Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA tentam garantir credibilidade de eleições na Venezuela, mas têm dificuldades

    Governo Biden está se envolvendo com as "partes interessadas" venezuelanas, assim como com parceiros regionais e europeus, em uma tentativa de manter o processo eleitoral nos trilhos

    Imagem da bandeira da Venezuela
    Imagem da bandeira da Venezuela Getty Images/Bloomberg Creative

    Reuters

    Os Estados Unidos veem como uma “questão em aberto” se o presidente venezuelano Nicolas Maduro pode ganhar a reeleição caso realize uma votação livre em julho. Washington está tentando garantir que o pleito seja confiável diante de significativos obstáculos, disse uma autoridade sênior dos EUA nesta sexta-feira (17).

    O governo Biden está se envolvendo com as “partes interessadas” venezuelanas, assim como com parceiros regionais e europeus, em uma tentativa de manter o processo eleitoral nos trilhos, mas espera dificuldades adicionais à medida que a votação de 28 de julho se aproxima, disse a autoridade sob condição de anonimato.

    Maduro concorre com Edmundo Gonzalez, ex-diplomata veterano que foi nomeado o principal candidato da oposição após a vencedora das primárias, Maria Corina Machado, ser proibida de ocupar cargos mantida pela Suprema Corte, medida condenada pelos EUA na época. Desde então, Machado deu seu apoio a Gonzalez.

    No mês passado, os EUA impuseram novamente sanções à Venezuela, membro da Opep, acusando Maduro de não cumprir totalmente os acordos firmados com a oposição para garantir eleições livres e justas.

    Ainda assim, Washington afirma que Maduro cumpriu alguns dos compromissos, incluindo a definição de uma data para as eleições e a permissão para que um candidato da oposição concorra.

    “Estamos monitorando de perto se há algum retrocesso”, disse o alto funcionário do governo aos repórteres.

    Com uma pesquisa recente mostrando que qualquer candidato apoiado por Machado tem mais do que o dobro do apoio de Maduro, os membros da oposição alertaram que o partido socialista no poder poderia tomar medidas para impedir que Gonzalez apareça na cédula de votação.

    “A perspectiva de uma eleição livre e justa, ou mesmo de uma eleição minimamente confiável, continua sendo algo que estamos muito interessados em tentar avançar, mas também reconhecemos que há obstáculos significativos”, disse a autoridade.

    “Se Maduro poderia ou não vencer uma eleição na Venezuela é, na melhor das hipóteses, uma questão muito aberta. Certamente, há uma quantidade significativa de pesquisas que indicam que esse não é o caso.”

    O governo venezuelano não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.