Exclusão dos melhores estudantes chineses pode estar prejudicando os EUA

Medida imposta por governo Trump impede a emissão de vistos para alunos de diversas universidades chinesas

Dennis Hu teve seus estudos paralisados, primeiro pela Covid-19, depois por uma proibição de visto imposta pelo governo Trump
Dennis Hu teve seus estudos paralisados, primeiro pela Covid-19, depois por uma proibição de visto imposta pelo governo Trump Foto: Arquivo Pessoal/Dennis Hu

Julia Hollingsworth, Yong Xiong e David Culver, da CNN

Ouvir notícia

Quando Dennis Hu voltou para casa na China para o Ano Novo de 2020, ele pensou que seria uma breve visita. Ele planejava aproveitar as festividades com sua família, renovar seu visto para os Estados Unidos e depois voltar para Boston para continuar o quarto ano de seu doutorado em ciência da computação na Northeastern University.

Mas um ano e meio depois, ele ainda está preso – e não tem ideia de quando poderá retornar aos Estados Unidos.

Hu é um dos mais de 1.000 estudantes chineses que passaram anos batalhando para estudar em uma universidade dos Estados Unidos, para ter seus estudos paralisados, primeiro pela Covid e depois por uma proibição de visto formulada de forma ambígua pelo governo Trump.

Diante da percepção da ameaça de estudantes chineses realizando espionagem em solo dos EUA em meio a tensões aumentadas com a China, o então presidente dos EUA Donald Trump introduziu a proibição que impede efetivamente que estudantes de graduação em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) de várias universidades chinesas obtenham vistos para os EUA, o maior centro de pesquisa do mundo.

Mas os estudantes chineses afetados dizem que não são espiões – e alguns ficaram tão frustrados com a falta de clareza que estão pedindo financiamento coletivo para que um advogado inicie uma ação legal contra o governo dos Estados Unidos.

“A proibição é baseada em uma presunção simples: se você frequentou uma determinada escola, será alvo e rotulado de espião”, disse Hu. “Acho que é uma política de discriminação com base na nacionalidade.

“A combinação da [proibição] e da pandemia levou a um descarrilamento completo dos estudos, de suas carreiras e de suas vidas.”

Especialistas dizem que a questão vai muito além dos alunos individuais que são diretamente afetados, alertando que deixar de fora alunos de pós-graduação internacionais que contribuem para estudos importantes de STEM pode ter implicações para a qualidade da pesquisa americana.
Também pode impactar a capacidade das instituições americanas de recrutar estudantes chineses e exacerbar as já tensas relações entre os dois países.

Covid e proibição de visto

Nos primeiros meses do ano passado, uma proibição de viagens aos EUA para impedir a rápida disseminação da Covid impediu Hu de retornar aos EUA de sua cidade natal na China.
Então, em maio passado, o problema de Hu se tornou político.

Durante anos, a inteligência dos EUA advertiu que a China está usando estudantes espiões para roubar segredos americanos. O Australian Strategic Policy Institute (ASPI), diz que o recrutamento de estudantes faz parte da estratégia de fusão civil-militar da China de usar civis para aumentar seu poderio militar, algo que tem aumentado na última década.

A proibição é baseada em uma simples presunção: se você frequentou uma determinada escola, será alvo e rotulado de espião. Acho que é uma política de discriminação baseada na nacionalidade.

Dennis Hu

Com mais de 370.000 estudantes chineses nos Estados Unidos – quase o dobro de qualquer outro país de origem – as autoridades americanas enfrentam um grande dilema: como encontrar o equilíbrio entre proteger o ambiente acadêmico aberto da América e mitigar o risco à segurança nacional.

“É legítimo se preocupar com as vulnerabilidades dentro das universidades”, disse Robert Daly, diretor do Instituto Kissinger para a China e os Estados Unidos do Wilson Center e ex-diplomata norte-americano em Pequim. Mas, acrescenta, deve ser medido em relação ao “enorme benefício que tivemos com a contribuição da fuga de cérebros de estudantes e acadêmicos chineses nos últimos 40 anos nos Estados Unidos”.

estudante em Boston
Dennis Hu, em Boston, é um dos mais de 1.000 estudantes chineses que passaram anos lutando para estudar em uma universidade dos Estados Unidos
Foto: Arquivo Pessoal/Dennis Hu

Pequim classificou as alegações de espionagem estudantil de “infundadas”, argumentando que acusações “não comprovadas” são um tipo de intolerância e discriminação que acabará por prejudicar os interesses dos Estados Unidos.

Implacável, Trump assinou uma proclamação presidencial em maio do ano passado, restringindo os vistos para estudantes com supostos laços militares.

A proclamação – que Pequim classificou de “perseguição política” – afirma que a China está engajada em uma “campanha ampla e com muitos recursos” para adquirir tecnologias americanas sensíveis e propriedade intelectual, em parte para apoiar a modernização e capacidade das forças armadas chinesas.

A proclamação não especifica quem seria banido, mas Hu estava preocupado. Ele estudou para sua graduação na Northwestern Polytechnic University – uma das sete principais universidades administradas pelo Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação (MIIT), cujo portfólio inclui a indústria de defesa da China.

Com o vírus em alta e as proibições de viagens em vigor, Hu optou por adiar seus estudos em um ano. Hu, como outros estudantes, esperava que o desafiante de Trump, Joe Biden, fosse eleito e rescindisse a proclamação, amplamente conhecida como PP10043.

Mas enquanto o governo Biden retomou a emissão de vistos de estudante para cidadãos chineses em maio, ele continuou a defender a proclamação. Este mês, um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse à CNN que a política é “estritamente direcionada”, uma vez que afeta menos de 2% dos requerentes de visto de estudante chinês e é necessária para proteger as empresas de pesquisa dos EUA e os interesses de segurança nacional.

Isso deixa Hu no limbo. Se ele solicitar um novo visto para os EUA, ele teme ser questionado sobre seu histórico universitário e rejeitado pelo PP10043.

Alunos não aceitos

Kerry Fang levou anos de estudo antes de ser aceito em um programa de doutorado na Universidade da Califórnia, Davis, com bolsa integral, e apenas 10 minutos para que seu sonho terminasse no Consulado Geral dos Estados Unidos em Xangai no mês passado.
Inicialmente, Fang tentou minimizar o fato de ter estudado em uma faculdade ligada ao exército chinês. Afinal, isso foi há sete anos e ele recebeu cartas de apoio de sua universidade nos Estados Unidos.

Consulado dos EUA em Xangai, na China
Consulado dos EUA em Xangai, na China
Foto: Alex Plaveski/EPA-EFE/Shutterstock

Mas enquanto o funcionário do consulado dos EUA o pressionava por respostas, o rapaz de 30 anos admitiu que estudou na Harbin Engineering University, outra universidade importante afiliada ao MIIT da China. A funcionária conversou com seu supervisor e começou a digitar.

Poucos minutos depois, ele disse que ela lhe entregou um formulário de recusa e disse-lhe: “Por causa da proibição presidencial, você não pode obter um visto agora.”

“Eu me formei na universidade há sete anos e a proibição ainda não me deixa ir”, disse Fang. “Se os EUA querem ter como alvo a China, não devem ter como alvo um grupo específico de pessoas, e devem dar o poder ao oficial de vistos, para que o oficial possa fazer seu próprio julgamento, em vez de fazê-lo dessa maneira ampla. “

Wan – a quem a CNN se refere apenas pelo sobrenome devido ao medo de repercussões – teve uma experiência semelhante quando foi solicitar o visto em maio para fazer o mestrado em engenharia elétrica e de computação. O jovem de 24 anos sabia que Trump havia assinado algo relacionado a estudantes chineses no ano anterior, mas não achou que isso o afetaria.
Wan fez apenas duas perguntas no consulado em Guangzhou: onde ele havia cursado a graduação e qual era o seu curso de graduação.

Assim que o oficial de vistos ouviu o nome de sua escola – Universidade de Aeronáutica e Astronáutica de Nanjing, outra universidade afiliada ao MIIT – sua expressão facial mudou, disse ele. Ela parou de fazer perguntas e continuou digitando. Depois de um ou dois minutos, ela disse a ele que seu visto foi rejeitado e entregou-lhe um pedaço de papel carimbado com o mesmo código: “PP10043”.

Os alunos são espiões?

Desde que a política foi imposta em maio do ano passado, pelo menos 1.000 estudantes foram proibidos de acordo com a proclamação, disse o Departamento de Estado dos EUA no ano passado. O Departamento de Estado não respondeu ao pedido da CNN de dados atualizados sobre os alunos afetados.

Alguns tiveram o visto recusado, enquanto outros tiveram seus vistos revogados e foram expulsos dos Estados Unidos. Muitos outros podem ter decidido não solicitar um visto devido à proibição.

O Ministério das Relações Exteriores da China instou os EUA a retirarem suas restrições a vistos. No mês passado, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, expressou “grande preocupação” com o fato de alguns pedidos de visto chineses terem sido negados.

“Eles são de grande importância para aumentar o entendimento mútuo entre os dois povos e promover o desenvolvimento estável dos laços China-EUA”, disse Zhao, acrescentando que as restrições de vistos dos EUA “carregam um legado venenoso da administração Trump e vão contra os EUA. 

As autoridades chinesas levantaram a questão do visto dos EUA em recentes conversas de alto nível com seus homólogos americanos em Tianjin, de acordo com a mídia estatal chinesa.

Donald Trump em entrevista coletiva sobre a China, na Casa Branca, em 2020
Donald Trump em entrevista coletiva sobre a China, na Casa Branca, em 2020
Foto: Mandel Ngan/AFP/Getty Images

As negativas da China são em parte prejudicadas por vários casos de espionagem processados pelos Estados Unidos. Nos últimos anos, por exemplo, o estudante Zaosong Zheng foi acusado de tentar contrabandear pesquisas biológicas para a China, e o estudante chinês de engenharia elétrica Ji Chaoqun foi indiciado por um grande júri, acusado de atuar como agente ilegal.

Instituições com fortes ligações militares e de segurança estão “desproporcionalmente implicadas em roubo e espionagem”, de acordo com um relatório do Australian Strategic Policy Institute de 2019.

Mas os EUA tendem a exagerar a ameaça, disse Daly, do Instituto Kissinger sobre a China e os Estados Unidos. O Departamento de Justiça disse que não rastreia dados sobre casos de acordo com raça, etnia ou nacionalidade. E também houve vários processos malsucedidos de alto perfil de estudantes chineses por acusações relacionadas a espionagem – no mês passado, por exemplo, promotores dos EUA pediram a um juiz que encerrasse um caso contra uma pesquisadora chinesa acusada de esconder seus laços com os chineses.

Embora a espionagem chinesa esteja, sem dúvida, ocorrendo em solo americano, a política atual é arbitrária e abrangente, disse Eric Fish, autor de “China’s Millennials: The Want Generation”. As universidades visadas não são universidades militares em si – são universidades civis com milhares de alunos, a maioria dos quais nada tem a ver com o exército, acrescentou.

realmente usando um facão gigante onde poderiam estar usando um bisturi.”]

”Eric

Embora Fish não ache que Biden teria iniciado a política, a relação tensa entre os EUA e a China significa que pode não ser um momento politicamente inteligente para revertê-la.
“Se Biden rescindisse isso, ele ficaria aberto a ataques dos republicanos por ser muito brando com a China, por abrir a porta para a espionagem chinesa, embora essa não seja realmente a situação”, disse Fish.

Para o amigo de Hu, Matthew Jagielski, doutorando pela Northeastern University, a idéia de verem Hu como um espião é ridícula.

“Definitivamente não tenho a impressão de que a pesquisa dele é uma coisa militar. Também não tenho a impressão de que ele é uma pessoa tentando se infiltrar ou algo assim”, disse ele. “Ele era muito importante no laboratório … É realmente lamentável.”

O custo de excluir alunos

Não são apenas os estudantes chineses que estão perdendo. A política da era Trump também poderia impactar a qualidade da pesquisa dos Estados Unidos, dizem os especialistas.

Embora os alunos afetados representem apenas uma pequena proporção dos alunos chineses em geral, eles estão fazendo algumas das pesquisas mais críticas. Estima-se que 16% dos alunos de pós-graduação em STEM nos EUA sejam cidadãos chineses. Cerca de um terço dos pesquisadores de IA de alto nível fez seus cursos de graduação na China, mas mais da metade deles foi estudar, trabalhar e viver nos Estados Unidos, de acordo com Macro Polo, de uma instituição pública com sede em Chicago.

“O que você está fazendo é afastar milhares de estudantes chineses de muito alto valor em áreas muito valiosas que contribuem muito para a pesquisa americana, que contribuem muito para esses laboratórios”, disse Fish.

O amigo de Hu, Jagielski, expressa de forma simples: “Se você tem menos alunos de pós-graduação, significa que menos pesquisas estão sendo feitas.”

Isso preocupa as universidades americanas. Embora a Northeastern, a universidade de Hu, tenha dito que não poderia comentar sobre alunos específicos, o reitor da universidade enviou uma carta a estudantes internacionais chineses no ano passado, dizendo que “desafiaria políticas míopes”.

Em maio, a vice-reitora de assuntos internacionais da prestigiosa Universidade Cornell, Wendy Wolford, escreveu ao secretário de Estado dos Estados Unidos, criticando a “atmosfera altamente carregada e ambígua para os alunos”.

“Manter o fluxo de estudantes internacionais para os Estados Unidos é necessário tanto para reter nossa preeminência global quanto para construir pontes culturais e políticas mais fortes com o resto do mundo”, escreveu Wolford.

Estamos dizendo ao maior grupo de talentos do mundo que essa é uma classe indesejável ou desprezada nos Estados Unidos e que prejudica o sistema de inovação americano.

Robert Daly

Fang, por exemplo, foi criado para pesquisar o International Thermonuclear Fusion Reactor, com o objetivo de “desenvolver energia limpa para o uso futuro de toda a humanidade”, disse ele.

Hu, ironicamente, estava pesquisando auditoria de algoritmo em uma tentativa de tornar os resultados de pesquisa do Google mais iguais. “Não importa sua etnia, independentemente de homens e mulheres, você obtém esse tipo de resultados justos e amigáveis”, disse ele. “Mesmo que eu esteja estudando em uma universidade dos Estados Unidos, pessoas de todo o mundo podem ler meu artigo. Portanto, desse ponto de vista, embora eu esteja nos EUA, de alguma forma também estou contribuindo para a China e o mundo.”

E a perda dos EUA é o ganho da China. Na verdade, diz Fish, a política dos EUA está ajudando a China a fazer o que ela vem tentando realizar há anos – atrair seus maiores talentos de volta para casa.

Nos últimos anos, as universidades chinesas têm ampliado suas capacidades de pesquisa na tentativa de atrair pesquisadores de ponta. Mas enquanto a produção de pesquisa da China está melhorando, os EUA continuam a ser a potência mundial de pesquisa, o que significa que são capazes de atrair os melhores talentos globais.

O que acontecerá a seguir?

Alguns políticos nos Estados Unidos, no entanto, estão pressionando por regras ainda mais rígidas.
O senador republicano Tom Cotton apresentou um projeto de lei que restringe todos os alunos chineses STEM de graduação e pós-graduação, alegando que “protegeria a pesquisa americana da espionagem e influência do Partido Comunista Chinês”.

“A retórica do congressista está reforçando o ódio aos asiáticos e chineses”, disse Hu.
Enfrentando a incerteza sobre a proibição, alguns estudantes estão desistindo completamente dos EUA e indo para o Canadá, Reino Unido, Austrália, Cingapura ou Hong Kong. Wan é um deles – ele agora espera chegar à Austrália na primavera. Se ele puder, ele diz que PP10043 terá desperdiçado apenas seis meses de sua vida.

“Não posso perder um ou dois anos com isso só por causa da restrição de visto para os Estados Unidos”, disse ele, acrescentando que pediu demissão de seu emprego em Nanjing porque achava que poderia ir para os Estados Unidos. “Se o tempo for perdido, é um desperdício de juventude.”

Alguns dizem que menos estudantes chineses chegando aos EUA reduzirá a compreensão intercultural em um momento em que é mais necessário.

A medida também pode alienar os futuros alunos perturbados pela discriminação que os estudantes chineses enfrentam nos EUA e pela suspeita que obscurece a relação EUA-China.

“Eu realmente acho que quando você pesa a quantidade minúscula de espionagem que isso pode estar evitando contra a enorme desvantagem competitiva que os EUA estão se colocando com isso, é realmente uma medida muito contraproducente”, disse Fish.

“Muitos desses estudantes meio que olham para os Estados Unidos com olhos arregalados antes de vir, pensando que é a terra da liberdade – é onde os melhores cientistas do mundo treinam. E então eles chegam aqui e encontram um status muito incerto. Acho que eles voltam para casa com sentimentos muito negativos em relação aos EUA, o que não tinham antes.”

Esse é o sentimento de Hu, que ainda está preso esperando que algo mude.

“Estou muito triste. Acho que somos um grupo de pesquisadores muito sérios, mas estamos sendo injustificadamente acusados e até mesmo incriminados”, disse ele. “Esta proibição não garantirá a segurança nacional dos Estados Unidos – em vez disso, colocará em risco o prestígio acadêmico dos Estados Unidos.”

(Texto traduzido, leia original em inglês aqui)

Mais Recentes da CNN