Favorito à reeleição, Emmanuel Macron assume papel de estadista da Europa

Presidente francês manteve conversas com protagonistas de tensões mundiais, como Vladimir Putin e Donald Trump

Emmanuel Macron, presidente francês, em campanha pela reeleição
Emmanuel Macron, presidente francês, em campanha pela reeleição Chesnot/Getty Images

Luke McGeeda CNN

Ouvir notícia

No dia 20 de fevereiro, Emmanuel Macron teve uma conversa telefônica com Vladimir Putin. Pouco depois de terminar, o presidente francês anunciou que iria mediar uma cúpula entre o seu homólogo russo e o presidente dos EUA, Joe Biden, com a condição de que a Rússia não invadisse o vizinho. 

No dia seguinte, Putin declarou duas regiões da Ucrânia como independente e até ao final da semana enviou tropas ao país.   

Desde o início da crise, Macron assumiu o papel de estadista da Europa, disposto a falar cara a cara e por telefone várias vezes com Putin, de uma forma que outros líderes mundiais não estariam dispostos ou, como acreditam os apoiadores de Macron, não seriam capazes de fazer.  

Os críticos podem argumentar que a indulgência de Macron legitima um homem que Biden descreveu como um criminoso de guerra. No entanto, seus aliados dizem que, pelo menos, manter a linha aberta com Moscou elimina qualquer alegação que Putin poderia fazer que ele tivesse sido isolado e não tivesse outra alternativa diplomática além da invasão.  

Não é a primeira vez que Macron desempenha o papel de uma espécie de líder da alma da Europa. O francês assumiu as rédeas no tratamento do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, durante alguns dos momentos mais difíceis do seu tempo no cargo.

Putin e Macron durante encontro para discutir tensão na Ucrânia / Cortesia/Secretaria de Imprensa do Kremlin via Getty Images

Ele também definiu boa parte da linha vermelha da União Europeia durante as negociações do Brexit com o Reino Unido. Organizou conversações em Paris com grupos rivais na Líbia, a fim de obter um cessar-fogo. E, durante os primeiros dias da pandemia de Covid-19, ele tentou mediar uma trégua mundial. 

Macron é um homem que vê a si mesmo e à França como uma força para o bem no palco mundial. Embora as suas intervenções muitas vezes não estejam à altura das expectativas (Trump se retirou do acordo nuclear iraniano e do acordo climático de Paris; Putin invadiu a Ucrânia), a personalidade estadista joga bem com o público interno francês. Tudo isso ajuda Macron na reeleição que acontece neste mês no país.  

A guerra lançou uma sombra sobre a campanha eleitoral presidencial francesa, cujo primeiro turno acontece no domingo (10 de abril). A adversária mais provável de Macron no segundo turno, a candidata da extrema-direita Marine Le Pen, teve de abordar os seus laços anteriores com a Rússia, que incluem o apoio financeiro aos bancos russos.  

Se Macron garantir um segundo mandato, é provável que ele queira continuar e ir mais longe no seu papel de guia político e moral da Europa. 

No passado, ele nunca escondeu sua grande visão para o futuro da União Europeia e a forma como vê a França no centro do projeto.  

Quando se dirigiu ao povo no comício da vitória depois de vencer a eleição de 7 de maio de 2017, Macron prometeu não só liderar a França, mas também fornecer uma liderança estável para todo o continente numa altura de incerteza.  

Após chegar ao comício ao som do “Hino à Alegria”, de Beethoven, que é o hino da UE, Macron disse à multidão que iria “defender a Europa”. 

“Nossa civilização está em jogo, nosso modo de viver, de ser livre, de promover nossos valores, nossos negócios em comum e nossas esperanças”, discursou Macron.  

Nessa altura, a maior ameaça para a Europa era o Brexit. Os aspectos práticos, as implicações e as consequências de um estado-membro que abandona a UE não eram plenamente conhecidos e, embora a UE se mantivesse unida ao longo do processo, as negociações que envolviam a saída da Grã-Bretanha do bloco prejudicaram os negócios da UE durante uma parte de quatro anos. Macron, no entanto, viu uma oportunidade de revitalizar e fortalecer a UE sem o Reino Unido.  

Em setembro de 2017, ainda no início de sua presidência, Macron proferiu um discurso no qual ele definiu a sua visão de uma “Europa soberana”. O francês queria reformar e reconstruir o bloco de uma forma que deixasse a UE mais ligada do que nunca, incluindo ter uma força de intervenção conjunta e um orçamento de defesa, bem como os meios de “controlar eficazmente as nossas fronteiras” e utilizar incentivos econômicos para “aproximar os nossos modelos sociais e fiscais”. 

Nem todos concordaram com ele. Sophie Pedder, chefe da sucursal de Paris da revista “The Economist” e autora de “Revolution Française: Emmanuel Macron and the Quest to Reiveint a Nation” (“Revolução Francesa: Emmanuel Macron e busca para reinventar uma nação”, sem edição no Brasil) disse que na época parecia que Macron “chamava para um vazio”, já que o resto da Europa lutava para enxergar a grande visão do presidente francês.   

“Macron fez este apelo bastante complicado para a soberania europeia e havia silêncio da Alemanha, que tinha acabado de ter uma eleição e não era claro como seria o governo resultante”, disse Pedder à CNN.  

Desde então, o presidente francês esforçou-se para construir um consenso em torno da sua visão reimaginada para a Europa, segundo Gerard Araud, que serviu de embaixador de Macron nos EUA entre 2017 e 2019. 

“Todos os países da UE têm uma visão do que a Europa deve ser e, na maioria dos casos, é uma projeção do seu próprio estado. Para os alemães, é um centro mais administrativo em um sistema federal. Para a França, é um estado centralizado com bandeira e exército”, disse ele à CNN. 

Em vários pontos dos últimos cinco anos, vários diplomatas e autoridades da UE falaram de uma ampla frustração na determinação única de Macron. O presidente irritou outros estados-membros por vezes com a sua dura linha relativamente ao Brexit e enervava aqueles membros mais preocupados com a segurança, falando da “morte cerebral” da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e apelando a um exército europeu. Isso afastou outros estados-membros e deixou que muitos dos seus apelos por uma Europa mais centralizada fossem ignorados. 

Joe Biden, presidente dos EUA, e Emmanuel Macron, presidente da França / Kevin Lamarque/Reuters

“Ele queria uma grande reforma, mas se viu isolado”, afirmou à CNN Philippe Marliere, professor de política francesa e europeia no University College London.  

“Uma combinação da sua pressão demasiado dura, o Brexit bloqueando tudo e as fases iniciais da pandemia, colocando todos os governos em modo de crise, formou uma série de condições políticas inexistentes para Macron construir uma coligação em torno da sua grande visão”, acrescentou Marliere. 

Mas, com as pesquisas mostrando que Macron é o favorito para garantir mais cinco anos de poder, a Europa tem uma necessidade ainda maior de orientação do que em 2017. A guerra na Ucrânia mudou fundamentalmente as atitudes europeias em relação às despesas de segurança e sublinhou a dependência excessiva da Europa em relação à energia russa.  

Lembrou também aos que se opõem a Putin (tanto dentro como fora da UE) a importância de permanecer unidos perante um adversário. Para que essa unidade e esse foco permaneçam, a Europa precisa de alguém que esteja disposto a fornecer essa liderança política e a levar os outros consigo. 

Em teoria, o presidente francês deveria estar bem colocado para assumir este cargo. A questão é se ele tem ou não os atributos pessoais e políticos para persuadir seus aliados. 

Pedder salienta que, embora Macron possa não ter conseguido aprovar a enorme reforma que propôs, ele tem tentado aproximar um pouco mais os parceiros da UE do tipo de Europa que pretende quando se trata de determinadas questões. 

“Quando vista em conjunto, a resposta da Europa à pandemia teve algumas mudanças extraordinárias na forma como a união está disposta a funcionar. Ela tem a Alemanha e os estados austeros a bordo com um plano comum de recuperação e empréstimo concordando em garantir conjuntamente a dívida uns dos outros”, disse ela.  

Após a invasão da Ucrânia, Pedder também notou o aumento dramático dos gastos com a defesa em toda a UE, inclusive pela Alemanha. “Outros estão agora enxergando a visão da Europa de Macron. Ele pode não ter começado as reformas sólidas que queria, mas, no tom, acho que ele ficaria surpreso com o quão longe as coisas chegaram desde 2017”.   

Em teoria, existem condições para que Macron cresça sobre as bases da pandemia e da guerra. No entanto, para fazer isso, ele deve superar obstáculos que poderiam ter sido feitos sob medida para frustrá-lo.   

A Europa está pensando seriamente novamente na defesa, um dos temas favoritos de Macron. Mas está fazendo isso através do meio da Otan.   

“A Otan está de volta. Não haverá substituição europeia e qualquer estratégia comum de defesa da UE terá de ser coordenada com a Otan”, afirmou Araud. “Já não existe um espaço para algo novo, que Macron pensava que haveria em 2017.”   

Além disso, o francês está mais bem posicionado do que muitos aliados ocidentais para falar com Putin. Embora seja membro da Otan, a França favorece há tempos uma política externa mais autônoma, tentando muitas vezes desempenhar o papel de mediador entre a Europa e outros líderes mundiais.  

Durante os anos Trump, Macron parecia acolher o presidente dos EUA na esperança de que pudesse convencê-lo de não sair tanto do acordo climático de Paris como do acordo nuclear do Irã, assumindo o papel de coadjuvante. Ele foi derrotado em ambas as questões.  

No entanto, ele foi criticado na Ucrânia pelos aliados ocidentais e lutou para ganhar a confiança dos seus vizinhos europeus.   

“Será que ele terá credibilidade se Putin for julgado por crimes de guerra? Ele não tem sido a voz mais firme ou crítica no Ocidente e historicamente tem desejado um relacionamento híbrido com a Rússia”, opinou Marliere, que também notou que Macron é “conservador sobre quais armas enviar para a Ucrânia” e que as empresas francesas “permaneceram na Rússia, presumivelmente com algum tipo de apoio do governo”.  

Se a Europa quiser fazer progressos em questões como a agenda verde, reduzindo a dependência do gás russo e das cadeias de abastecimento mais seguras, a verdade é que as relações entre o Reino Unido e a UE necessitam de reparação urgente. 

Poucos veem Macron como a pessoa certa para fazer isto, já que ele é o líder mais eloquente da UE contra o Brexit. Apesar de agirem amigavelmente com Boris Johnson, os diplomatas que trabalharam durante as negociações do Brexit dizem que os dois são estranhamente semelhantes: muitíssimo competitivos, preocupam-se mais com a vitória pessoal uns aos outros do que com o compromisso e, às vezes, são imprudentes. 

Ou seja, os dois estão quase sempre em rota de colisão.    

Marie Toussaint, deputada francesa dos Verdes no Parlamento Europeu, acha que Macron carece de competências políticas ou diplomáticas para enfrentar os desafios que se avizinham.   

“A Ucrânia trouxe a questão fundamental de saber o que será a Europa no futuro mais urgente. Queremos o status quo? Queremos ser apenas – ou até que ponto – um poder militar unido? Queremos ser verdadeiramente federalistas? Com base no seu fracasso em implementar uma transição verde adequada em França, não creio que Macron tenha a resposta a qualquer uma destas grandes perguntas europeias”.  

Mas os apoiadores argumentam que Macron mudou a conversa o suficiente para que ele esteja perfeitamente posicionado para liderar a Europa durante a sua próxima fase. 

Presidente francês, Emmanuel Macron, com sua mulher, Brigitte Macron / Ludovic Marin/Pool via Reuters (15.out.2021)

Marie-Pierre Vedrenne, deputada francesa, afirma que “a soberania europeia era o compromisso de Emmanuel Macron em 2017. Fomos considerados sozinhos e tolos. Agora, este é um objetivo compartilhado por todos os europeus e estamos trabalhando concretamente nele”, ela afirmou, acrescentando que as crises de Covid e da Ucrânia “deram um novo impulso à integração da UE, recordando-nos a necessidade de construir uma Europa mais soberana, democrática e unida”. 

As últimas duas décadas têm sido muito duras na Europa. Desde a crise financeira ao Brexit e depois a da pandemia, tanto os países da UE como os outros tomaram decisões para trabalharem mais estreitamente com países como a China e a Rússia, desvalorizaram a sua própria segurança, partindo do pressuposto do cobertor dos EUA através da Otan, e ficaram mais duras com a migração, de tal forma que os opositores poderiam usar a questão dos refugiados como arma. Em outras palavras, a Europa ficou vulnerável.   

A tragédia que se desenrola na Ucrânia puxou os europeus e os seus parceiros ocidentais para o mesmo lugar pela primeira vez em anos. Tal como a crise do Brexit coincidiu com a primeira vitória eleitoral de Macron, o fato de a guerra Ucrânia estar acontecendo durante a sua segunda campanha é um simples acaso.   

Entretanto, para um homem que gosta de falar sobre o destino da Europa e, para melhor ou pior, vê-se a si próprio e ao seu país como o coração pulsante da Europa, a crise – mais uma vez – pode ter criado a oportunidade perfeita para Macron assumir esse papel crucial.  

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN