Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA reforçam a necessidade de parâmetros de segurança em negociações com a China

    Vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, terá encontro em Tianjin com o conselheiro de Estado chinês e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi

    Bandeira da China
    Bandeira da China Foto: Divulgação / Pixabay

    Michael Martina, Yew Lun Tian e David Brunnstrom, da Reuters, em Washington e Pequim

    Ouvir notícia

    A vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, dirá à China nas próximas negociações que, embora Washington dê boas-vindas à competição com Pequim, é necessário que haja igualdade de condições e proteções para garantir que isso não se transforme em conflito, disseram autoridades americanas no sábado (24).

    As autoridades, instruindo repórteres antes das conversas de Sherman em Tianjin com o conselheiro de Estado chinês e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, na segunda-feira (26), disseram que as duas maiores economias do mundo precisam de maneiras responsáveis ??de administrar a concorrência.

    “Ela vai enfatizar que não queremos que essa competição dura e contínua se torne um conflito”, disse um alto funcionário do governo dos EUA antes do primeiro contato pessoal de alto escalão entre Washington e Pequim em meses, enquanto os dois os lados avaliam como podem acalmar os atritos. 

    “Os EUA querem garantir que existam barreiras e parâmetros para administrar o relacionamento com responsabilidade”, disse ele. “Todos precisam seguir as mesmas regras e em igualdade de condições”.

    Sherman deve chegar a Tianjin, a sudeste de Pequim, no domingo.

    Na esteira da viagem de Sherman, o secretário de Defesa Lloyd Austin viajará na próxima semana para Cingapura, Vietnã e Filipinas, e o secretário de Estado Antony Blinken visitará a Índia, sinais dos esforços dos EUA para intensificar o envolvimento enquanto a China desafia a influência de Washington na Ásia.

    As negociações de Sherman vêm depois vários meses conflituosos após a primeira reunião diplomática dos países sob a administração do presidente Joe Biden, em março.

    As autoridades chinesas criticaram publicamente os Estados Unidos na reunião no Alasca, acusando-o de políticas hegemônicas, e as autoridades norte-americanas acusaram a China de arrogância.

    O funcionário disse no sábado que a reunião de Tianjin seria uma continuação das negociações no Alasca e “todas as dimensões do relacionamento estarão sobre a mesa”.

    Sanções mútuas

    Desde o Alasca, os dois países trocaram farpas diplomáticas de maneira quase constante. As últimas negociações ocorreram na sexta-feira, quando Pequim sancionou o ex-secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, e outros indivíduos e grupos em resposta às sanções dos EUA sobre a repressão da China à democracia em Hong Kong.

    Os laços bilaterais se complicaram a tal ponto que os especialistas em política externa não esperam resultados significativos de Tianjin.

    Se as negociações correrem razoavelmente bem, no entanto, elas podem ajudar a preparar o cenário para um eventual encontro entre Biden e o líder chinês Xi Jinping, possivelmente à margem da cúpula do G20 na Itália no final de outubro.

    “Se houver confiança, ambos os lados podem usar essas negociações para discutir a cooperação em questões bilaterais, como a remoção da restrição a vistos de diplomatas e estudantes, e em questões multilaterais envolvendo Irã, Afeganistão, Mianmar, mudanças climáticas”, disse Wu Xinbo, diretor da Estudos Americanos na Universidade Fudan de Xangai.

    Bonnie Glaser, especialista em Ásia do German Marshall Fund dos Estados Unidos, disse que as viagens de Blinken e Austin, bem como os esforços diplomáticos, como uma segunda cúpula planejada entre Biden e líderes do Japão, Índia e Austrália no final do ano, pode deixar a China se sentindo encurralada.

    “Os chineses estão, sem dúvida, preocupados com o fato de os EUA estarem fazendo algum progresso na formação de coalizões destinadas a pressionar a China”, disse ela.

    O governo Biden tem procurado reunir parceiros contra o que vê como políticas chinesas cada vez mais coercitivas, incluindo o tratamento de minorias muçulmanas na região de Xinjiang, que Washington diz ser um genocídio.

    Na segunda-feira, Washington reuniu uma coalizão incomumente ampla de países, incluindo a Otan e a União Europeia, para acusar publicamente Pequim de uma campanha global de ciberespionagem.

    A amargura entre os lados ficou explícita quando a China insistiu em anunciar a visita que havia sido solicitada por Washington. Isso se seguiu a dias de discussão sobre o protocolo, três pessoas familiarizadas com o assunto disseram à Reuters em Pequim, incluindo se Wang ou autoridades chinesas menos graduadas se encontrariam com Sherman.

    Evan Medeiros, um especialista em Ásia no governo Obama agora na Universidade de Georgetown, disse que não havia ilusões sobre o estado tenso das relações, mas a disposição de Wang em se encontrar com Sherman sugere que a China está levando as negociações a sério.

    “Em última análise, trata-se de descobrir como é um equilíbrio estável no relacionamento. Isso vai levar tempo, mas você tem que falar para fazer isso”, disse ele.

    Mais Recentes da CNN