EUA e China trocam farpas após reunião, mas dizem que querem manter diálogo

Reunião do alto escalão entre países têm críticas sobre diplomacia e direitos humanos

O presidente dos EUA, Joe Biden, e o líder da China, Xi Jinping
O presidente dos EUA, Joe Biden, e o líder da China, Xi Jinping Foto: Getty Images

Nicole Gaouette e Kylie Atwood*, da CNN

Ouvir notícia

Os Estados Unidos e a China travaram uma guerra de palavras nesta segunda-feira (26), enquanto cada lado trabalhava para definir a narrativa após suas últimas reuniões de alto escalão.

Uma delegação dos EUA liderada pela vice-secretária de Estado Wendy Sherman se reuniu com o ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, e outras autoridades em Tianjin, China, uma semana depois que o governo Biden se juntou a uma coalizão internacional para condenar a China por seus ciberataques globais.

O Departamento de Estado chamou as reuniões de “francas e abertas” – código diplomático para uma escaramuça – e pintou Pequim como uma exceção internacional que está subvertendo as normas internacionais, listando o genocídio da China em Xinjiang e sua recusa em cooperar com uma investigação internacional sobre as origens do coronavírus.

“O secretário adjunto ressaltou que os Estados Unidos dão as boas-vindas à dura competição entre nossos países – e que pretendemos continuar a fortalecer nossa própria relação competitiva – mas que não buscamos conflito com a China”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em um comunicado na segunda-feira.

Pequim, descrevendo as negociações como “profundas e francas”, respondeu com uma torrente de condenações. As autoridades chinesas expressaram “forte insatisfação” com a “política extremamente perigosa para a China” de Washington e acusaram-na de hipocrisia nos direitos humanos.

‘Confronto’

O porta-voz do ministro das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que as autoridades chinesas “exigiram que os EUA parassem imediatamente de interferir nos assuntos internos da China, parassem de prejudicar os interesses da China e parassem de pisar na linha vermelha, parassem de brincar com fogo e parassem de orquestrar confrontos em grupo sob o pretexto de valores. “

Os dois países estão tentando obter vantagens enquanto lutam para administrar a relação bilateral mais importante do mundo e preparar o terreno para a primeira reunião de líderes entre o presidente Joe Biden e o presidente chinês Xi Jinping, prevista para a cúpula do G7 em outubro. Apesar da linguagem assertiva, ambos os lados expressaram interesse em um diálogo contínuo.

“Os EUA e a China estão em um período de competição estratégica, as relações em geral estão piorando e essa tendência continuou durante as negociações de hoje”, disse Neil Thomas, analista para a China do Eurasia Group, empresa de consultoria e assessoria de risco político. “Mas o fato de ambos os lados quererem realizar esta reunião … mostra que tanto Biden quanto Xi Jinping ainda querem colocar algum tipo de piso sob a deterioração das relações, porque ambos sabem que esta é a relação bilateral mais importante do mundo. Isso tem consequências significativas para a estabilidade global – para a política, para a segurança e economicamente. “

Falando ao The New York Times após suas reuniões, Sherman disse: “Em áreas onde temos interesses comuns e há grandes interesses globais, tivemos discussões muito substantivas, compartilhamos algumas ideias. Teremos que ver onde isso vai dar.”

As reuniões de Sherman na China continuaram com uma viagem pela Ásia com paradas no Japão, Coreia e Mongólia, e aconteceram quando o secretário de Defesa Lloyd Austin visitou Cingapura e o secretário de Estado Antony Blinken voou para a Índia – tudo refletindo a importância que o governo Biden está dando à Ásia.

A viagem do vice-secretário a Tianjin marcou a primeira reunião de alto escalão desde uma reunião contenciosa em março no Alasca entre Blinken e o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan e Wang e altos funcionários da República Popular da China foi parcialmente filmada.

As leituras após as reuniões de Sherman sinalizaram que as disputas em março não apenas permanecem sem solução, mas continuarão a criar atrito no futuro – particularmente em torno das questões de direitos humanos, na preparação para Pequim sediar os Jogos Olímpicos de Inverno, e tentativas internacionais para determinar as origens do coronavírus.

“O secretário adjunto levantou preocupações em privado – como fizemos em público – sobre uma série de ações da China que vão contra nossos valores e interesses e os de nossos aliados e parceiros, e que minam a ordem baseada em regras internacionais,” Price disse em um comunicado.

“Ela levantou nossas preocupações sobre os direitos humanos, incluindo a repressão antidemocrática de Pequim em Hong Kong; o genocídio e crimes contra a humanidade em Xinjiang; abusos no Tibete; e a restrição do acesso à mídia e da liberdade de imprensa”, continuou Price. “Ela também falou sobre nossas preocupações sobre a conduta de Pequim no ciberespaço; através do Estreito de Taiwan; e nos mares do leste e do sul da China.”

A reunião de Sherman aconteceu poucos dias depois que a China rejeitou o plano da Organização Mundial de Saúde para uma segunda fase de uma investigação sobre a origem do coronavírus.

“O secretário adjunto reiterou as preocupações sobre a relutância da China em cooperar com a Organização Mundial da Saúde e permitir uma segunda fase de investimento a origem do Covid-19 na China “, disse Price, acrescentando que Sherman também levantou a questão dos americanos e canadenses detidos na China sem permissão de deixarem o país e” lembrou aos oficiais chineses que as pessoas não são moeda de troca”.

Uma declaração chinesa sobre a primeira reunião de Sherman com o vice-ministro das Relações Exteriores da China, Xie Feng, disse que o vice-ministro disse a Sherman que a desgastada relação EUA-China não se deve a nenhuma das questões levantadas por Sherman, mas ao retrato que os americanos fazem da China como o “inimigo imaginário”.

‘Extremamente perigoso’

Muitos dos outros comentários de Xie pareciam ser uma tentativa de inverter as críticas dos EUA a Pequim.

De acordo com o comunicado, Xie também disse a Sherman que foram os EUA que abandonaram a ordem internacional baseada em regras que ajudaram a criar no rescaldo da Segunda Guerra Mundial, mas que a China gostaria de construir um “novo tipo de relações internacionais” em “respeito”.

Xie também disse que os EUA “não estão em posição de pregar à China sobre democracia e direitos humanos”, apontando para o genocídio americano de nativos americanos e ação militar dos EUA e disse que os EUA são o “inventor e proprietário de patente e propriedade intelectual” da diplomacia coercitiva – outra crítica que Washington costuma fazer a Pequim por sua abordagem aos países menores e mais pobres.

Durante o longo dia de negociações na segunda-feira, o porta-voz Zhao disse em uma coletiva de imprensa que a China expressou sua “forte insatisfação” com a “política extremamente perigosa para a China” de Washington.

Mas Zhao também acrescentou que as negociações foram “profundas e francas” e que foram benéficas para o desenvolvimento saudável das relações sino-americanas.

E Price, o porta-voz do Departamento de Estado, disse que mesmo enquanto Sherman fazia sua crítica às ações da China, “ao mesmo tempo, a vice-secretária afirmou a importância da cooperação em áreas de interesse global, como crise climática, combate aos narcóticos e preocupações regionais “, incluindo Coreia do Norte, Irã, Afeganistão e Birmânia.

*A redação da CNN em Pequim e Eric Cheung em Hong Kong contribuíram para esta reportagem.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN