Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Faixa de Gaza: Termina novo prazo de Israel para palestinos deixarem norte em rota segura

    Foi o terceiro prazo determinado pelo Exército israelense antes de potenciais incursões terrestres no território palestino

    Da CNN*

    Terminou às 13h locais [7h, horário de Brasília] o prazo determinado pelas Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) para os civis localizados na região norte da Faixa de Gaza se deslocarem para o sul. O IDF afirmou que não realizaria “nenhuma operação nesta rota” até este horário.

    A orientação do Exército israelense é que o deslocamento dos civis fosse realizado pela rua Salah Al-Din. Há 2 milhões de residentes em Gaza, com a maioria deles vivendo na região norte.

    “Sua segurança e a de sua família são importantes. Por favor, siga nossas instruções e vá para o sul. Fique seguro de que os líderes do Hamas já garantiram a própria segurança e a de suas famílias”, afirmou o Exército, em postagem nas redes sociais.

    Esse foi o terceiro prazo dado pelas forças de Israel. Inicialmente, a IDF havia dado até às 18h [horário de Brasília] de sexta-feira (13) para que os moradores de Gaza deixassem a região norte “para garantir sua segurança”.

    Posteriormente, o Exército israelense estendeu o prazo para às 10h [de Brasília] de hoje.

    Ao longo da noite deste domingo (15), um porta-voz das Forças de Defesa de Israel afirmou que o IDF matou outro comandante do Hamas, Billal al-Qedra, que supostamente liderou os ataques no kibutz de Nirim, perto da fronteira israelense.

    Veja mais imagens do conflito

    Brasileiros em Gaza

    Próximos à fronteira de Gaza com o Egito, 28 brasileiros aguardam a liberação do governo egípcio para atravessarem.

    Eles conseguiram embarcar no ônibus fretado pelo governo brasileiro na manhã de sábado (14) e foram em um primeiro momento à cidade de Khan Yunis, cerca de 10 km de Rafah.

    São 16 brasileiros que estavam abrigados em uma escola aguardando transporte que se juntaram a outros 12 que já haviam recebido resgate para o sul da região. Logo após cruzarem a fronteira, eles devem embarcar na aeronave VC-2, disponibilizada pela Presidência da República.

    Ataques e retaliações

    Combatentes do Hezbollah lançaram um míssil contra uma vila na fronteira norte de Israel neste domingo, matando uma pessoa e ferindo outras três, segundo informações do grupo armado e médicos israelenses.

    Na sequência, os militares israelenses declararam que a população não deve se aproximar em até 4 km da fronteira com o Líbano. Depois, realizaram uma retaliação contra o território do Líbano. Além disso, o país segue com ataques na região da Faixa de Gaza, enquanto mobiliza tropas próximas da fronteira para preparar uma ofensiva por “terra, ar e mar”.

    Explosões e largas colunas de fumaça puderam ser ouvidas e vistas na manhã deste domingo em Gaza. Cidadãos e membros da defesa civil tentavam apagar focos de incêndio em uma casa atingida por um ataque aéreo, enquanto ambulâncias corriam para os hospitais.

    De acordo com o tenente-coronel Jonathan Conricus, a área ao redor da Faixa de Gaza está repleta de “centenas de milhares de unidades de reserva israelenses”, que estão se preparando para diversas missões.

    “O desafio e a missão é ter todos esses mais de 360 mil reservistas, tanto no sul como no norte. Prepará-los para a missão, [deixá-los] equipados, preparados, prontos para quaisquer missões que tenham no futuro”, comentou.

    VÍDEO – Brasileiros estão na fronteira de Gaza com Egito e aguardam para serem repatriados

    Reféns do Hamas no subsolo

    Conricus também afirmou à CNN que a principal prioridade de Israel é resgatar reféns que foram levados a Gaza. O objetivo apresenta um desafio uma vez que a região é densamente povoada.

    Apesar disso, os militares israelenses não terão como alvo civis, disse Conricus: “Mas, mais uma vez, devemos lembrar que vamos combater um inimigo implacável que não tem problemas em usar tudo o que está disponível, como civis como escudos humanos e usar infraestruturas civis para fins militares”.

    O tenente-coronel afirmou que os reféns “provavelmente estão sendo mantidos no subsolo em vários locais”.

    “É extremamente difícil para qualquer militar moderno lutar em uma área urbana tão densa. Sabemos que o Hamas tem uma elaborada rede de túneis tanto para fins defensivos como ofensivos, o que certamente aumentará a complexidade dos combates e estamos preparados para isso”, ponderou.

    *Com informações da CNNi e Reuters