Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Facebook remove vídeo falso de Zelensky rendendo-se à Rússia

    Imagens feitas com inteligência artificial mostram presidente ucraniano parecendo dizer aos seus conterrâneos para baixarem as armas

    Rachel Metzda CNN

    A empresa dona do Facebook, Meta, disse nesta quarta-feira (16) que removeu um vídeo ‘deepfake’, ou seja, não autêntico, do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, supostamente cedendo à Rússia.

    A falsificação tornou-se viral na quarta-feira, como foi notado anteriormente pela Motherboard do Vice. No vídeo, que a CNN Business analisou, Zelensky parece estar atrás de um pódio presidencial e em frente de um pano de fundo, ambos com o brasão de armas ucraniano.

    Vestindo uma camisa verde, Zelensky fala em ucraniano, parecendo dizer aos ucranianos para baixarem as suas armas na guerra contra a Rússia, que dura há semanas.

    Deepfakes – que combinam os termos “profundo” e “falso” – são ficheiros de vídeo e áudio de aspecto persuasivo, mas falsos. Feitos com tecnologia de ponta e relativamente acessível de inteligência artificial, visam mostrar uma pessoa real que faz ou diz algo que não fez.

    Há muito que os peritos estão preocupados com o fato de, à medida que melhoram, serem utilizados para espalhar informações erradas.

    Em uma série de posts no Twitter na quarta-feira à tarde, o chefe da política de segurança da Meta, Nathaniel Gleicher, escreveu que a empresa viu e removeu o vídeo mais cedo nesse dia.

    “Revimos e removemos rapidamente este vídeo por violar a nossa política contra os meios de comunicação manipulados enganosos, e notificamos os nossos pares noutras plataformas”, escreveu ele.

    Embora o vídeo não pareça tremendamente adulterado, há alguns sinais que indicam que o vídeo não é o que parece ser. E o próprio Zelensky apareceu em um vídeo colocado em uma conta oficial da defesa da Ucrânia no Twitter, dizendo que continua defendendo a Ucrânia e recusando-se a depor armas contra a Rússia.

    Hany Farid, professor na Universidade da Califórnia, Berkeley, e perito em forense digital, apontou vários dos sinais óbvios de que o vídeo é um deepfake.

    Primeiro, é uma gravação de baixa qualidade e baixa resolução; este é um truque comum para esconder as distorções criadas ao fazer uma falsificação profunda, uma vez que os nossos cérebros tendem a ser mais tolerantes a falhas em vídeos de baixa qualidade.

    Em segundo lugar, Zelensky no vídeo olha em frente sem mover os braços através do clipe – é muito complicado fazer um deepfake convincente que inclui movimentos de cabeça e mãos que se movem em frente ao rosto.

    Terceiro, há pequenas inconsistências visuais no vídeo, salientou, que ocorrem durante o processo de fazer uma falsificação profunda, que é criada um único quadro de cada vez.

    Embora a voz de Zelensky seja mais difícil de comentar para Farid, em parte porque ele não fala ucraniano, ele disse que lhe soa um pouco estranho.

    O vídeo chega semanas após a conta oficial no Facebook das Forças Terrestres da Ucrânia ter publicado um aviso de que tais vídeos de Zelensky podem aparecer.

    “Atenção – isto é falso”, escreveu a conta, acrescentando em seguida: “Fique descansado – a Ucrânia não vai capitular! Esse aviso foi acompanhado por uma imagem que parecia mostrar Zelensky com uma camisa semelhante à que apareceu no vídeo falso, em frente do mesmo cenário e atrás do mesmo pódio.

    A partir de quarta-feira à tarde, o vídeo ainda podia ser encontrado online, tal como em posts no Twitter e no YouTube.

    Embora Farid não pense que o vídeo enganou as pessoas, ele pensa que “turva as águas da informação”, tornando mais difícil para qualquer pessoa confiar no que vê.

    “Lançar dúvidas sobre o que se vê, ouve e lê é uma arma muito poderosa na guerra da informação e os deepfakes estão agora desempenhando um papel nisso”, disse Farid.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original