G7 chega a consenso sobre dumping e abusos de direitos humanos na China

Os líderes do bloco chegaram ao acordo após divergirem sobre sanções ao país asiático

Da Reuters

Ouvir notícia

Os líderes do G7 chegaram a um consenso sobre a necessidade de uma abordagem compartilhada para a China vender exportações a preços injustamente baixos e para abusos dos direitos humanos, disse um alto funcionário do governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, no sábado (12).

O funcionário, falando sob condição de anonimato, disse que os líderes do grupo dos países mais industrializados do mundo — composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido — também concordaram com a necessidade de coordenar a resiliência da cadeia de suprimentos para garantir que as democracias se apoiem umas às outras.

“Eu diria que houve unanimidade em termos de disposição para denunciar abusos dos direitos humanos e violações das liberdades fundamentais que invocam nossos valores comuns”, disse a autoridade. “Houve o compromisso de agir em resposta ao que estamos vendo.”

Reunião do G7 2021
Reunião do G7 2021
Foto: Leon Neal – WPA Pool/Getty Images

 

O funcionário disse que o G7 havia se mudado há três anos, quando o comunicado final não fazia menção à China.

Sob a estrutura legal da Organização Mundial do Comércio, a designação da China como uma “economia sem mercado” permite que seus parceiros comerciais, incluindo os Estados Unidos, usem uma estrutura especial para determinar se as exportações da China estão sendo vendidas a preços injustamente baixos e, se for esse o caso, aplicar direitos anti-dumping adicionais.

Mais Recentes da CNN