Entenda por que a guerra entre as Coreias não terminou em 1953

Chefes do Comando da ONU, Coreia do Norte e China assinaram acordo de trégua; documento não foi assinado pela Coreia do Sul e não pode ser considerado um tratado de paz

O líder da Coreia do Norte Kim Jong Un e o presidente sul-coreano Moon Jae-in, no aeroporto de Samjiyon, em 20 de setembro de 2018
O líder da Coreia do Norte Kim Jong Un e o presidente sul-coreano Moon Jae-in, no aeroporto de Samjiyon, em 20 de setembro de 2018 Getty Images

Brad Lendonda CNN*

Hong Kong

Ouvir notícia

Algumas pessoas podem perguntar: “Isso não aconteceu em 1953?” Outros podem saber que foi apenas uma trégua que interrompeu as hostilidades em 1953 — mas nunca houve um tratado para encerrar o conflito entre a Coreia do Norte (e seu principal aliado, a China) e a Coreia do Sul e seus aliados, principalmente os Estados Unidos.

Com o principal diplomata sul-coreano dizendo na última quarta-feira (29) que Seul e Washington concordaram “efetivamente” em um projeto para encerrar a guerra, aqui está um resumo sobre o que isso significa.

 

O que foi a Guerra da Coreia?

A guerra começou em 25 de junho de 1950, quando a primeira das 135 mil forças norte-coreanas, segundo o que os militares dos EUA estimaram, invadiu o Paralelo 38, que divide a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, em um esforço para assumir o controle total da Península Coreana.

Os Estados Unidos, sob o comando do presidente Harry Truman, responderam com o que foi chamado de “ação policial”, reunindo um grupo de aliados internacionais sob as circunstâncias favoráveis do “Comando das Nações Unidas” para ajudar a Coreia do Sul.

Vinte e duas nações contribuíram com tropas de combate ou unidades de apoio médico para o esforço liderado pelos Estados Unidos.

A Coreia do Norte, controlada pelos comunistas, teve o apoio da União Soviética e da China, com Pequim intervindo ativamente na frente militar em outubro de 1950, enviando quase 250 mil soldados para a Península Coreana, enquanto as forças lideradas pelos EUA avançavam em direção à fronteira da China com a Coreia do Norte.

O apoio chinês ao Norte empurrou o avanço da ONU de volta para a península e, em 1951, o impasse surgiu ao longo do Paralelo 38, onde hoje fica a fronteira entre as duas Coreias.

Como as lutas pararam?

As negociações de trégua começaram em 1951 e ocorreram intermitentemente até que um acordo final para encerrar o combate foi feito em Panmunjom, no Paralelo 38, em 27 de julho de 1953.

Em três dias, ambos os lados retiraram suas tropas que estavam a pelo menos dois quilômetros da linha de cessar-fogo.

Por que a trégua não acabou com a guerra?

Os signatários do acordo de 27 de julho de 1953 para encerrar as hostilidades foram os chefes do Comando da ONU, do exército norte-coreano e das tropas chinesas na Península Coreana. A Coreia do Sul não é signatária, e o acordo diz especificamente que não é um tratado de paz.

De acordo com o prefácio do cessar-fogo, é feito “no interesse de parar o conflito coreano, com seu grande trabalho de sofrimento e derramamento de sangue de ambos os lados, e com o objetivo de estabelecer um armistício que assegure a cessação completa das hostilidades e de todos atos de força armada na Coreia até que um acordo pacífico final seja alcançado”.

O que aconteceu desde 1953?

Não houve contato oficial entre os governos da Coreia do Norte e do Sul até 1971, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA.

Em 1991, porém, as tensões haviam diminuído o suficiente para que Pyongyang e Seul assinassem o Acordo Básico Norte-Sul, que dizia que a reunificação era o objetivo de ambas as partes.

Mas a história do Departamento de Estado diz que os programas de armas em desenvolvimento do Norte e a morte de seu líder de longa data Kim II-Sung em 1994, juntamente com a turbulência política no Sul, levaram a novas tensões.

A primeira cúpula intercoreana foi realizada em junho de 2000, mas o degelo que ela proporcionou terminou com a admissão da Coreia do Norte em 2002 de que ela estava buscando armas nucleares.

Essa admissão levou a uma série de negociações sobre o programa nuclear do Norte entre a Coreia do Norte, China, Rússia, Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão, conhecidas como as negociações de seis partes. A Coreia do Norte desistiu desse esforço em 2009, depois de reiniciar seu reator nuclear de Yongbon e lançar uma série de testes de mísseis.

Em 2007, o presidente sul-coreano Roh Moo-hyun e o líder norte-coreano Kim Jong II se encontraram em Pyongyang e concordaram em tentar trazer a paz e a reunificar para a península sem a intervenção de terceiros.

Mas o conservador Lee Myung-bak foi eleito presidente sul-coreano alguns meses depois e mudou para uma linha dura no programa de armas do Norte, paralisando os esforços de paz.

Guerra
Coreia do Sul não assinou documento de trégua/ Somchai Kongkam / Pexels

As tensões resfriaram novamente em 2018, quando o líder norte-coreano Kim Jong Un se reuniu com o presidente sul-coreano Moon Jae-in, em Panmunjom. Os dois disseram que trabalhariam para transformar o armistício de 1953 em um tratado de paz.

Mais tarde naquele ano, os dois se encontraram novamente em Pyongyang e assinaram uma declaração conjunta para buscar a desnuclearização enquanto trabalhavam pela paz na península.

Três reuniões entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e Kim — a primeira entre um presidente dos EUA em exercício e um líder norte-coreano — também não conseguiram fazer nenhum progresso em direção à desnuclearização do Norte, apesar de sua natureza histórica.

Desde então, os esforços pararam.

Então, o que significa o anúncio de um possível projeto de tratado de paz?

Essencialmente, não muito — por enquanto — qualquer que seja o acordo que os diplomatas norte-americanos e sul-coreanos façam sobre a redação do projeto, ainda assim será necessária a aprovação de seus respectivos governos. Claro, a Coreia do Norte teria que concordar e, como parte no armistício, a China também. 

Mas há espaço para otimismo.

O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Chung Eui-yong, disse na última quarta-feira (29) que a Coreia do Norte tem respondido rápida e positivamente ao movimento da Coreia do Sul para declarar o fim da Guerra da Coreia.

E Kim Yo Jong, irmã do líder norte-coreano, classificou em setembro a proposta do presidente sul-coreano de declarar o fim da guerra como “interessante” e “uma ideia admirável”, mas questionou o momento e exigiu a política hostil contra o Norte fosse retirada primeiro.

Porém, a Coreia do Norte ainda não respondeu em detalhes sobre a declaração, mesmo por meio da China, disse Chung.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN