uma produção de aço com emissão “quase zero” até 2030.

A indústria do aço é uma das maiores produtoras mundiais de dióxido de carbono. É também uma das indústrias mais complicadas para descarbonizar porque as alternativas ao carvão necessário para produzi-lo ainda não estão amplamente disponíveis.

Roz Bulleid, vice-diretor de política da Green Alliance, uma ONG, disse que a tecnologia do aço verde é a chave para atingir 1,5 grau.

“É ótimo ver o Reino Unido reunindo ações internacionais sobre aço limpo: lidar com o impacto climático do setor há muito tempo está na caixa ‘muito difícil’, mas agora temos soluções reais que podem e devem ser ampliadas”, disse ele em um comunicado.

Enquanto isso, o governo do Reino Unido deve anunciar nesta quarta-feira que as instituições financeiras e empresas de capital aberto serão obrigados a publicar planos detalhados sobre como atingir suas metas climáticas zero líquidas.

Países vulneráveis ​​pedem ajuda

O segundo dia da cimeira dos líderes teve vários discursos emocionantes de líderes de países africanos e de pequenas ilhas.

O Fórum de Vulnerabilidade do Clima (CVF), grupo que reúne os 48 países em maior risco com as mudanças climáticas, convocou uma reunião conclamando o mundo rico a ajudá-los na transição para economias verdes e lidar com os impactos do aumento das temperaturas.

O embaixador da CVF e ex-presidente das Maldivas, Mohamed Nasheed, pediu união de países grandes e pequenos e que “não desistam”.

“É extremamente ingênuo para os líderes dizerem que salvarão os empregos das pessoas ligados aos combustíveis fósseis”, disse ele. “Todos agora estão vulneráveis, não apenas nós, pequenas ilhas”.

Os líderes do grupo reproduziram ideias semelhantes: embora seus países estejam entre os menos poluentes do mundo, estão na linha de frente da crise climática.

“O IPCC mostra que a África está aquecendo mais rápido do que qualquer continente do mundo, embora sejamos os menos emissores”, disse o presidente de Gana, Nana Akufo-Addo, ao fórum, referindo-se ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU. “É por isso que apoiamos o Grupo África e a CVF no apelo aos países desenvolvidos para liderar a mitigação de emissões”.

Kerry também participou da reunião. Embora reconheça as dificuldades que os países vulneráveis ​​enfrentam, ele também pediu deles ação sobre o clima e redução de suas próprias emissões.

“Serei muito direto com vocês. Sua reclamação sobre o que nos trouxe aqui é legítima. O futuro será definido pelo que escolheremos fazer”, disse Kerry. “Se vamos ser responsáveis ​​por nós mesmos no mundo, temos que reduzir as emissões e ser responsáveis ​​por fazer o suficiente para cuidar dos danos e ajudar os outros países”.

Novos detalhes sobre desmatamento

A grande promessa de acabar com o desmatamento até 2030, anunciada por mais de 100 países na segunda-feira (1), começou a tomar forma mais clara à medida que vários governos anunciaram compromissos concretos.

Vista aérea de região desmatada da Amazônia em Rondônia / Reuters

A União Europeia prometeu bilhões para ajudar a proteger as florestas do mundo nos próximos cinco anos, um quarto dos quais serão reservados para o compromisso da Bacia do Congo, fundo criado para proteger a segunda maior floresta tropical do mundo contra as ameaças da exploração madeireira e mineração industrial.

O Reino Unido disse que comprometeria mais de R$ 10 bilhões ao longo de cinco anos para apoiar a promessa, incluindo auxílio para florestas tropicais na Indonésia e a Amazônia. E Biden prometeu mais de R$ 50 bilhões em nome dos Estados Unidos.

“Este plano é o primeiro de seu tipo, adotando uma abordagem de todo o governo e trabalhando com o Congresso para empregar financiamento dos EUA até 2030 para conservar e restaurar nossas florestas e mobilizar mais bilhões de nossos parceiros”, disse ele.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN