Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda o ponto a ponto do ataque israelense que matou 45 pessoas em Rafah

    Bombardeio atingiu abrigo de deslocados considerado uma "zona segura"; FDI afirmam que mataram lideranças do Hamas

    Ataque de Israel a Rafah deixa pelo menos 35 mortos
    Ataque de Israel a Rafah deixa pelo menos 35 mortos CNN Newsource

    Escritórioda CNN

    Pelo menos 45 pessoas foram mortas em um ataque israelense a um campo para deslocados em Rafah no domingo (26), de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza e médicos palestinos.

    Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram um grande incêndio no local, com paramédicos e bombeiros lutando para administrar as consequências do ataque. A área visada incluía um grande container utilizado como abrigo para dezenas de famílias, rodeado por centenas de tendas.

    Os militares israelenses disseram ter atacado um complexo do Hamas na área, matando dois altos funcionários do grupo.

    Imagens da CNN mostram os sobreviventes do ataque revirando os escombros.

    Veja o que já se sabe sobre o ataque:

    O ataque atingiu uma “zona segura”: As autoridades de Gaza e o Crescente Vermelho Palestino disseram que a área visada foi designada por Israel como uma “zona segura” em Tal al-Sultan, a noroeste de Rafah. “O exército de ocupação israelense designou estas áreas como zonas seguras, apelando aos cidadãos e às pessoas deslocadas para se dirigirem a estas áreas seguras”, disse o gabinete de comunicação social do governo de Gaza. Quando as pessoas deslocadas procuraram refúgio, foram atacadas, disse o escritório.

    Ataque com foguetes: O ataque em Rafah ocorre depois que o Hamas lançou foguetes contra Tel Aviv pela primeira vez em meses, de acordo com os militares israelenses, com sirenes soando em Tel Aviv e em partes da região central de Israel no domingo (26). As Forças de Defesa de Israel (FDI) disseram que oito foguetes foram disparados da área de Rafah e “vários projéteis” foram interceptados. O Hamas assumiu a responsabilidade pelo ataque.

    O que as FDI disseram: Os militares israelenses disseram que atacaram um complexo do Hamas em Rafah e que usaram “munições precisas” com base em “inteligência que indicava o uso da área pelo Hamas”. As FDI disseram que mataram Yassin Rabia, que era o comandante da liderança do Hamas na Judéia e Samaria, e Khaled Nagar, que disse ser um alto funcionário da ala do Hamas nas mesmas regiões. Os militares disseram que os ataques, incluindo os danos causados ​​a civis, estão agora sob revisão.

    Vítimas: Os mortos e feridos eram principalmente mulheres e crianças, disse o Ministério da Saúde de Gaza, acrescentando que nenhum hospital em Rafah tinha capacidade para receber o número de vítimas. O Crescente Vermelho disse que suas equipes de ambulâncias transportavam um grande número de pessoas após o ataque. E o Comitê de Emergência Palestino em Rafah disse que dezenas de pessoas foram mortas no ataque às tendas durante o início dos incêndios.

    O que o Hamas disse: O Hamas descreveu o ataque como um “massacre” e disse que responsabiliza pessoalmente a administração dos EUA e o presidente Joe Biden. Afirmou que Israel não teria realizado os ataques “sem o apoio e o aval americano para invadir Rafah, apesar da superlotação de cidadãos deslocados”. O Hamas apelou à intervenção internacional imediata.

    “Nenhum lugar é seguro”: a organização Médicos Sem Fronteiras expressou horror com o ataque, dizendo que ele “mostra mais uma vez que nenhum lugar é seguro”. O grupo humanitário reiterou o seu apelo a um cessar-fogo imediato e duradouro em Gaza. A presidência da Autoridade Palestina instou a comunidade internacional a intervir imediatamente contra o que chamou de crimes contra o povo palestino.

    Decisão da CIJ: O ataque a Rafah ocorre dias depois de a Corte Internacional de Justiça ter ordenado a Israel que suspendesse a sua ofensiva em Rafah. O tribunal considera a situação humanitária na cidade “desastrosa”, disse o presidente do CIJ, acrescentando que funcionários da ONU indicaram que a situação deverá “intensificar-se ainda mais” se a operação israelense em Rafah continuar. O tribunal também ordenou que Israel abrisse a passagem de Rafah para assistência humanitária.

    Lembre-se: mais de um milhão de palestinos – muitos já deslocados pela ofensiva de Israel em outras partes do enclave – estavam abrigados em Rafah antes de Israel iniciar as suas operações no local. Muitos já fugiram, mas dizem que não têm nenhum lugar seguro para ir. As ações de Israel em Rafah serviram de estopim para o nível sem precedentes de pressão diplomática a que o gabinete de Benjamin Netanyahu agora enfrenta devido à guerra em Gaza.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original