‘Estamos contentes com o progresso de Trump’, diz equipe médica do presidente

Em coletiva, os médicos disseram que o presidente americano está recebendo cuidados multidisciplinares e está sem febre

Da CNN

Ouvir notícia
 

O médico do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Sean Conley, disse que está “contente com o progresso” dele, que foi diagnosticado com novo coronavírus. Já se passaram 48 horas desde o diagnóstico e Trump não teve febre nas últimas 24 horas nem recebe ajuda de respiradores — e indicadores mostram que ele não vai precisar dos equipamentos de oxigênio daqui para frente.

A primeira semana da Covid-19 é crítica e determina o curso dessa doença. “Por isso, não quero determinar uma data [de quando poderá sair], mas ele está indo muito bem. Mas, mesmo oferecendo os remédios desde o início da infecção, é difícil dizer onde ele está no curso da doença”, disse Conley, em frente ao hospital militar Walter Reed, em Maryland.

De acordo com o médico Sean Dooley, a equipe está monitorando a frequência cardíaca, as funções dos rins, e está tudo normal. “Ele está em boas condições e em bom espírito, dizendo que poderia até sair do hospital hoje. É estimulante ouvir isso do presidente”, diz.

O médico Brian Garibaldi lembra que Trump recebeu cerca de 40 horas atrás uma terapia de anticorpos “e estamos monitorando de maneira muito próxima para saber qual é o resultado”. “Na noite de ontem, demos a primeira dose de redemsevir e vamos continuar no curso de cinco dias com o remédio. O plano de hoje, já que ele está bem, é encorajá-lo a comer e beber bem, se manter hidratado.”

Ele teve tosse, febre e fadiga, mas não teve dificuldade para respirar, disse a equipe. 

A Casa Branca vai fazer um rastreamento de todas as pessoas com quem Trump teve contato. Os médicos, no entanto, não deram detalhes de quando ele foi infectado.

Já a primeira-dama está “muito bem”, se tratando em casa, informaram.

Assista e leia também:
‘Indo bem, eu acho’, diz Trump em hospital militar
Quem assume se Trump ficar muito doente para governar? Veja linha de sucessão
Idade e peso de Donald Trump incluem presidente em grupo de risco da Covid-19

‘Estado preocupante’

Apesar do otimismo dos médicos, uma fonte próxima à situação ouvida pela agência Reuters afirmou que alguns do sinais vitais do presidentes nas últimas 24 horas foram “preocupantes”.

A fonte afirmou que as próximas 48 horas serão “críticas”, ao contrário do que afirmaram os médicos durante a entrevista coletiva. De acordo com The New York Times, a fala é do chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, que teria sido gravado dando a declaração a repórteres na saída do Centro Militar Walter Reed e pedido para não ser identificado.

O jornal também reportou que a decisão de transportar Trump ao hospital foi tomada após ele sentir dificuldade para respirar e o nível de oxigenação do sangue cair. Duas fontes próximas à Casa Branca disseram que ele chegou a receber oxigênio suplementar na noite de sexta—o que foi negado por Sean Conley, o médico da Casa Branca. 

A imprensa americana  vem questionando a falta de clareza dos médicos sobre o estado de saúde de Trump. O jornal The Washington Post elencou que a equipe médica se recusou a responder quando o presidente foi primeiramente diagnosticado e quando ele começou a apresentar os primeiros sintomas, por exemplo.

Conley pareceu indicar, durante a entrevista coletiva concedida neste sábado, que o presidente foi diagnosticado com o vírus na quarta, e não na quinta-feira. Quando estava descrevendo o progresso de Trump, o médico disse que ele estava “com 72 horas após o diagnóstico”, o que significaria a tarde de quarta.  

Tratamento

Trump se pronunciou neste sábado (3) pela primeira vez nas redes sociais após chegar ao hospital militar. Ele e a mulher, Melania, foram diagnosticados com Covid-19 na sexta-feira (2). “Indo bem, eu acho! Agradeço a todos vocês! Amor!!!”, escreveu ele no Twitter.

Até o momento, Trump teve febre e fadiga, de acordo com uma pessoa próxima a ele. O médico do republicano informou que ele foi medicado com uma dose de Regeneron, um coquetel de anticorpos para o novo coronavírus que ainda está em teste nos EUA.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, disse que Trump também está sendo medicado com o antiviral remdesivir, produzido pela Gilead Sciences.

“Estou feliz em informar que o presidente está muito bem. Não tem necessidade de oxigênio suplementar, mas em consulta com especialistas, optamos por iniciar um tratamento com remdesivir. Ele completou a primeira etapa e está descansando confortavelmente”, diz a nota oficial publicada por McEnamy no Twitter.

Trump também está tomando zinco, vitamina D, famotidina, melatonina e aspirina.

É muito raro um presidente passar a noite em um hospital, já que a Casa Branca conta com várias instalações médicas disponíveis.

Casa Branca

O governo americano enviou um comunicado aos jornalistas explicando que o médico do presidente se equivocou ao dizer que Trump foi diagnosticado há 72 horas. Na verdade, segundo a nota, o sábado é o terceiro dia. 

“O presidente foi diagnosticado com Covid-19 na noite de quinta-feira (1° de outubro) e recebeu o coquetel de anticorpos Regeneron na sexta-feira (2)”, afirma.

Mais Recentes da CNN