FBI investiga conversas entre deputados e manifestantes que invadiram Capitólio

Agentes examinam registros de comunicações entre membros do Congresso dos Estados Unidos e a multidão pró-Trump que atacou o Capitólio no dia 6 de janeiro

Ataque ao Capitólio em 06 de janeiro de 2021
Ataque ao Capitólio em 06 de janeiro de 2021 Foto: Shannon Stapleton/Reuters

Da CNN

Ouvir notícia

Investigadores do FBI estão examinando registros de comunicações entre membros do Congresso dos Estados Unidos e a multidão pró-Trump que atacou o Capitólio no dia 6 de janeiro deste ano. A investigação se aproxima de explorar se os legisladores, intencionalmente ou involuntariamente, ajudaram os invasores, de acordo com uma autoridade americana informada sobre o assunto.

Os dados coletados até agora incluem indicações de contato com legisladores nos dias próximos ao 6 de janeiro, bem como comunicações entre supostos desordeiros discutindo suas associações com membros do Congresso, disse a autoridade.

A existência de tais comunicações não indica necessariamente irregularidades por legisladores e os investigadores ainda não estão visando membros do Congresso na investigação, observou o oficial. Se os investigadores encontrarem a causa provável de que os legisladores ou suas equipes possivelmente ajudaram os rebeldes, eles podem buscar mandados para obter o conteúdo das comunicações. Não há indicação de que eles deram esse passo neste ponto.

Com cerca de 300 pessoas enfrentando acusações, a investigação agora foca em identificar aqueles que supostamente conspiraram e planejaram o ataque para interromper o processo constitucional de certificação dos resultados das eleições.

Funcionários do Departamento de Justiça designaram mais de duas dúzias de promotores, incluindo alguns de fora de Washington, para investigar questões mais complexas, incluindo possível financiamento de insurrecionistas e se figuras políticas, incluindo legisladores e funcionários, ajudaram no ataque.

Policiais dizem que uma das primeiras medidas tomadas após a insurreição foi buscar dados de torres de telefonia celular para tentar identificar pessoas no Capitólio naquele dia, uma tática permitida pela lei existente. Isso foi necessário, dizem as autoridades, porque entre as várias falhas naquele dia estava a Polícia do Capitólio dos Estados Unidos permitindo que centenas de pessoas que haviam atacado o prédio saíssem sem serem presas.

As autoridades anunciaram apenas uma parte de prisões em 6 de janeiro, e o FBI e outras agências posteriormente usaram uma rede por todo o país para encontrar os manifestantes.

Os policiais usaram o que chamam de “lista de exclusão”. A lista permite que os investigadores vejam os dispositivos móveis que foram autorizados a estar no Capitólio – como para membros do Congresso e funcionários, autoridades policiais e outros funcionários do governo e de segurança pública – enquanto examinam pessoas que não foram autorizadas a entrar no prédio, de acordo com um processo judicial federal em um caso relacionado a distúrbios.

Mais Recentes da CNN