Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Erdogan diz que Biden é cúmplice de supostos crimes de guerra de Israel

    Turquia critica apoio dos Estados Unidos à operação liderada por Benjamin Netanyahu na Faixa de Gaza

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em coletiva de imprensa em Istambul
    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em coletiva de imprensa em Istambul 08/03/2024Umit Baktas/Reuters

    Tuvan Gumrukcuda Reuters

    O presidente turco, Tayyip Erdogan, disse que o presidente dos EUA, Joe Biden, e a sua administração são cúmplices do que chamou de crimes de guerra israelenses e violações do direito internacional no conflito de Gaza, e apelou a sanções contra Israel.

    Numa entrevista à Newsweek durante a cúpula da Otan em Washington, Erdogan disse que o “assassinato brutal” de civis por parte de Israel, os seus ataques a hospitais, centros de ajuda e outros locais constituíam crimes de guerra.

    “A administração dos EUA, no entanto, desconsidera essas violações e fornece a Israel o maior apoio. Eles fazem isso às custas de serem cúmplices dessas violações”, disse Erdogan.

    “Neste momento, quem irá impor que tipo de sanção contra Israel por violar o direito internacional? Essa é a verdadeira questão e ninguém está respondendo a ela”, disse ele.

    Israel rejeita consistentemente as acusações de ter cometido crimes de guerra na sua batalha contra o grupo militante palestino Hamas na Faixa de Gaza. E nega ter visado deliberadamente civis.

    Mais de 38 mil palestinos, a maioria deles civis, foram mortos desde o início da guerra, em 7 de outubro, segundo as autoridades médicas de Gaza. Cerca de 1.200 israelenses foram mortos no ataque do Hamas que desencadeou a guerra.

    A Turquia, membro da Otan, denunciou o ataque de Israel a Gaza, suspendeu as relações comerciais com o país e manifestou apoio ao Hamas. Ancara tem criticado repetidamente os países ocidentais por apoiarem Israel e pede que o Estado de Israel seja punido por tribunais internacionais.

    Questionado sobre os laços cordiais da Turquia com a Rússia e a China, e sobre os contatos recentes de Ancara com o grupo Brics e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO), Erdogan disse que a Turquia realiza a sua diplomacia com uma abordagem “ganha-ganha” e, portanto, não poderia descartar o envolvimento com entidades não ocidentais.

    “Somos um aliado inabalável da Otan. No entanto, não acreditamos que isso impeça a nossa capacidade de estabelecer relações positivas com nações como a China e a Rússia”, disse Erdogan à Newsweek.