Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Forças isarelenses matam palestino de 15 anos em campo de refugiados 

    Tensões na Cisjordânia se ampliam consideravelmente; mulher israelense alvo de ataque na sexta-feira morreu nesta segunda 

    Soldados israelenses durante operação no campo de refugiados
    Soldados israelenses durante operação no campo de refugiados CNN

    Abeer SalmanJo Shelleyda CNN

    Forças israelenses atiraram e mataram um menino palestino de 15 anos no campo de refugiados de Aqbat Jaber, perto da cidade ocupada de Jericó, na Cisjordânia, disseram autoridades palestinas, enquanto a violência na região continuava fervendo na segunda-feira. 

    Mohammad Fayez Balhan foi “morto por balas reais de ocupação na cabeça, tórax e abdômen”, disse o ministério, acrescentando que outras duas pessoas foram feridas por munição real e enviadas para um hospital em Jericó para tratamento. Os militares israelenses disseram que invadiram o campo para prender um “suspeito de terrorismo”. 

    “Durante a atividade, tumultos violentos foram instigados em vários locais”, disseram as Forças de Defesa de Israel (IDF) em um comunicado. “Quando os soldados deixaram a área, os suspeitos abriram fogo contra eles, lançaram explosivos e coquetéis molotov. Os soldados responderam com fogo real e munição calibre .22. Os alvos foram identificados.”

     

    As tensões em Israel e na Cisjordânia ocupada aumentaram após as recentes batidas policiais israelenses na mesquita de al-Aqsa em Jerusalém. Na última semana, dezenas de foguetes foram lançados do Líbano, Gaza e Síria em território israelense, seguidos por ataques israelenses de retaliação. 

    Na sexta-feira, um veículo atingiu um grupo de turistas em Tel Aviv, matando um cidadão italiano, no que as autoridades israelenses descreveram como um ataque terrorista. Duas irmãs, de 15 e 20 anos, com dupla cidadania britânica-israelense, também foram mortas na sexta-feira em um ataque a tiros na Cisjordânia. Na segunda-feira, a mãe das mulheres, Lucy Dee, sucumbiu aos ferimentos sofridos durante o tiroteio. 

    “Em nome de todos os cidadãos de Israel, transmito sinceras condolências à família Dee pelo falecimento da mãe da família, Leah (Lucy), que foi assassinada no grave ataque terrorista no Vale do Jordão na última sexta-feira, junto com sua esposa. duas filhas, Maia e Rina”, disse Netanyahu em um comunicado na segunda-feira. 

    Netanyahu instruiu na sexta-feira a polícia israelense “a mobilizar todas as unidades da polícia de fronteira na reserva e as IDF a mobilizar forças adicionais em face de ataques terroristas”, segundo seu escritório. O exército israelense disse estar em alerta máximo, convocando um número não especificado de reservistas em meio ao que descreveu como “tempos muito voláteis”. 

    Também na segunda-feira, milhares de colonos israelenses marcharam para Evyatar, um posto avançado de colonos ilegais na Cisjordânia ocupada que tem sido um ponto crítico para o movimento de colonos de Israel. O ministro israelense de segurança nacional de extrema-direita, Itamar Ben-Givr, entre os que lideraram uma campanha para legalizar o posto avançado, estava entre os manifestantes. 

    Evyatar fica no topo de uma colina, ao longo de um corredor que liga Tel Aviv ao Vale do Jordão, conhecido localmente como Jabal Subeih. Os palestinos que dizem possuir terras no local têm realizado contra-protestos. 

    Os confrontos entre as forças israelenses e os palestinos perto da cidade vizinha de Beita deixaram quase centenas de feridos, disse o Crescente Vermelho Palestino. 

    Mohammad Fayez Balhan tinha 15 anos e foi morto pelas forças israelenses /Foto: Arquivo familiar

    O Crescente Vermelho Palestino disse que 216 pessoas ficaram feridas nos confrontos, incluindo 22 pessoas atingidas por balas de borracha que, segundo eles, foram disparadas por forças israelenses. Três pessoas foram transferidas para o hospital, também disse. 

    Em um comunicado, o IDF disse que “um motim violento” foi instigado perto de Beita, acrescentando que “pedras foram arremessadas contra os soldados, ferindo levemente dois soldados do IDF” e “as forças de segurança no local responderam com meios de dispersão de tumulto”. 

    A CNN procurou a polícia israelense para comentar, mas eles não responderam imediatamente. 

    Os palestinos em Beita, que fica ao sul de Nablus, dizem que são donos da terra em Evyatar. 

    Os colonos israelenses deixaram Evyatar em 2021 após um acordo com o governo do então primeiro-ministro Naftali Bennett. Os edifícios permaneceram como parte do acordo do governo com os colonos. 

    “A terra de Israel pertence ao povo de Israel, pertence a nós”, disse à CNN o membro do Knesset Ariel Kallner, do partido Likud de Netanyahu. “Acho que quem mora aqui, os árabes e tal, pode morar aqui. Mas é a nossa terra.” 

    De acordo com a lei internacional, tanto a Cisjordânia quanto a Jerusalém Oriental são consideradas territórios ocupados e os assentamentos ali ilegais, o que Israel contesta. 

    Nabil Abu Radina, porta-voz do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, condenou a marcha como uma “invasão de milícias de colonos, lideradas por ministros do governo de ocupação israelense”. Abu Radina também exigiu “intervenção imediata e rápida” do governo dos EUA para “acabar com essa loucura pela qual toda a região pagará o preço”. 

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original