Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exclusivo CNN: a luta da Ucrânia pelo Rio Dnipro

    Da ocupação à libertação: o Rio Dnipro é uma das frentes de combate na região de Kherson, na Ucrânia

    A administração militar regional de Kherson publicou imagens mostrando a biblioteca regional de Honchar, fortemente danificada
    A administração militar regional de Kherson publicou imagens mostrando a biblioteca regional de Honchar, fortemente danificada Administração militar regional de Kherson

    Anna CorenDaria Tarasova-MarkinaJessie Yeungda CNN

    Kiev, Ucrânia

    Enquanto Serhiy Ostapenko se agachava em sua caminhonete, escondendo-se sob as árvores para se proteger na calada da noite, os estrondos do bombardeio russo ressoavam ao seu redor.

    “O inimigo está nos bombardeando 24 horas por dia. Não me lembro da última vez que houve silêncio por mais de uma hora”, disse o piloto ucraniano de drones, de 32 anos, falando da margem direita do rio Dnipro, no sul da Ucrânia – uma das novas linhas de frente em um cenário opressivo da guerra que entra agora no seu segundo inverno.

    Ostapenko é membro da unidade de drones “Filhos do Trovão”, parte da operação da Ucrânia para cruzar o Dnipro, repelindo as forças russas e estabelecendo uma presença sustentada na margem esquerda. No início deste mês, a Ucrânia disse que tinha “conquistado uma posição segura” no banco, um avanço potencialmente significativo no que até agora tem sido uma contra-ofensiva sem brilho.

    Mas durante o acesso exclusivo da CNN a Ostapenko, a sua missão nocturna tinha acabado de ser abortada porque os russos tinham identificado a posição da sua unidade na margem direita – forçando-os a procurar abrigo.

    “Esse é outro – acho que foi um foguete”, disse ele à CNN enquanto outro estrondo soava, seu rosto iluminado apenas por uma fraca luz vermelha. “Cada vez que entro nesta zona… sempre me despeço da minha vida, porque percebo que ela pode acabar a qualquer momento, porque um foguete ou uma granada vai explodir. Você se acostuma, mas é desagradável.”

    Avançando no Dnipro

    O Dnipro, com 2.200 quilômetros de extensão, é o quarto maior rio da Europa, fluindo da Rússia, através da Bielorrússia e da Ucrânia, até ao Mar Negro.

    Ela serpenteia pelos pântanos da região de Kherson ocupada pela Rússia – com as tropas russas forçadas a recuar para o outro lado do rio em novembro passado, depois de terem sido expulsas da cidade de Kherson por combatentes ucranianos.

    A libertação da cidade, após oito meses de ocupação brutal, foi uma grande vitória e um momento chave no esforço de guerra da Ucrânia. Mas o ano seguinte trouxe pouco alívio, com a cidade de Kherson e a região do entorno ainda sob ataques implacáveis pelas forças russas do outro lado do rio.

    O Dnipro, que em alguns pontos se estende por um quilômetro e meio de largura, serve como uma barreira defensiva natural para as tropas russas – razão pela qual se tornou, em parte, um alvo importante para Kiev.

    As forças ucranianas já realizaram ataques através do rio, mas estabelecer uma ponte firme sobre o rio e repelir os russos poderia ajudar a proteger melhor a cidade de Kherson, aumentando a distância entre os civis e a artilharia inimiga.

    imagens de drone do Rio Dnipro obitdas pela CNN / CNN

    E – pelo menos teoricamente – um avanço na margem esquerda poderia dar a Kiev um ponto de partida para avançar mais para sul em direção à Crimeia, a península que a Rússia anexou ilegalmente em 2014.

    As forças armadas ucranianas dizem que recuaram as tropas russas de três a oito quilômetros para trás do rio.

    “Agora as nossas (tropas) estão avançando para o outro lado do Dnipro. É muito difícil, fazemos muitos esforços para tornar isso possível e para fortalecer a nossa força do outro lado do Dnipro”, disse Ostapenko.

    Ele acrescentou que “certas ligações” foram estabelecidas através do rio, permitindo às tropas ucranianas transportar “armas, munições, alimentos, combustível” para os seus parceiros “do outro lado”.

    A sua unidade de reconhecimento aéreo, entretanto, trabalha para dar cobertura aos soldados que atravessam o rio, para vigiar as tropas e movimentos russos e para ajudar a mascarar a localização das tropas e equipamentos ucranianos.

    É um trabalho perigoso.

    Ostapenko descreveu o enfrentamento de uma barragem diária de “drones kamikaze, acho que são Shaheds, foguetes, provavelmente lançadores de foguetes Grad, morteiros e tanques”.

    Mas, completou, o bombardeio pode ser visto como um bom sinal: “o inimigo está tentando resistir o máximo possível, o que indica que estamos fazendo tudo certo. Estamos causando muitos problemas e (eles estão) tentam combatê-los.”

    ‘Temos que sobreviver’

    Ao mesmo tempo, na cidade de Kherson, a alegria pela libertação da cidade do ano passado desapareceu para alguns moradores que se concentram apenas em sobreviver todos os dias.

    “Quando está tranquilo, é ainda mais assustador do que quando há bombardeios”, disse Inna Balyoha, de 54 anos. “Você está esperando, está constantemente ouvindo, desligando o rádio. Para que você possa ouvir os sons do lado de fora da janela, para poder reagir a tempo ao bombardeio.”

    A moradora de Kherson, Inna Balyoha, permaneceu na cidade durante a ocupação e libertação russa. / CNN

    Ela é uma dos cerca de 73 mil moradores que ainda vivem em Kherson – menos de um quarto da população original de 300 mil habitantes. Entre ter que cuidar do neto de quatro anos e da mãe de 87 anos, “a decisão de não partir foi tomada há muito tempo”, disse ela.

    Mas viver no meio da guerra teve o seu preço.

    Uma das primeiras palavras de seu neto foi “alarme”, disse ela. “Ele sabe como reagir se ouvir uma sirene de ataque aéreo. Ele sabe para onde ir. Se explosões forem ouvidas do lado de fora da janela, ele terá um pequeno esconderijo no corredor.”

    O bombardeio piorou tanto que eles pararam de sair para caminhadas curtas, ficando a maior parte do tempo em casa agora.

    “Neste momento, estou fazendo tudo que depende de mim para manter a criança segura”, disse ela. “Nossa principal tarefa é sobreviver. Essa foi a principal tarefa durante a ocupação. E é agora. Temos que sobreviver.”

    Os ataques a Kherson se intensificaram no mês passado, chegando a atingir 700 tiros num dia, segundo Oleksandr Prokudin, chefe da administração militar da região de Kherson.

    As tropas russas estão “atacando áreas residenciais com mais frequência porque os nossos defensores avançam e tentam intimidar os cidadãos comuns em locais próximos do rio Dnipro”, disse Prokudin. “Isso é vingança, e agora é mais sentido, porque nossos soldados já estão na margem esquerda da região de Kherson. Os civis da região de Kherson sentem mais esta vingança.”

    Mas, acrescentou, cada morador de Kherson era um “exemplo de coragem”.

    Por mais difíceis que sejam as condições, Kherson ainda está livre da ocupação russa – o que significa que as pessoas podem “se comunicar livremente, andar livremente nas nossas terras”, disse ele. “O lar dá força às pessoas. Elas estão aguentando porque estão em casa.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original