Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cidades americanas decretam toque de recolher para conter violência em protestos

    EUA têm sétimo dia consecutivo de manifestações contra racismo e brutalidade policial

    Anna Satie,

    da CNN

    Vinte e uma cidades dos EUA decretaram toques de recolher nesta segunda-feira (1º) para tentar conter a violência em manifestações. É o sétimo dia consecutivo de protestos contra o racismo e a brutalidade policial.

    Algumas dessas são Nova York, Chicago, Filadélfia e Minneapolis, onde o movimento começou. 

    Três condados, inclusive o de Los Angeles, e todo o estado do Arizona também decretaram ações semelhantes. 

    “O foco precisa permanecer em derrubar o racismo sistêmico e colocar um fim na violência contra homens e mulheres negros — e não podemos deixar um pequeno número de pessoas sequestrarem esse movimento ao colocar vidas em perigo e destruir propriedade”, disse Eric Garcetti, prefeito de Los Angeles. A medida vai das 18h às 6h desta terça, no horário local.

    Para o chefe de polícia local, Michel Moore, o toque de recolher de doze horas é o mais severo que a cidade já viu desde os distúrbios de 1992, quando protestos, saques e assassinatos seguiram a absolvição de três policiais que perseguiram e espancaram um trabalhador da construção civil negro. Moore vê a manifestação com bons olhos, mas alerta que nenhuma violência será tolerada. “Não há lugar para aqueles que querem praticar o mal”, disse. 

    De acordo com autoridades da Defesa, um batalhão de 200 a 250 militares está a caminho de Washington e deve chegar durante a noite para reforçar a segurança da capital.

    Leia também:

    Trump promete usar militares caso governantes não ajam contra ‘distúrbios’

    O movimento começou na última segunda-feira (25), quando George Floyd, um homem negro de 46 anos, morreu após um policial branco ajoelhar sobre seu pescoço e asfixiá-lo. O advogado da família declarou mais cedo que uma autópsia independente mostra homicídio por asfixia.

    (Com informações da CNN Internacional)