Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda por que Irã e Paquistão estão trocando ataques e o que isso tem a ver com o Oriente Médio

    Países compartilham uma fronteira volátil, que se estende por cerca de 900 quilômetros, e têm um inimigo separatista em comum; Escalada de hostilidades preocupa nações vizinhas

    Forças armadas paquistanesas participam de um desfile militar para marcar o Dia Nacional do Paquistão em Islamabad, no Paquistão
    Forças armadas paquistanesas participam de um desfile militar para marcar o Dia Nacional do Paquistão em Islamabad, no Paquistão Amjad Khan/Anadolu Agency/Getty Images

    Sophia SaifiJessie Yeungda CNNAdam PourahmadiAzaz Syed

    em Islamabad, Paquistão

    O Paquistão e o Irã conduziram ataques nos territórios um do outro, uma escalada sem precedentes de hostilidades entre os vizinhos, em um momento em que as tensões têm aumentado acentuadamente em todo o Oriente Médio e além dele.

    Os dois países compartilham uma fronteira volátil, que se estende por cerca de 900 quilômetros, com a província do Baluchistão, no Paquistão, de um lado, e as províncias do Sistão e Baluchistão, no Irã, do outro.

    Ambas as nações lutam há muito tempo contra militantes na agitada região balúchi ao longo da fronteira. Mas embora os dois países compartilhem o mesmo inimigo separatista, é altamente incomum que qualquer um dos lados ataque militantes no território um do outro.

    Os últimos ataques ocorrem em um momento em que os aliados e representantes do Irã no Oriente Médio – o chamado eixo de resistência – lançam ataques contra as forças israelenses e os seus aliados, tendo como pano de fundo a guerra em Gaza.

    Aqui está tudo o que você precisa saber:

    O que aconteceu?

    O ponto inicial nessa rápida sequência de acontecimentos começou na última terça-feira (16), quando o Irã conduziu ataques à província paquistanesa do Baluchistão – matando duas crianças e ferindo várias outras, segundo as autoridades paquistanesas.

    O Irã alegou que tinha “apenas como alvo terroristas iranianos em solo do Paquistão” e que nenhum cidadão paquistanês foi alvo.

    Mas o ataque provocou a ira do Paquistão, que classificou o ataque como “uma violação flagrante do direito internacional e do espírito das relações bilaterais entre o Paquistão e o Irã”.

    A agência de notícias estatal iraniana Tasnim disse que tinha como alvo redutos do grupo militante sunita Jaish al-Adl, conhecido no Irã como Jaish al-Dhulm, ou Exército da Justiça.

    O grupo militante separatista opera em ambos os lados da fronteira Irã-Paquistão e já assumiu anteriormente a responsabilidade por ataques contra alvos iranianos. O seu objetivo final é a independência das províncias iranianas do Sistão e Baluchistão.

    O Paquistão, com armas nucleares, é maioritariamente sunita – o ramo dominante do Islã – enquanto o Irã e o seu “eixo de resistência” são maioritariamente xiitas.

    Homem observa TV após ataque do Paquistão dentro do Irã / 18/1/2024 REUTERS/Akhtar Soomro

    O Paquistão reagiu dois dias depois, nesta quinta (18), com o que chamou de “uma série de ataques militares de precisão altamente coordenados e especificamente direcionados” contra vários supostos esconderijos separatistas no Sistão e Baluchistão.

    Ao anunciar os ataques na quinta-feira (18), o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão disse que vários militantes foram mortos. As autoridades iranianas disseram que pelo menos sete pessoas morreram em uma série de explosões – três mulheres e quatro crianças.

    O Paquistão disse que durante anos se queixou de que os combatentes separatistas tinham “refúgios e santuários seguros” no Irã – e foi forçado a resolver o problema com as próprias mãos com os ataques de quinta-feira.

    Por que agora?

    A luta do Paquistão e do Irã contra os separatistas que operam em ambos os lados das fronteiras não é nova. Confrontos mortais na turbulenta fronteira têm acontecido regularmente ao longo dos anos.

    No mês passado, o Irã acusou militantes do Jaish al-Adl de invadir uma delegacia de polícia no Sistão e Baluchistão, o que resultou na morte de 11 policiais iranianos, segundo a Tasnim.

    O que é altamente incomum, no entanto, é a vontade de cada lado de atingir alvos além dessas fronteiras, sem se informarem primeiro.

    E tudo isso está acontecendo ao mesmo tempo dos bombardeios de Gaza por Israel, que provocou repercussões na região.

    O conflito regional mais vasto pode ter encorajado o Irã a ser mais proativo na busca de objetivos além das suas fronteiras, dizem os especialistas – especialmente quando os Estados Unidos caminham em uma corda bamba entre a redução das hostilidades e a flexibilização do seu próprio poderio militar para dissuadir novas ações do Irã.

    No dia anterior aos ataques no Paquistão, o Irã lançou mísseis balísticos contra o Iraque e a Síria, alegando ter como alvo uma base de espionagem das forças israelenses e de “grupos terroristas anti-Irã”.

    Equipes realizam operações de busca e resgate após ataques em Erbil, no Iraque, em 16 de janeiro de 2024, reinvidacos pela Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) do Irã / Karzan Mohammad Othman/Anadolu via Getty Images

    Entretanto, continuam intensos combates entre Israel e o poderoso grupo Hezbollah, apoiado pelo Irã, através da fronteira com o Líbano; e os EUA estão combatendo os rebeldes Houthis, apoiados pelo Irã no Iêmen, que atacaram navios no Mar Vermelho em nome da vingança pelo ataque de Israel a Gaza.

    “Se não censurarmos o Irã e os seus representantes, então não há nenhum custo para eles continuarem a exercer essas atividades”, disse Karim Sadjadpour, membro sênior do Carnegie Endowment for International Peace.

    Ele acrescentou que a posição dominante do Irã no Oriente Médio, em contraste com nações assoladas por conflitos como o Iêmen e a Síria, significa que o Irã tem a ganhar com a instabilidade regional e “preencher vazios de poder”.

    E as atividades do Irã servem agora para promover vários dos seus principais objetivos, que incluem capacitar os palestinos e neutralizar a influência americana no Oriente Médio, disse ele.

    O general reformado do Exército dos EUA, Wesley Clark, ex-comandante supremo aliado da Otan, disse que as várias hostilidades refletem o “esforço do Irã para consolidar o seu papel como líder na região”.

    “O país está buscando a hegemonia regional”, disse ele à CNN. “E quando os Estados Unidos e Israel estão lá, e Israel está travando essa campanha contra o Hamas, então o Irã sente a necessidade de contra-atacar e se afirmar”.

    O que há com o conflito fronteiriço?

    O povo balúchi vive onde o Paquistão, o Afeganistão e o Irã se encontram. Há muito tempo exibem uma tendência ferozmente independente e sempre se ressentiram de serem governados tanto por Islamabad como por Teerã, com insurgências borbulhando na porosa região fronteiriça durante décadas.

    A área onde vivem também é rica em recursos naturais, mas os separatistas balúchis se queixam de que o seu povo, um dos mais pobres da região, viu pouca riqueza chegar às suas comunidades.

    O Baluchistão, a maior província do Paquistão em área, testemunhou uma série de ataques mortais nos últimos anos, alimentados por uma insurgência de décadas de separatistas que exigem a independência do país, irritados com o que dizem ser o monopólio estatal e a exploração dos recursos minerais da região.

    O Irã também enfrentou uma longa história de insurgências por parte das suas minorias curdas, árabes e balúchis.

    Jaish al-Adl é apenas um dos muitos grupos separatistas que operam no Irã.

    Originalmente fazia parte de um grupo militante sunita maior chamado Jundallah, que se desintegrou depois que o seu líder foi executado pelo Irã em 2010, de acordo com o Centro Nacional de Contraterrorismo do governo dos EUA.

    Em seu lugar, surgiu o Jaish al-Adl e foi designado como organização terrorista estrangeira pelo Departamento de Estado dos EUA.

    O grupo frequentemente tem como alvo pessoal de segurança iraniano, funcionários do governo e civis xiitas, de acordo com o Centro Nacional de Contraterrorismo.

    Em 2015, o grupo assumiu a responsabilidade por um ataque que matou oito guardas de fronteira iranianos, com militantes supostamente atravessando o Irã vindos do Paquistão.

    E em 2019, também assumiu a responsabilidade por um atentado suicida que atingiu um ônibus que transportava membros do exército iraniano, matando pelo menos 23 pessoas no Sistão-Baluchistão.

    Na quarta-feira (17), um dia depois dos ataques do Irã ao Paquistão, Jaish al-Adl assumiu a responsabilidade por um ataque a um veículo militar iraniano no Sistão-Baluchistão.

    E agora?

    Os ataques do Irã na terça-feira provocaram uma disputa diplomática, com o Paquistão chamando de volta o seu embaixador no Irã e suspendendo todas as visitas de alto nível do seu vizinho.

    E depois dos ataques do Paquistão, o Irã exigiu nesta quinta-feira “uma explicação imediata” do seu vizinho, informou a Tasmin.

    As nações próximas intervieram, com a Índia dizendo que tem “tolerância zero em relação ao terrorismo” e que o ataque era “um assunto entre o Irã e o Paquistão”.

    A China instou ambas as nações a exercerem contenção e evitarem o agravamento das tensões.

    Guarda Revolucionária do Irã diz ter atacado alvos no Iraque / 15/01/2024/Reprodução/TV Rudaw

    Na quarta-feira, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matt Miller, disse que Washington estava trabalhando para evitar que o Oriente Médio explodisse em um conflito em grande escala.

    “Vimos o Irã violar as fronteiras soberanas de três dos seus vizinhos apenas nos últimos dias”, disse ele, referindo-se ao Paquistão, ao Iraque e à Síria.

    Quando questionado sobre o potencial do Paquistão – um aliado de longa data dos EUA – para retaliar contra o Irã, Miller disse: “Esperamos que essa seja uma questão que possa ser resolvida pacificamente”.

    O subsequente ataque do Paquistão em solo iraniano mostra que o Paquistão decidiu responder com mais do que apenas repercussões diplomáticas.

    No entanto, não está claro se o Irã ou o Paquistão gostariam de mergulhar em hostilidades plenas sobre grupos separatistas que ambos consideram inimigos.

    Ambos os lados emitiram declarações após os respectivos ataques que sugeriam o desejo de não ver a situação piorar.

    O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão chamou o Irã de “país irmão” e enfatizou a necessidade de “encontrar soluções conjuntas”.

    Isso ecoou o ministro das Relações Exteriores iraniano, que chamou o Paquistão de “país amigo” no início desta semana e disse que os seus ataques eram proporcionais e visavam apenas militantes.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original