Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-amante processa ex-rei da Espanha por espionagem e pede milhões de euros

    Corinna zu Sayn-Wittgenstein-Sayn acusa o ex-monarca Juan Carlos de ser vigiada ilegalmente por meio de grampos telefônicos e invasão de propriedade

    Denise Odorissi, da CNN em Londres

    Uma ex-amante do ex rei da Espanha, Juan Carlos, decidiu processá-lo na Justiça do Reino Unido. Corinna zu Sayn-Wittgenstein-Sayn afirma que o ex-monarca montou um esquema ilegal de vigilância para monitorar os passos dela.

    A ação está correndo na Suprema Corte de Londres, onde mora Corinna. Ela afirma que Juan Carlos colocou o serviço secreto espanhol para vigiá-la no país britânico. A ação também menciona assédio, difamação e ameaças. 

     

    Zu Sayn-Wittgenstein é uma empresária alemã de 57 anos que teve um caso amoroso com Juan Carlos entre 2004 e 2009. Eles mantiveram uma amizade próxima após estes anos e em 2012, a ex-amante recebeu do monarca a quantia de 65 milhões de euros como presente.

    Segundo a empresária, meses depois ele teria pedido o dinheiro de volta, mas Corinna se negou a devolver e, com isso, passou a ser acusada de roubo e até ameaçada de morte.

    A quantia que ela pode por danos morais e difamação não foi revelada, mas estima-se que sejam milhões de euros. Zu Sayn-Wittgenstein afirmou que está sendo vigiada com grampos telefônicos e invasão de propriedade.

    Embora os advogados de Juan Carlos ainda não tenham apresentado a defesa, o monarca negou qualquer irregularidade. 

    Será preciso definir a jurisdição do caso já que o ex rei não mora no Reino Unido e é um ex-chefe de estado de outra nação. Sua imagem ficou manchada em 2014, quando vieram à tona denúncias de recebimento de propina e sonegação de impostos.

    Os vários escândalos fizeram com que ele renunciasse ao trono. Após começar a ser formalmente investigado, Juan deixou a Espanha para viver em Abu Dhabi.

    Corinna zu Sayn-Wittgenstein-Sayn
    Corinna zu Sayn-Wittgenstein-Sayn
    Foto: CNN / Reprodução