Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Estamos prontos”: Ucrânia se prepara para ataques contra infraestrutura elétrica

    À medida que os dias ficam mais curtos e as temperaturas caem, a Rússia tem outra oportunidade de tentar quebrar a resiliência ucraniana com apagões punitivos

    Destruição causada por ataque russo é vista em uma das instalações elétricas da DTEK
    Destruição causada por ataque russo é vista em uma das instalações elétricas da DTEK DTEK

    Victoria Butenkoda CNN

    Ouvir notícia

    Oleksandr Gindyuk está determinado a não ser pego de surpresa se o fornecimento de energia falhar novamente neste inverno.

    Quando a Rússia atacou a rede elétrica da Ucrânia com ondas generalizadas e repetidas de ataques aéreos no ano passado, causando enormes apagões, a sua esposa tinha acabado de dar à luz a sua segunda filha.

    “Foi muito difícil”, disse Gindyuk, que mora com a família nos subúrbios da capital, Kiev, à CNN.

    “Não há vida em nossa casa se não houver eletricidade. Sem eletricidade, não temos água, luz ou aquecimento.”

    Ele passou o verão se preparando para que a Rússia repetisse a sua estratégia, que foi concebida para semear o terror e tornar a vida insustentável, roubando aos ucranianos o calor, a água e os serviços de saúde.

    “Estamos totalmente prontos – temos um gerador a diesel e uma potente bateria de 9 kWh. Não estamos com medo, estamos prontos”, afirmou Gindyuk à CNN.

    Enquanto famílias como a de Gindyuk se preparam para a possibilidade de outro inverno sombrio, a Ucrânia tem se apressado para reconstruir e proteger a sua frágil infraestrutura elétrica.

    O verão proporcionou uma trégua à rede elétrica da Ucrânia. A Rússia concentrou os seus ataques em alvos militares e nos portos do Mar Negro e do Rio Danúbio, para impedir os esforços da Ucrânia para transportar cereais e sufocar um importante fluxo de rendimentos.

    À medida que os dias ficam mais curtos e as temperaturas caem, a Rússia tem outra oportunidade de tentar quebrar a resiliência ucraniana com apagões punitivos. Mas neste inverno, as autoridades de defesa e energia dizem que a Ucrânia está melhor preparada.

    Com as limitadas defesas aéreas ucranianas em operação no ano passado, a Rússia conseguiu atingir facilmente a rede elétrica.

    Desta vez, os ataques serão mais difíceis para a Rússia, de acordo com o vice-chefe da Inteligência de Defesa da Ucrânia, Vadym Skibitsky.

    “Os russos podem usar uma combinação de armas de mísseis e atacar Veículos Aéreos Não Tripulados (Vants). Definitivamente, estes não serão ataques tão primitivos como no ano passado. Será difícil para os russos alcançarem um resultado – também estamos nos preparando e entendendo como eles agem.”

    A DTEK – maior empresa privada de energia do país, passou os últimos sete meses restaurando infraestruturas, tentando aumentar a produção e reforçando as defesas nas suas instalações em toda a Ucrânia.

    “Restauramos o que poderia ser restaurado, compramos equipamentos de reserva e instalamos defesas ao redor das usinas”, disse o presidente-executivo da DTEK, Maxim Timchenko, à CNN.

    A empresa gera cerca de um quarto da eletricidade da Ucrânia e administra 40% da sua rede, o que a torna um alvo principal dos ataques russos.

    Quatro funcionários da DTEK foram mortos durante o serviço e as suas centrais elétricas foram atacadas quase 300 vezes desde o início da invasão russa, segundo a empresa.

    “No inverno passado, a determinação nos sustentou. Neste inverno estamos mais fortes e nosso pessoal está mais experiente”, disse Timchenko.

    A Rússia lançou 1.200 ataques ao sistema elétrico da Ucrânia entre outubro de 2022 e abril de 2023, com todas as centrais térmicas e hidroelétricas do país sofrendo alguns danos, conforme a DTEK.

    Num relatório de avaliação de danos divulgado em junho, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento afirmou que a capacidade de produção de energia da Ucrânia foi reduzida para cerca de metade do que era antes da invasão russa.

    “O sistema elétrico da Ucrânia continua a operar em modo de emergência, o que afeta tanto as redes elétricas como a produção”, afirmou uma nota que acompanha o relatório.

    O relatório também traçou um roteiro para a reconstrução do setor elétrico, dando prioridade à descentralização, às fontes de energia renováveis ​​e a uma maior integração com a União Europeia (UE).

    A Ucrânia está ligada à rede elétrica da UE desde a invasão em grande escala, o que lhe permitiu sincronizar e comercializar energia com o bloco. Mas a enorme onda de ataques às infraestruturas elétricas no inverno passado desequilibrou essa questão.

    Chamada de defesa aérea

    Grande parte do foco atual continua a ser a proteção da infraestrutura existente, em vez da reconstrução.

    Foram erguidas barreiras físicas em torno da rede de transmissão de eletricidade de alta tensão da Ucrânia, operada pela empresa nacional de energia Ukrenergo.

    “Nosso objetivo é tornar os ataques russos com mísseis e drones tão ineficientes que o inimigo desista dessa ideia”, disse o presidente do Ukrenergo, Volodymyr Kudrytskyi, à CNN.

    Tem havido um esforço para proteger edifícios críticos com sacos de areia e gaiolas de metal para evitar danos causados ​​pela queda de detritos.

    Estruturas destinadas a proteger contra a ociosidade de munições também estão a ser construídas em torno de alguns equipamentos elétricos essenciais. Mas nada disso pode substituir mais sistemas de defesa aérea – um refrão que ecoa em quase todos os escalões do governo e em toda a indústria elétrica.

    “É claro que o elemento-chave para a proteção da infraestrutura elétrica é a defesa aérea”, disse Kudrytskyi.

    A Ukrenergo informou que conseguiu reparar alguns dos danos do ano passado e está pronto para transmitir os maiores volumes de eletricidade necessários para o inverno.

    “Cerca de metade das redes de alta tensão foram colocadas fora de operação após os ataques massivos da última temporada. São necessários meses, e em alguns casos até anos, para restaurá-los totalmente”, disse Kudrytskyi, sublinhando a escala do empreendimento.

    A empresa também preparou reservas de equipamentos, treinou equipes de reparação e despachantes para lidar com as consequências de possíveis ataques, além de criar cadeias de fornecimento de energia de reserva para os consumidores.

    Comprando geradores e baterias

    Oleksandr Prokhorenko, chefe de uma empresa de engenharia elétrica que instala sistemas de armazenamento de energia em toda a Ucrânia, viu um aumento significativo na procura à medida que as pessoas se preparam para interrupções, recorrendo a soluções fora da rede.

    As empresas de gestão de edifícios compraram geradores e acumuladores – baterias secundárias recarregáveis ​​- para manter o bombeamento de água e os elevadores a funcionar. As empresas atualizaram para geradores maiores que podem manter as luzes acesas por mais tempo.

    Hospitais também estão se preparando para cortes de energia. De acordo com o Ministério da Saúde ucraniano, todos os hospitais com instalações de internação têm geradores para manter os equipamentos que vitais funcionando, mas interrupções prolongadas podem significar uma redução nos cuidados.

    “As pessoas continuam comprando geradores, centrais elétricas portáteis e acumuladores para o inverno”, disse Prokhorenko à CNN.

    Kateryna Serzhan é uma das que se preparam para os próximos meses. Ela e a filha de dois anos passaram o inverno passado na cidade espanhola de Valência para evitar cortes de energia, mas isso significou ficar longe do marido. Este ano ela está determinada a permanecer na Ucrânia.

    Serzhan disse que conhece os riscos e, tendo comprado uma bateria recarregável resistente, sente-se preparada para o pior.

    “Se este inverno for escuro e frio, estamos prontos. O mais importante é que estaremos todos juntos como uma família”, disse ela à CNN. “Não quero dar aos russos a oportunidade de nos separar novamente.”

    Veja também – EUA alertam Israel contra ocupação de Gaza

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN