Foguete da Firefly explode minutos após lançamento e não consegue sair da Terra

Tratava-se da primeira tentativa da startup de alcançar a órbita do planeta

Um foguete de 30 metros de altura explodiu minutos após o lançamento da Base da Força Espacial de Vanderberg, em Los Angeles
Um foguete de 30 metros de altura explodiu minutos após o lançamento da Base da Força Espacial de Vanderberg, em Los Angeles Reprodução

Jackie Wattlesdo CNN Business

Nova York

Ouvir notícia

Um foguete de 30 metros de altura explodiu minutos após o lançamento da Base da Força Espacial de Vanderberg, em Los Angeles, Califórnia (EUA), na quinta-feira (2), não conseguindo sair da Terra.

Com a explosão, a missão espacial da empresa desenvolvedora Firefly, com sede no Texas, foi considerada um fracasso. Tratava-se da primeira tentativa da startup de alcançar a órbita do planeta.

O foguete parecia ter uma boa decolagem enquanto voava sobre o Oceano Pacífico e se aproximava de velocidades supersônicas.

Porém, em determinado momento, o foguete começou a girar sobre si mesmo, antes que os oficiais da Força Espacial dos Estados Unidos ordenassem que a empresa destruísse o foguete no ar.

A equipe técnica, que acompanha o lançamento da terra, é responsável pelo chamado “aborto de emergência”. O procedimento serve para que o foguete não volte desgovernado para terra, atingindo pessoas ou propriedades.

Segundo a Firefly, a empresa está trabalhando com reguladores federais para determinar o que deu errado antes de trabalhar em sua próxima tentativa de voo orbital.

“Embora não tenhamos atingido todos os nossos objetivos de missão, alcançamos vários deles: ignição bem-sucedida do primeiro estágio, decolagem da plataforma, progressão para velocidade supersônica e obtivemos uma quantidade substancial de dados de voo”, declarou a empresa no Twitter.

Segundo informações da CNN Internacional, ninguém foi ferido com a explosão.

Perda de foguetes em 2021

A Firefly não é a única empresa espacial a perder um foguete em 2021. Astra (ASTR), uma empresa sediada na Califórnia com um plano de negócios semelhante ao da Firefly, tentou na semana passada colocar seu foguete de 13 metros de altura em órbita.

Assim como a Firefly, a Astra não conseguiu e também viu seu foguete explodir. No lançamento, o veículo desviou para o lado, saindo de sua plataforma e até tentou retornar ao eixo. No entanto, explodiu sobre a costa do Alasca.

Há também a SpaceX, que sofreu muitas explosões durante as fases iniciais de desenvolvimento de sua tecnologia de foguetes.

Os primeiros protótipos de um foguete que a empresa espera que um dia coloque humanos em Marte, por exemplo, explodiram diversas vezes em volta à Terra este ano.

Novas empresas espaciais

A Firefly está entre uma longa lista de empresas de foguetes comerciais que buscam tornar o espaço um local de negócios competitivos, em vez de domínio exclusivo dos governos.

No entanto, se uma startup pode ou não colocar foguetes em órbita com sucesso — como empresas como a SpaceX, Rocket Lab e Virgin Orbit foram capazes de fazer — é um fator determinante para saber se a empresa poderá se manter financeiramente.

A Firefly, por exemplo, já foi à falência uma vez. Saiu da falência em 2017 depois de encontrar novo respaldo financeiro e encontrar uma nova onda de apoio de investidores privados. De acordo com a empresa de dados Pitchbook, a Firefly arrecadou milhões e tem uma avaliação de US$ 1 bilhão.

Se a Firefly tivesse sucesso na noite da última quinta-feira (3), teria se tornado a terceira empresa dos EUA a alcançar a órbita com sucesso com um foguete projetado especificamente para transportar lotes de minúsculos satélites para o espaço.

 

A Rocket Lab, que até agora só lançou fora da Nova Zelândia, e a Virgin Orbit, a empresa irmã da empresa de turismo espacial que levou seu fundador, Richard Branson, aos limites do espaço, são até agora as únicas empresas americanas a conseguir isso um marco.

Mas dezenas — possivelmente centenas — de empresas estão esperando com planos de negócios quase idênticos: construa foguetes baratos e leves que possam fazer viagens frequentes para a órbita.

Em contraste, a mais notável das chamadas “novas empresas espaciais”, a SpaceX, constrói foguetes maciços de 60 metros de altura que podem ser especificamente adaptados para fornecer robustos satélites de telecomunicações ou de segurança nacional para órbitas distantes, ou grandes lotes de pequenos satélites para órbitas próximas.

Mas a Firefly e outros com planos de negócios semelhantes são todos parte de uma corrida para atender às demandas percebidas no mercado, já que os líderes de torcida do espaço de Wall Street ao Vale do Silício preveem um futuro próximo onde as tecnologias baseadas no espaço fornecerão a plataforma para todas as necessidades desde alta velocidade e internet global para locais de férias extraterrestres.

Tópicos

Mais Recentes da CNN