Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA mantêm tropas no Níger enquanto tentam reconduzir o presidente Bazoum ao poder

    Líder democraticamente eleito foi deposto por um golpe militar, o que tem motivado sanções por parte de países africanos e europeus; norte-americanos buscam saída diplomática e ainda aguardam definição política do país

    Fumaça sobe aos céus após apoiadores de golpe no Niger atearem fogo na sede do partido do presidente Mohamed Bazoum, em 27 de julho de 2023
    Fumaça sobe aos céus após apoiadores de golpe no Niger atearem fogo na sede do partido do presidente Mohamed Bazoum, em 27 de julho de 2023 Balima Boureima/Anadolu Agency via Getty Images

    Natasha Bertrandda CNN

    As tropas dos EUA no Níger foram restritas à base militar americana em Agadez, enquanto o governo Biden trabalha para restaurar o presidente democraticamente eleito Mohamed Bazoum ao poder.

    Um oficial militar dos EUA disse que cerca de 1.000 soldados foram mantidos na base na semana passada, logo após Bazoum ter sido capturado por membros da guarda presidencial na quarta-feira.

    Os EUA ainda não decidiram formalmente se a situação constitui um golpe de estado – designação que obrigaria os EUA a cortarem a assistência externa e militar ao governo nigerense, o que poderá ter consequências graves no combate ao terrorismo e na estabilidade da região.

    Não há prazo em que os EUA sejam obrigados a fazer uma designação de golpe.

    “Estamos trabalhando muito, muito duro para ver se podemos reverter isso”, disse um alto funcionário do Departamento de Estado nesta segunda-feira (31). “Como a situação ainda não está definida e concreta, achamos que devemos tentar aproveitar essa oportunidade.”

    Na quinta-feira, o chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Mark Milley, conversou com seu homólogo no Níger. “Os dois líderes discutiram a segurança dos americanos e o desenvolvimento da situação no Níger”, disse o coronel Dave Butler em um comunicado na segunda-feira.

    As autoridades americanas continuam enfatizando que a situação é incrivelmente fluida e que seu foco está nos esforços diplomáticos, juntamente com parceiros regionais, para restaurar o regime democrático no Níger.

    A postura geral da força dos EUA no país não mudou, pois isso exigiria uma decisão política separada. Mas o Pentágono está empenhado em “paciência estratégica enquanto monitoramos a situação e vemos como ela se resolve”, disse o oficial militar.

    Atuação no Níger

    Os EUA têm tropas no Níger há cerca de uma década, principalmente aconselhando e treinando as forças nigerenses em esforços de contraterrorismo.

    O alto funcionário do Departamento de Estado disse na segunda-feira que a situação no terreno é relativamente calma. “Realmente não há agitação na cidade ou no país. É realmente tudo focado na residência do presidente”, onde Bazoum está detido, disse o funcionário.

    Os EUA continuam a considerar os atos militares como resultado de uma disputa interna interna entre Bazoum e o chefe da guarda presidencial, general Abdourahamane Tiani, que foi nomeado pelo presidente anterior e acreditava que seria demitido.

    Nos dias seguintes, as forças nigerenses apoiaram os golpistas, embora o alto funcionário do Departamento de Estado tenha dito que “em conversas subsequentes com alguns líderes militares importantes, eles nos disseram que não se opunham ao que estava acontecendo porque eles não conseguiram descobrir como fazer a guarda presidencial se retirar sem risco para a vida do presidente e sua família, porque a guarda presidencial havia cercado a residência do presidente”.

    O oficial disse que não parece que Tiani tenha conseguido construir um consenso entre os militares sobre suas ações e que sua decisão de se nomear presidente “pode ter sido uma surpresa para alguns dos outros líderes militares do país”.

    “Não entendemos que ele é extremamente popular”, disse o funcionário.

    Ainda não há indícios de que grupos como Wagner tenham desempenhado algum papel na aquisição ou nos protestos subsequentes, mas “claro, você já viu Prigozhin (fundador e financiador de Wagner, Yevgeny) falar que eles tentarão tirar proveito disso”, disse o funcionário. “Acho que os líderes do golpe vão tentar tirar proveito do sentimento antifrancês na região”, acrescentaram.

    Embora tenha havido protestos públicos que parecem apoiar o golpe militar, o funcionário disse que os EUA acreditam que o público preferiria um governo democrático. “Nossa expectativa é que, de um modo geral, o público prefira ter seu governo eleito democraticamente e não sofrer essas consequências. Mas eles podem não se sentir à vontade para falar sobre isso”, disse o funcionário.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original