Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda como a Rússia está mais rica do que nunca apesar da guerra na Ucrânia

    Parte do financiamento da guerra vem de vendas de petróleo bruto à Índia que refina e exporta aos EUA como produtos petrolíferos, que não estão inclusos nas sanções russas

    Navio petroleiro russo em águas europeias
    Navio petroleiro russo em águas europeias CNN Portugal

    Nick Paton WalshFlorence Davey-Attleeda CNN

    A Rússia está entrando no seu terceiro ano de guerra na Ucrânia com uma quantidade sem precedentes de dinheiro nos cofres do governo.

    O Kremlin bateu um recorde de US$ 37 bilhões (R$ 183 bilhões) em vendas de petróleo bruto à Índia no ano passado, de acordo com uma nova análise.

    O levantamento ainda conclui que parte do petróleo bruto foi refinado pela Índia e depois exportado para os Estados Unidos como produtos petrolíferos no valor de mais de US$ 1 bilhão.

    Esse fluxo de pagamentos, por fim para benefício de Moscou, provém do fato da Índia ter aumentado as suas compras de petróleo bruto russo em mais de 13 vezes os valores anteriores à guerra, de acordo com a análise do Centro de Investigação sobre Energia e Ar Limpo (CREA, na sigla em inglês), compartilhada exclusivamente com a CNN.

    Essa intervenção dos indianos, que também são um parceiro estratégico dos EUA, balanceou as compras de petróleo russo reduzidas pelas sanções ocidentais causadas pela invasão da Ucrânia pela Rússia, afirma a análise.

    Embora as vendas de petróleo bruto da Rússia para a Índia não estejam sujeitas a sanções e sejam inteiramente legítimas, um exame das rotas marítimas realizado por especialistas sugere que esse enorme volume de remessas pode envolver a chamada “frota sombra” de petroleiros, especialmente criada por Moscou para tentar disfarçar com quem e como está negociando e maximizando os lucros do Kremlin.

    A CNN testemunhou o que é provavelmente parte desse complexo comércio no porto grego de Gythio no início deste mês.

    Dois petroleiros – um enorme e outro menor – aproximaram-se um do outro para uma transferência navio-a-navio, que envolve a passagem de petróleo bruto entre navios, por vezes com o objetivo de disfarçar a sua origem e destino final.

    Os dois petroleiros têm histórias pitorescas. Ambos embarcaram da Rússia semanas antes.

    Um deles pertence a uma empresa indiana acusada de envolvimento em violações de sanções, e o outro pertencia anteriormente a um indivíduo sujeito a outras sanções dos EUA, de acordo com a empresa de monitoramento de transporte marítimo Pole Star Global.

    “As transferências são (às vezes) feitas legalmente, mas também são usadas como uma tática ilícita para evadir sanções”, disse David Tannenbaum, da Pole Star Global.

    “Você está adicionando várias camadas ao jogo dos navios enquanto eles tentam confundir as autoridades sobre a origem do petróleo e quem o compra no final das contas”.

    Dezenas de transferências semelhantes ocorrem todas as semanas no Golfo Laconiano da Grécia, um ponto de passagem conveniente na rota para o Canal de Suez e para os mercados asiáticos, dizem analistas.

    No início de fevereiro, o Tesouro dos EUA lançou um novo pacote de sanções contra navios e empresas suspeitas de ajudarem a transportar petróleo russo, em violação das sanções dos EUA, em uma tentativa de impedir o funcionamento da frota paralela da Rússia.

    Uma imagem de satélite tirada em 20 de março de 2023 mostra dois petroleiros conduzindo uma transferência navio a navio de óleo combustível russo perto da Baía de Lakonikos, de acordo com Kpler. Transações como essas aumentaram nos últimos meses, de acordo com dados da S&P Global. / Imagem de satélite ©2023 Maxar Technologies

    Os Estados Unidos lideraram uma coligação de países no final de 2022 que concordou com um “limite de preço”, comprometendo-se a não comprar petróleo russo acima de US$ 60 por barril.

    Essas nações também proibiram as suas companhias de navegação e seguradoras – intervenientes-chave no transporte marítimo global – de facilitar o comércio de petróleo russo acima desse preço.

    “O limite de preço foi o verdadeiro gatilho para a criação da frota paralela”, disse Viktor Katona, chefe de análise de petróleo bruto na empresa de pesquisa comercial Kpler.

    “Quanto mais longas forem as cadeias de abastecimento, mais difícil será desembaraçar as transferências entre navios e mais difícil será determinar o custo real de um barril russo”.

    Algum comércio de petróleo entre a Rússia e a Índia é aberto e direto. A Windward, uma empresa de inteligência artificial marítima, analisou os movimentos marítimos globais para a CNN e detectou 588 viagens diretas de petroleiros da Rússia para a Índia no ano passado.

    Mas o tráfego entre os dois países é mais complexo, como testemunhou a CNN ao longo da costa grega.

    A Pole Star Global examinou a mesma rota e encontrou mais de 200 viagens no ano passado de navios da Rússia que realizavam uma transferência no Golfo da Lacônia para outro navio, que seguiu para a Índia.

    Tannenbaum, da Pole Star Global, disse que a empresa “suspeitava” que o principal motivo para essas transferências era evitar sanções, uma vez que “quase todos esses navios” tinham uma ligação com os EUA ou a União Europeia e estariam sujeitos ao limite de preço.

    “Essa baía é protegida da vista. Está fora do caminho. E então eles podem fazer essa atividade de forma pseudoanônima”.

    Ami Daniel, CEO da Windward, fez uma avaliação semelhante: “Isso faz parte de um esforço metódico e sistêmico russo para tornar tudo muito mais complicado”.

    Ele descreveu o incentivo para a Rússia e os comerciantes de petróleo contornarem as sanções como “gigantesco”, dizendo: “É realmente necessário ter uma razão para transferir mais de 60 milhões de barris no meio do oceano e exportá-los para a Índia porque é muito mais fácil não fazer isso – navegar diretamente”.

    Bomba de petróleo em Almetyevsk, na Rússia / . REUTERS/Alexander Manzyuk/File Photo

    A frota sombra permitiu à Rússia criar uma estrutura marítima paralela que pode resistir às mudanças táticas e ao foco das sanções ocidentais, com centenas de petroleiros de propriedade não clara, utilizando rotas complexas. Windward estima que essa frota cresceu para 1.800 navios no ano passado.

    O impacto líquido das compras de petróleo bruto pela Índia tem sido o de enfraquecer a pressão que o presidente russo, Vladimir Putin, sente pelas sanções petrolíferas.

    As receitas federais da Rússia dispararam para um recorde de US$ 320 bilhões em 2023 e deverão aumentar ainda mais.

    Cerca de um terço do dinheiro foi gasto na guerra na Ucrânia no ano passado, segundo alguns analistas, e uma proporção maior ainda está prevista para financiar o conflito em 2024.

    Os fundos à disposição do Kremlin colocam Moscou em uma melhor posição para sustentar uma guerra prolongada do que Kiev, que está lutando para manter o fluxo de dinheiro ocidental desesperadamente necessário.

    De acordo com uma análise de dados públicos do Ministério das Finanças russo feita pelo economista da RAND, Howard Shatz, as receitas e despesas federais russas atingiram os máximos históricos em 2023.

    No entanto, Moscou ainda não equilibrou as contas, disse ele, uma indicação do simples custo da guerra, mas também o impacto das sanções sobre as receitas petrolíferas.

    “Apesar do salto nas receitas, o déficit orçamentário federal atingiu o seu terceiro maior, perdendo apenas para 2022 e 2020”, disse ele.

    “Os impostos sobre a produção interna e as importações são elevados e eficazes, o que significa que estão tributando a sua própria população para pagar essa guerra”, disse ele.

    A Índia justificou as suas compras à Rússia como um meio de manter os preços globais mais baixos, uma vez que não está competindo com as nações ocidentais pelo petróleo do Oriente Médio.

    O ministro do Petróleo e Gás Natural da Índia, Hardeep Singh Puri, disse à CNBC na semana passada: “Se começarmos a comprar mais petróleo do Oriente Médio, o preço do petróleo não será de 75 ou 76 dólares. Será US$ 150”.

    Trabalhador em unidade de armazenamento de petróleo na Índia / 29/08/2009 REUTERS/Parth Sanyal

    O papel complexo da Índia no comércio global de petróleo também se reflete no destino dos produtos petrolíferos em que o petróleo russo é transformado.

    Parte do petróleo bruto é refinado em produtos petrolíferos em refinarias na costa ocidental da Índia e depois exportado para os EUA e outros países que assinaram sanções ao petróleo russo.

    Os produtos refinados fora da Rússia não são abrangidos por sanções, uma omissão que os críticos chamam de “lacuna na refinaria”.

    A análise do CREA estimou que os EUA foram o maior comprador de produtos refinados da Índia feitos a partir de petróleo bruto russo no ano passado, no valor de US$ 1,3 bilhão entre o início de dezembro de 2022, quando o limite de preço foi introduzido, e o final de 2023.

    As estimativas da organização baseiam-se em dados de transporte e energia disponíveis publicamente.

    O valor dessas exportações de produtos petrolíferos aumenta significativamente quando são incluídos os aliados dos EUA que também estão impondo sanções contra a Rússia.

    O CREA estimou que esses países importaram US$ 9,1 bilhões em produtos petrolíferos produzidos a partir de petróleo bruto russo em 2023, um aumento de 44% em relação ao ano anterior.

    Moscou também encontrou meios de enriquecer com esse processo de refinar e exportar. Uma das refinarias e portos indianos que aceitam petróleo russo fica em Vadinar e é gerido por uma empresa chamada Nayara Energy, que é 49,1% de propriedade da gigante petrolífera estatal russa Rosneft.

    O CREA estimou que os EUA importaram US$ 63 milhões em produtos petrolíferos refinados em Vadinar em 2023, e que cerca de metade do petróleo bruto utilizado na fábrica era russo. Tudo isso é totalmente honesto.

    Mas o relatório da organização acrescenta que as exportações de Vadinar “levam a receitas fiscais significativas para o Kremlin, sob a forma de tributação do petróleo bruto russo exportado” e também através dos lucros obtidos pela Rosneft com a refinaria e revenda aos oponentes ocidentais de Moscou.

    Ainda assim, os analistas dizem que os lucros que podem ser obtidos mesmo com a menor evasão às sanções contra a Rússia são vastos, devido às somas significativas envolvidas no comércio da carga de um único petroleiro.

    “Na verdade, você está falando de algo que é incrivelmente lucrativo”, disse Daniel, da Windward.

    “A tentação de fazer isso é absolutamente enorme para os comerciantes. Eles poderiam ganhar de US$ 10 a 40 milhões em quatro ou cinco meses. Não tenho certeza se há outra oportunidade no mundo para fazer isso”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original