Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-funcionário do TikTok afirma que a China tinha “acesso supremo” a todos os dados

    Yintao “Roger” Yu alegou que o Partido Comunista Chinês tinha um escritório especial na empresa

    Laura HeRamishah Marufda CNN

    O Partido Comunista da China tinha “acesso supremo” a todos os dados mantidos pela Bytedance, empresa controladora do TikTok, inclusive em servidores nos Estados Unidos, alegou um ex-empregador que está entrando com um processo de rescisão injusta.

    As alegações no processo – que a Bytedance nega e prometeu contestar – ocorrem em um momento de intenso escrutínio nos EUA e em outras nações ocidentais sobre o nível de controle, se houver, que Pequim pode exercer sobre o TikTok e os aplicativos de mídia social populares.

    Yintao “Roger” Yu entrou com uma ação de rescisão injusta contra a Bytedance no Tribunal Superior de San Francisco no início deste mês.

    Ele conta que trabalhou na empresa de agosto de 2017 a novembro de 2018, como chefe de engenharia das operações nos Estados Unidos.

    Em uma nova queixa apresentada na sexta-feira, Yu alegou que o Partido Comunista Chinês (PCC) tinha um escritório especial na empresa, às vezes chamado de “Comitê”, que monitorava a Bytedance e “orientava como ela promovia os valores comunistas centrais”.

    “O Comitê manteve acesso supremo a todos os dados da empresa, mesmo dados armazenados nos Estados Unidos”, dizia a denúncia obtida pela CNN.

    O processo de Yu alega que a empresa tornou os dados do usuário acessíveis ao Partido Comunista da China por meio de um canal de backdoor, independentemente de onde os dados estivessem localizados.

    Yu também afirmou ter observado o Bytedance sendo “responsivo aos pedidos do PCCh” para compartilhar, elevar ou mesmo remover conteúdo, descrevendo o Bytedance como “uma ferramenta de propaganda útil” para os líderes de Pequim.

    Um porta-voz da Bytedance negou as alegações de Yu, dizendo que ele trabalhou em um aplicativo chamado Flipagram enquanto estava na empresa, que foi descontinuado por motivos comerciais.

    “Planejamos nos opor vigorosamente ao que acreditamos serem reivindicações e alegações infundadas nesta denúncia”, disse o porta-voz à CNN.

    “Senhor. Yu trabalhou para a ByteDance Inc. por menos de um ano e seu emprego terminou em julho de 2018”, o que Yu contestou em sua reclamação.

    Questões de conteúdo do usuário

    Um relatório anterior do processo de Yu detalhou como, pouco depois de começar seu trabalho, ele percebeu que a Bytedance havia se envolvido por anos no que chamou de “esquema mundial” para roubar e lucrar com o conteúdo de outras pessoas.

    O esquema envolvia o uso de software propositadamente lançado para retirar “sistematicamente” o conteúdo do usuário de sites concorrentes, principalmente Instagram e Snapchat, e preencher seus próprios serviços de vídeo sem pedir permissão.

    O ex-funcionário alegou que estava “perturbado com os esforços da ByteDance para contornar as linhas legais e éticas”.

    Yu está buscando indenizações compensatórias, como lucros cessantes, medidas cautelares e indenizações liquidadas e punitivas.

    Em comunicado à CNN, um porta-voz da ByteDance disse que a empresa está “comprometida em respeitar a propriedade intelectual de outras empresas e adquirimos dados de acordo com as práticas do setor e nossa política global”.

    As últimas alegações surgem quando o popular aplicativo TikTok corre o risco de ser banido pelos legisladores dos EUA por questões de segurança nacional.

    O governo Biden ameaçou o TikTok com uma proibição nacional, a menos que seus proprietários chineses vendam suas participações na empresa, explicando uma relação cada vez mais tensa entre os dois países.

    No mês passado, Montana se tornou o primeiro estado dos EUA a aprovar uma legislação que proíbe o TikTok em todos os dispositivos pessoais.

    A questão é quem possui as chaves dos algoritmos do TikTok e os vastos tesouros de dados coletados de 150 milhões de pessoas nos Estados Unidos que usam o aplicativo todos os meses.

    Autoridades dos EUA expressaram amplamente temores de que o governo chinês pudesse obter acesso aos dados do usuário do TikTok por meio de seus links para sua empresa controladora e que essas informações pudessem ser usadas para beneficiar a inteligência chinesa ou campanhas de propaganda.

    No entanto, especialistas em segurança dizem que ainda não há evidências públicas de que o governo chinês realmente espionou as pessoas por meio do TikTok, que não opera na China.

    Em março, o executivo-chefe da TikTok, Shou Chew, testemunhou perante o Congresso, dizendo que “não viu nenhuma evidência de que o governo chinês tenha acesso a esses dados [do usuário dos EUA]; eles nunca nos pediram, nós não fornecemos.

    “Nosso compromisso é mover seus dados para os Estados Unidos, para serem armazenados em solo americano por uma empresa americana, supervisionada por pessoal americano. Portanto, o risco seria semelhante a qualquer governo indo a uma empresa americana, pedindo dados”, disse Chew na audiência.

    A China respondeu à demanda do governo Biden, dizendo que se oporia “firmemente” a uma venda forçada do TikTok.

    O governo chinês considera algumas tecnologias avançadas, incluindo algoritmos de recomendação de conteúdo, essenciais para seu interesse nacional.

    Em dezembro, autoridades chinesas propuseram endurecer as regras que regem a venda dessa tecnologia a compradores estrangeiros.

    Uma venda ou desinvestimento do TikTok envolveria a exportação de tecnologia, por isso precisaria obter uma licença e aprovação do governo chinês, de acordo com uma porta-voz do Ministério do Comércio em março.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original