Esta mulher é campeã de xadrez. E ela é cega

Para Lauser, 41, o xadrez tem sido uma obsessão e um passatempo ávido desde a segunda série. em 2020, ela virou campeã

Campeã de xadrez é cega
Campeã de xadrez é cega Foto: Dave Ruff / CNN

Matt Villano, da CNN

Ouvir notícia

Jessica Lauser é implacável no tabuleiro de xadrez.

Ela joga rapidamente, aplicando pressão constante sobre seus oponentes. Ela ataca constantemente, não muito diferente da personagem Beth Harmon da série de televisão Netflix, “The Queen’s Gambit”. Ela atrai seus oponentes para fora de suas zonas de conforto e, em seguida, se aproveita do elemento surpresa.

Seu sucesso no jogo lhe rendeu dezenas de prêmios importantes e uma vaga em um time campeão que se manteve contra os melhores enxadristas do mundo no ano passado.

Se isso não for suficientemente impressionante, considere que Lauser é legalmente cega.

Para Lauser, 41, o xadrez tem sido uma obsessão e um passatempo ávido desde a segunda série. Ela se apoiou nisso para ajudá-la a transcender uma infância difícil. Ela adora o jogo e nunca permitiu que sua deficiência atrapalhasse essa paixão.

“Quando jogo xadrez, é o mais perto que chego de uma sensação de igualdade”, disse ela à CNN em uma entrevista recente. “Quando você começa o jogo, não importa quem você é, não importa qual seja sua condição física ou de onde você vem ou se você tem dinheiro, ambos os lados começam com a mesma oportunidade.”

Uma maneira de silenciar os valentões

Lauser foi cega por quase toda a sua vida. Ela nasceu quatro meses prematuramente e precisava de oxigênio, o que danificou seus olhos, uma condição chamada retinopatia.

Por causa disso, um de seus olhos está completamente cego; no outro, ela tem visão 20/480. Isso significa que seu campo visual está severamente limitado e que ela tem pouca ou nenhuma percepção de profundidade.

Aos seus olhos, as peças de xadrez parecem borradas e distorcidas.

Como Lauser explicou, ela pode dizer quando uma casa no tabuleiro está ocupada, mas nem sempre pode dizer qual é a peça que a ocupa. Se ela precisar de ajuda para identificar uma peça, ela tocará levemente na parte superior dela e dirá: “Identifique”.

Ela aprendeu o jogo aos 7 anos e começou a levá-lo a sério na adolescência. Inicialmente, ela viu isso como um método para silenciar os agressores. “Eu sabia que as crianças iriam me chamar de ‘quatro olhos’ e disse: ‘Ei, talvez se eu vencê-los, eles finalmente calarão a boca'”, disse Lauser.
Tornou-se mais do que uma forma de silenciar os agressores.

“Quando eu vi que uma criança pode vencer um adulto neste jogo, (eu soube que) havia obviamente algo especial e diferente neste xadrez. Isso significava que não era algo que dependia do fato de que alguém era mais forte do que outra pessoa ou que eles tinham que ver como todo mundo. Havia algo especial sobre (o jogo) que me fez querer aprender mais. “

Como adulta, ela encontrou conforto em jogar xadrez nas ruas de Washington, DC, San Francisco e San Jose.

Ela disse que seu lugar favorito para jogar é o sindicato estudantil da San Francisco State University, de onde ela tirou um de seus dois diplomas de graduação aos 36 anos. Como era de se esperar, seus jogos sempre atraíam uma multidão.

Pegando fogo durante a pandemia

Para Lauser, o xadrez durante a pandemia foi uma fuga consistente.

Em 2020, durante o auge da pandemia, Lauser marcou seu terceiro campeonato consecutivo de xadrez americano para cegos.

Isso foi em outubro. No mês seguinte, próximo ao Dia de Ação de Graças, Lauser se juntou a outros quatro jogadores para competir na Olimpíada anual de Pessoas com Deficiência, um evento internacional.

O torneio foi originalmente programado para ser realizado na vida real na Sibéria, mas em vez disso foi transferido para uma competição virtual. O local era irrelevante; a competição era igualmente feroz.

Foi a primeira vez que os EUA competiram neste torneio, e Lior Lapid, o homem que treina a equipe, disse que ninguém achava que a equipe tinha chances contra times mais qualificados de lugares como Rússia e Brasil. Ao todo, eram 60 equipes de 44 países, e a equipe dos Estados Unidos ficou em trigésimo nono lugar.

Surpreendentemente, a equipe de Lapid empatou em décimo lugar.

“A quantidade de adversidades que tivemos de superar para fazer o que fizemos é notável”, disse Lapid, que dirige a PALS Chess Academy em Centennial, Colorado. “Um de nossos jogadores teve convulsões no meio da partida e continuou jogando. Jessica é cega. Dois de nossos outros jogadores estão em cadeiras de rodas. Eles acreditaram em si mesmos e trabalharam juntos. Estou orgulhoso do que conquistamos.”

O que vem por aí para Lauser

Apesar da forte exibição nas Olimpíadas, o futuro de Lauser com o xadrez não está claro.
Por um lado, ela e seus companheiros de equipe deram a volta por cima; a irmã de Lapid, que é cineasta, reuniu imagens do torneio recente e está montando um documentário sobre a equipe e sua luta valente.

Por outro lado, embora Lauser tenha vontade de competir no campeonato mundial para cegos no final deste ano e na Olimpíada de 2022 (programada para acontecer na Rússia), ela teme que não será capaz de arcar com as despesas da viagem para participar de qualquer um dos torneios, e irá ser forçado a ficar de fora.

Lapid, que não tem deficiência, disse acreditar que o desempenho do time na Olimpíada pode levar a financiamento de federações regionais e nacionais de xadrez.

Aconteça o que acontecer, Lauser não vai desistir de seu objetivo de toda a vida de se tornar uma mestre do xadrez.

“Eu li e ouvi muitas vezes que se você não se tornar um mestre até uma certa idade, você nunca será um”, disse ela.

Ela não acredita nisso. “Não tenho a mesma trajetória de vida que a maioria das pessoas.”

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN