Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Eu realmente não tenho outra escolha”: jovens israelenses voltam para o país após ataque do Hamas

    Israelenses interrompem suas férias no exterior para retornar ao país e servir nas Forças de Defesa

    Israelenses interrompem suas férias no exterior para retornar ao país após ataque do Hamas.
    Israelenses interrompem suas férias no exterior para retornar ao país após ataque do Hamas. Reuters

    Lianne KolirinIssy Ronaldda CNN

    Ao saber que o grupo radical islâmico Hamas estava atacando um festival de música no qual sua família estava, Ben Ovadia recitou o Kadish para sua mãe, a prece judaica em memória aos mortos.

    “Eu não sabia o que fazer. Eu disse, por favor, matem ela porque isso seria melhor do que ela ser sequestrada”, disse Ovadia, de 38 anos, à CNN na quarta-feira. “É um pesadelo. Eu disse ‘por favor, matem ela, não levem ela para lá’.”

    Pelo WhatsApp, ele acompanhou, impotente, enquanto sua mãe e seu irmão mais novo enviavam atualizações durante oito horas, dizendo que estavam escondidos em pequenos arbustos, ouvindo tiros e pessoas passando dizendo “Allahu Akbar”.

    “[Cada mensagem] demorava cerca de dois minutos para chegar e enquanto elas não chegavam não havia comunicação”, disse ele. “A cada dois minutos você arrancava os cabelos para conseguir uma resposta.”

    Eventualmente, Ovadia ficou sabendo de um local seguro, enviou o mapa para seu irmão e ele e sua mãe conseguiram escapar do festival.

    Na manhã seguinte, Ovadia voou de Londres, onde mora com sua esposa britânica e seus gêmeos de nove anos e trabalha como joalheiro, de volta para Israel.

    Ele é um dos muitos israelenses que regressam do exterior, à medida que o conflito de longa data do seu país com o Hamas se transforma numa guerra. Para lidar com a crescente demanda, as companhias aéreas israelenses El Al, Israir e Arkia adicionaram mais voos para repatriar reservistas militares, segundo a Reuters.

    Interrompendo férias ou a vida cotidiana no exterior, estes israelenses estão voltando para funerais, e se preparam para serem convocados para as reservas militares, para transportar mantimentos ou ajudar a proteger as suas comunidades.

    Pelo menos 1.300 pessoas foram mortas em Israel após o ataque do Hamas em 7 de outubro.

    Israel respondeu atacando Gaza com ataques aéreos e suspendendo o fornecimento de eletricidade, alimentos, água e combustível nos enclaves palestinos. Pelo menos 1.417 pessoas morreram em Gaza nos dias seguintes, de acordo com o Ministério da Saúde palestino.

    Logo depois de ver a sua família após desembarcar em Israel, Ovadia foi para Lod, uma cidade a cerca de 14 quilômetros de Tel Aviv, atingida pelas explosões e pela violência.

    Lá ele se juntou a amigos na formação de uma vigilância improvisada na vizinhança, para garantir que a situação permanecesse calma. Desde então, ele ajudou a entregar alimentos doados e planeja dirigir até o sul do país, pois não há motoristas suficientes para levar as pessoas até suas famílias.

    “Pelo menos há algo que posso fazer”, disse ele. “Eu não poderia ficar em Londres e apenas assistir tudo acontecendo na TV.”

    Outro israelense que voltou ao país é Guy, de 30 anos, que trabalha com segurança cibernética e mora em Londres há cinco anos. A CNN não usa seu sobrenome por razões de segurança.

    Guy voltou para Israel na quarta-feira (11) depois de saber que seis de seus amigos estavam desaparecidos após participarem do festival de música Supernova, alvo dos ataques do Hamas. Desde então, dois membros do grupo foram confirmados como mortos.

    Guy, que mora em Londres, voltou a Israel para se alistar como reservista, mas também para comparecer aos funerais de amigos mortos no festival Supernova. / Imagem de arquivo de Guy

    Ele disse à CNN que está voltando para ser reservista militar e para os funerais de seus amigos, que faziam parte de um “círculo próximo” que frequentemente ia a festivais de música eletrônica e trance, como o Supernova, que também era frequentado por palestinos.

    “A geração nascida desde a Guerra do Yom Kippur nunca viu nada assim”, disse ele. “Eles tiveram a oportunidade de acreditar na paz e na solução de dois Estados… nós crescemos com isso… As pessoas que vão a estes festivais participam como cidadãos do mundo que essencialmente querem apenas celebrar a vida.”

    Israel convocou 300.000 reservistas para lutar por seu Exército, disse o porta-voz das Forças de Defesa de Israel, major Doron Spielman, à CNN na quarta-feira. Uma mobilização na escala de um grande país como os Estados Unidos, apesar da população relativamente pequena de Israel de 9,7 milhões de habitantes, de acordo com dados do Escritório Central de Estatísticas de Israel em abril.

    “Não há família que não tenha alguém convocado. Ou, infelizmente, como somos um país tão pequeno, uma família que não tem amigos ou entes queridos que ainda estão desaparecidos”, disse Spielman à CNN.

    Embora existam algumas isenções, todo cidadão israelense com mais de 18 anos é obrigado a servir nas Forças de Defesa. Depois de terminar o serviço, muitos fazem longas viagens ao exterior, uma espécie de rito de passagem pós-serviço.

    Ben, de 22 anos, estava prestes a explorar o Himalaia, no Nepal, quando ocorreram os ataques. Ele voltou de Katmandu na terça-feira. / Imagem de arquivo de Ben

    Depois de completar o serviço militar, Ben, de 22 anos, que também pediu para manter o nome da sua família confidencial, pretendia explorar a Ásia durante vários meses. No entanto, ele abandonou esses planos no sábado, quando soube do ataque do Hamas numa aldeia montanhosa no Nepal. Desde então, ele retornou a Israel e está de prontidão para servir como reservista em uma unidade de reconhecimento.

    “É muito difícil estar tão longe e não há muito que você possa fazer”, disse ele. “Você está preocupado com as pessoas de lá e tudo que você faz o dia todo é assistir ao noticiário e olhar para o seu telefone. É impossível estar ausente agora.”

    Jessica Kane e Rachel Gold voaram de volta dos EUA para Israel, onde amigos e parentes as ajudaram a coletar doações da comunidade judaica. / Imagem de arquivo de Jessica Kane

    Ilan Fisher, de 29 anos, é outro israelense que espera ser convocado para o serviço de reserva, disse ele à CNN na quarta-feira. Ele estava de férias em Melbourne, na Austrália, no dia do ataque do Hamas, participando do casamento de dois amigos australianos próximos, que também moram em Israel.

    Embora Fisher tenha recebido várias ofertas para permanecer em Melbourne, ele pretende voltar no domingo e será convocado de volta para o departamento de mídia do exército.

    “Dada a situação lá neste momento, quão terrível é e quão terrível será, não tenho outra escolha senão voltar”, disse ele.

    Alguns israelenses estão a regressar por outras razões. Rachel Gold, de 27 anos, estava de férias em Toronto e teve a ideia de levar suprimentos para Israel com sua amiga Jessica Kane, que estava visitando seus pais em Nova York.

    Depois de fazer um apelo nas redes sociais, eles arrecadaram US$ 15 mil para comprar suprimentos e voltaram na noite de segunda-feira com outros dois amigos, carregando 13 malas grandes, quatro malas de mão e várias mochilas. A bagagem estava repleta de suprimentos, incluindo lanternas, roupas íntimas, meias, escovas de dente, carregadores portáteis, bolsas de hidratação e barras de proteínas.

    Kane, de 26 anos, disse à CNN que sua família é religiosa e por isso ela não ouviu falar do ataque até que seu pai soube dele por um conhecido enquanto estava na sinagoga.

    “Inicialmente não acreditei. Achei que estava sendo sensacionalista”, disse ela. “Nós rapidamente pegamos nossos telefones. Recebi algumas chamadas perdidas do exército e um milhão de notificações de alerta vermelho sobre a queda de mísseis. Foi incrivelmente, incrivelmente difícil.”

    Os amigos foram recebidos no aeroporto na terça-feira por voluntários que imediatamente levaram as doações para entregar no sul de Israel. Gold está agora numa base militar no sul, tendo sido recrutada como reservista.

    “Estar aqui é muito mais reconfortante do que estar longe”, disse ela à CNN. “Eu me senti desesperadamente desamparada apenas sentada em casa assistindo ao noticiário e pensando no que mais poderia fazer além de enviar dinheiro. Estando aqui pelo menos me sinto parte disso e fazendo coisas, além de não ficar grudada nas notícias o dia todo. Estar aqui é um pouco menos assustador do que estar no exterior.”

    Veja imagens do conflito entre Israel e Hamas

    Mais Recentes da CNN

    Mais Recentes da CNN